Sexta-feira, 16 de Abril de 2010

Os Lusiadas que somos

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.781 – 12 de Abril de 1985

OS Lusíadas que somos

 

Repetida, violenta, impertinente soa a campainha!

Irritada, abro a porta de rompante pronta para a agressão verbal.

No patamar, iluminado só pela luz que se escapa do interior da casa, e os apanha em cheio – brilham alguns pares de olhos.

Um momento breve esgueira-se, até que se identifique a situação. Sorrisos rasgados desarmam-me aumentando o branco que reflecte a luz.

-- Quem são? – O que querem? – De onde vêm?

Surge como resposta a ponta da meada.

 

De um bairro, lá na outra ponta da cidade, onde vivem, saiem à noitinha as crianças de pele escura, cabelinho crespo, batendo às portas para pedir comida.

-- Só comida! - - (ou roupas) – comida de preferência!

Uma criança é sempre uma criança – tenha a cor que tiver.

Uma criança de pele clara, que pede, é um dos nossos a quem não demos ainda o lugar e as condições a que tem direito.

-- Mas… e estes meninos e meninas de cor, cabelinhos crespos, bocas carnudas, dentinhos luzindo?! – de quem são?

Não serão (se possível) ainda mais nossos? – “Nossos” por serem crianças, “nossos” porque seus pais vieram lá de longe, lá do outro hemisfério, porque escolheram ser confiadamente portugueses?

 (quadro - ciganos - óleo de Maria José Rijo)

.

“Nossos” porque todos, sem excepção, somos responsáveis pelo cumprimento de cada um dos deveres que nos corresponde – por cada um dos direitos da criança?

Olho estes meninos negros que pedem às nossas portas – encaro-os – e, dentro de mim atropelam-se versos de Camões – Versos de orgulho Lusíada – Versos de “Os Lusíadas” – raiz histórica de: - os Lusíadas que somos…

                                           

 

"Na quarta parte nova os campos ara,

E se mais mundo houvera lá chegara!"

 

Canto de epopeia – epopeia de uma raça – a nossa!

 

“Que da ocidental praia Lusitana

Por mares de nunca antes navegados…”

 

Foi por esses mares – já sabidos agora palmo a palmo

- Sob o céu onde brilham ainda as constelações que guiaram aqueles que :

 

“entre gente remota edificaram

Novo reino que tanto sublimaram”,

 

Que vieram até nós – até:

 

“… O reino Lusitano

Onde a terra se acaba e o mar começa”

 

Dando à costa, como despojos, os restos vivos de um império desmoronado. Vieram – crentes em nós – os donos verdadeiros desse império – que não lhes foi restituído.

 

“Cesse tudo o que a Musa antiga canta,

Que outro valor mais alto se alevanta”

 

Diz o genial Camões com um frémito de orgulho por ser português.

É de nós que Camões fala – da nossa raça.

-- Onde está esse valor?

-- Onde está que “não se alevanta” e consente que “essa gente remota” viva a mendigar às nossas portas como nós fazemos mundo fora – até já ao Japão…

São também de Camões e de “Os Lusíadas” estes versos que merecem contar os lusíadas que somos,

 

“A pátria, não, que está metida

No gosto da cobiça e na rudeza

De hua austera, apagada e vil tristeza”

 

 

Maria José Rijo

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:27
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De Xavier Martrins a 17 de Abril de 2010 às 01:50
Belissimo texto.
Adoro esta sua forma de falar da vida.
Muito bem visto.
Realmente somos Lusiadas mas a maioria não
entende lá muito bem o que isso quer dizer.
Falta muita coisa... perceber muitas outras e
ter coração para as entender e distinguir o que
é uma coisa e o que é a outra.
è bom saber separar as águas.

Gostei muito - 10 ******** estrelas.

Com muita amizade

Xavier Martins


De Flor do Cardo a 17 de Abril de 2010 às 02:02
Minha boa amiga
Realmente desta vez surpreendeu-me já que
me não lembrava deste belissimo texto.
Como sempre um olhar atento, logico e bem
lucido de uma realidade que ainda hoje se vê
- diria quase todos os dias.
Ninguém os olha como deve de ser.
O preconceito continua e continuará no
coração de muitos.
Por vezes de ambas as partes ... nem sempre
a convivencia é pacifica - como sabemos...

Minha cara amiga
não me recordava deste.
Sabe que a minha mulher tinha um apreço
especial pelos ciganos. É verdade - ela até
ajudava uma familia qualquer que num dia da
semana ia lá bater á porta.
Gestos que ficam nas nossas mentes.

Tenho recebido o Linhas - do ultimo mês - um
amigo que me envia - mas eu já suspendi os
envios - na realidade o jornal já não me
parece tão bom.
É a minha opinião - uma entre um milhão - não
faz mal - agora se o milhão for da minha
opinião - é que já não é la muito bom.
Realmente a Senhora fazia lá falta - mas,
compreendo se não o fizer - escrever só quando
nos apetecer porque de obrigação é uma má
ideia.

E porque não escreve aqui para o seu blog?
Só para aqui?
Era bem melhor pois leva os seus textos a
muito mais gente - pense nisso.
Eu venho cá todos os dias!

Um abraço
Luciano


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@