Quarta-feira, 12 de Maio de 2010

Foi assim...

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.787 – 24 de Maio de 1985

Foi assim…

 

Não é por gosto que trago a lume este assunto mas, parece-me lícito, que o faça porque tive o meu nome nele envolvido publicamente.

Há algum tempo contactaram-me telefonicamente pedindo a minha participação em tarefas ligadas ao turismo.

Não me reconheço com dotes ou capacidades particulares para tanto, dado que a minha “especialização” é apenas como dona de casa e, até essa, adquirida empiricamente.

Foi portanto servindo-me da “minha lógica profissional” que pensei:

- Para uma cidade cativar viajantes e “prende-los” terá que ser tratada, limpa e valorizada nos seus recantos, tendências e pormenores como se faz com uma casa.

- Terá que respirar tudo quanto lhe dê carácter e a distinga das demais.

- Para entreter quem a visite terá que saber “conversar” isto é: falar do seu passado, das suas origens e tradições terá que saber fazer ouvir a voz da sua história, dos seus monumentos e, para que se entenda o seu

presente terá, em tudo quanto fizer ou disser, de mostrar bem: quem é e de onde vem.

- Terá, porém, que o fazer com a autenticidade que usamos em família ao reconhecermos ter herdado da Avó o jeito de fazer renda ou outras tendências e particularidades que são desde as travessuras da filha namoradeira, aos chapéus da tia exótica…

Pensei que teria para tal que fazer um plano de trabalho bem cuidado para aproveitamento de Fortes, Castelo, Contraminas, Muralhas, trajes, Artes, Costumes… com o mesmo amor e respeito que nos faz conservar “Os tarecos” esfolados e cheios de marcas que a família nos lega e não queremos, por nada, ver adulterados para que não percam a verdade que respiram.

- Pensei que especialistas em diversas matérias, poderiam ajuizar das prioridades, possibilidades e custos de adaptação, deste ou daquele edifício para instalação do Museu da Lavoura (para o qual, ao que ouvi, há um património valiosíssimo a pedir já cuidados de conservação…)

-- Pensei em campanhas e diligências para adquirir meios e fundos…

-- Pensei numa recolha de velhos trajes de trabalho que mostrassem a sua evolução através dos tempos…

-- Pensei na riqueza da gastronomia de Elvas que vai desde a comida matinal do brinhol na praça, até ao borrego comido no campo em segunda-feira de vale… passando pelos afamados doces, ameixas, espargos, pimentos, etc…

-- Pensei na reedição dos Jogos Florais Luso-Espanhois…

-- Pensei na instituição dum prémio de jornalismo para a melhor reportagem sobre Elvas (a nível do país).

-- Pensei nas possíveis formas de captar o gosto das pessoas – desde as escolas – para cuidar e proteger árvores, parques, jardins… (em resumo cuidar da cidade).

-- Pensei convidar a população a caprichar nesse seu jeito – tão seu e tão alentejano que é o arranjo da rua frente à casa… - - o gosto do asseio.

-- Pensei nos condicionamentos do clima e situação geográfica, que dá para turismo de passagem – mas não – para turismo de fixação…

-- Pensei que há-de haver quem descubra as voltas possíveis para que o 14 de Janeiro – Aniversário da Batalha das Linhas de Elvas – ganhe o eco nacional – a que tem direito.

- Porem, tive que me ausentar de Elvas imediatamente a seguir ao amavel convite recebido do Senhor Vereador do Pelouro – e que em principio aceitaria se…

Quando regressei, ainda em meio do sonho das questões que gostaria de ver debatidas pela Comissão – fui confrontada com um programa já definido, publicado nos jornais e em vigor.

Como é óbvio reconheci-me absolutamente desnecessária!...

Continuo convencida de que, se quisermos – e julgo que devemos pensar – “nos netos dos netos, dos nossos netos” – faremos com toda a humildade a nossa caminhada…

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 23:27
| comentar | Favorito
partilhar
11 comentários:
De xavier Martins a 12 de Maio de 2010 às 23:45
Finalmente
Tem o seu computador arranjado.
Já estava preocupado com a demora, mas quem
espera sempre alcança e CHEGOU!
Com este texto magnifico.
Como sempre as suas palavras são excepcionais.
Tem aqui artigos FANTASTICOS, uma colecção
bem especial com recados magnificos.

Adoro o seu blog e seja bem vinda a esta nossa
convivencia.

Um grande abraço.

Xavier Martins


De maria José Rijo a 17 de Maio de 2010 às 19:49
meu querido Amigo
Nem sei dizer quanto me acompanha a presença dos vossos testemunhos de amizade.
Nem sei, também, dizer quanto me desgosta não ter condições de corresponder a tanta generosidade, mas a verdade é que cada vez o tempo foge mais à minha frente e me deixa parada sonhando o que qereria fazer e já não vou conseguindo.
quero dar-lhe a notícia de que finalmente, comecei a vasculhar os meus arquivos para continuar o: "ficou escrito"
Há porém sempe coisas que se interpõem... àmanhã começam os caiados em Juromenha!
Um abraço grato - maria josé


De Gustavo Frederich a 12 de Maio de 2010 às 23:53
Minha tão querida Tiazinha
Finalmente regressou. este estar assim invisivel...
estava já a "bulir" com os meus nervos - a sua
ausencia destas paginas....
Voltou - regressou - para nós outra vez. (só é
pena não ter sido com um bello dos seus poemas).
Mas é um belissimo texto, sem duvidas.
Um texto honesto, verdadeiro - como nos tem
habituado nestes anos " do nosso blog".

Sempre - Os meus parabens e um grande grande
beijinho
deste seu sobrinho

GUS


De Flor do Cardo a 13 de Maio de 2010 às 00:07
cara Maria José
Que bom que regressou
Aqui já estavamos bem preocupados pela
demora - embora soubessemos que o seu
portatil não estava de boa saude.

Mas que bom que regressou a este nosso animado
convivio.
Por aqui vamos andando como Deus quer...
Estamos em grande animação porque o SANTO
Padre está em Portugal.
EStamos contentes e se estivessemos por aí -
ou antes se a minha mulher estivesse entre nós -
estariamos em Fatima - como em tantos anos
no passado - quando tinhamos uma casa em
Fátima.
A minha mulher adorava passar semanas - naquela
terra de fé .
Belos tempos que não voltam mais. e agora reina
a saudade doutros tempos...

O Gilinho anda em viagem - está em Paris e depois
vai aos estados unidos com a companheira...
talvez nem esteja por cá quando as meninas
nascerem - já não falta muito.

E a Maria José como se sente? saudosa - eu sei...
é comum - estes tempos - nas nossas idades são
cheias de saudades do passado, das pessoas que
partiram...

Bom... Bem vinda de volta. Estou muito feliz, aliás
estamos.
Um grande abraço

Luciano


De Maria José Rijo a 17 de Maio de 2010 às 20:12
Meu bom Amigo
Muitas vezes pensei que vos preocuparia silenciando a minha presença aqui. Nas nossas idades as ausências, às vezes têm leituras crueis.
Vá lá, vá lá que foi o portátil que foi para o estaleiro porque o outro já o mandei para a sucata e, não sei se já me valerá a pena comprar mais seja lá o que for.
Sinto que tenho responsabilidades demais para o ritmo de vida que precisaria ter.
Bem me faria deixar correr à deriva o pensamento e não ter obrigações a cumprir. Enfim! termino aqui a choradeira senão ainda acabo tendo pena de mim.
Como calcula segui a visita do Papa pela televisão.
O povo português chega a enternecer pela generosidade e espírito de sacrifício com que adere às causas que assume de coração.
Orgulho-me de ser portuguesa.Temos grandes defeitos, mas creio que temos qualidades maiores.
Quando visitei Sua Santidade achei que era uma pessoa doce. Toda a gente o comparava em desvantagem com o seu antecessor.
Ninguém é igual a ninguém mas estou feliz porque todo o mundo, por cá entendeu, agora ,que ser diferente não é forçosamente ser pior.
Como sabe, gosto muito de "viver" o espírito de Fátima, mas prefiro lá ir quando há mais silêncio, fora das grandes peregrinações.
Deixo-lhe um abraço muito amigo Maria José


De Aristeu a 13 de Maio de 2010 às 00:14
Oh minha tiazinha
Que bom que voltou - que bom que o seu PC
está já bem de saude.
Que alegria quando o Gilinho - sim porque foi
o Gilinho que detonou a noticia cá em casa.
Telefonou a informar da nova actualização do blog
e foi uma festa.
Estou muito contente.
Seja bem vinda tiazinha

Muitos beijinhos

Aristeu


De Maria José Rijo a 17 de Maio de 2010 às 20:34
Meu querido
Estava aqui a pensar que esta intrinseca recusa que eu tenho de aprender a mexer nos computadores não é uma atitude nada inteligente.
Só a Paulnha é que tem paciência para uma situação tão abelhuda. Vivo "on line" pendurada nela como a roupa num cabide.
Muitas vezes penso que é um abuso, mas não corrijo a dependência embora às vezes me pese, por comodismo e preguiça.
Faço ideia de como já terão tudo pronto para a chegada das "princesas". Todos os dias quando acendo a luz aos santinhos, ( costumes herdados de Avós e velhas tias) já elas fazem parte da ladaínha das preces.
Pode parecer que não, mas é consolador ter por quem rezar, por quem e para quem desejar tudo quanto ´ha de bom na vida e saber e sentir que isso faz parte do melhor de nós próprios.
Beijinhos meu querido - tia zé



De Gilinho a 14 de Maio de 2010 às 00:27
Minha tão querida Tia Zé
Não resisti e daqui da cidade das Luzes - venho
deixar-lhe aqui um GRANDE beijinho de saudades
e dizer-lhe que estou a pensar em passar por Elvas
para lhe dar um beijinho e um abraço bem apertado.
Mas... deixe ver como será a nossa volta aqui por
estes lugares maravilhosos.

E a minha Tia como está? Como se sente?
Espero que esteja melhor e feliz.
Muito aprendi consigo e com o seu mundo aqui
feito de palavras.
ADORO-A
Mil beijinhos

do seu

Gilinho


De Maria José a 17 de Maio de 2010 às 20:59
Meu Querido Gilinho
Fico filiz por saber que anda contente, em boa companhia a passear por Paris.
Claro que Elvas - embora seja incomparável - não tem nada que se compare à cidade das luzes.
Claro!!!!!! Isso é coisa fora de questão.
Mas que não encontra aí ninguem que lhe possa dar um abraço tanto de coração , ai isso eu juro a pés juntos!
Beijinhos Tia Zé


De DOLORES a 14 de Maio de 2010 às 00:34
Nossa e tão querida Tia
Graças a Deus que regressou a este nosso
convivio.
Ainda bem que o seu computador ja está bem e já
pode regressar .
Fico contente por ter regressado. A tia nem imagina
a falta que me faz o seu blog. É como estar com
a familia, um pouco todos os dias.
Obrigado minha tia.
~Gostamos muito de si.
Beijinhos

Dolores - Avelino e Magé


De Maria José Rijo a 17 de Maio de 2010 às 20:45
Meus queridos Amigos
Não esqueci que o dia 18 de Maio foi, e, apesar de tudo, sempre será, um dia grande na história das vossas vidas.
Foi o dia em que se tornaram Mãe e Pai de alguém para quem sonharam tudo de bom na vida.
Sabemos que os sonhos nem sempre se cumprem. mas o enrequecimento que eles geram nas nossas vidas é inegável.
Sei que choram uma dor sem fim, mas também entendemos quando a esperança se renova com a presença de uma criança nas nossas vidas.
Fecho-vos , aos tres, num abraço bem chegado ao meu coração com muita ternura e amizade.
Quero-vos muito bem
Beijinhos tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@