Sábado, 14 de Agosto de 2010

Menina que não conheço…

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1827 –  7 de Março de 1986

Menina que não conheço…

 

Não te conheço. Sei apenas que és criança. Sei que tens 13 anos e também nos contaram que tens cabelos negros.

Não te conheço mas estive à tua espera.

Não te conheço e estive angustiada tempo, que me pareceu sem fim, a pensar em ti e a desejar que estivesses bem.

Sei que és de Varche – ou, pelo menos que lá moras.

Mas… eu conto-te e tu vais compreender.

Tu vieste à cidade no sábado, com outras colegas da mesma idade. Vieram visitar, no Museu, uma lição de música ilustrada, que foi preparada, com carinho, para meninas e meninos com idades pequenas, como a tua.

Mas, a certa altura, não sei porquê, tu separaste-te do grupo r desapareceste.

Então, aquele bondoso e amável senhor que vos trouxe que vos trouxe e se encarregara de vos levar também de volta para casa… então menina?

-- Então, ficou aflito, assustado a procurar-te.

Subiu e desceu escadas, viu em cada canto e recanto se por ventura lá estarias, desesperado sem saber de ti.

Quando cheguei junto dele, tomei para mim também aquele fardo de medo – que dividido parecia mais suportável e, começamos a falar da esperança de que tu, porque és criança, não avaliando o mal que fazias se tivesses regressado a casa sem prevenir.

Sabias que tua mãe estava na cidade e escolheste regressar com ela.

Parece simples e certo! Parece?

Só que está errado! Está profundamente errado, que não tenhas prevenido o senhor que te trouxe de qual era o teu propósito.

 

Só que está profundamente errado que não tivesses pensado  que transformaste  em aflição a alegria  das pessoas  que pensaram em ti para te oferecer um passeio de estudo.

Percebes menina de Varche com cabelinho negro de 13 anos que, qualquer pessoa, a quem é confiada uma criança precisa, merece e deve saber porquê e para onde se afasta uma cabecinha morena, loira ou arruivada que esteja à sua guarda?

Percebes agora que errado foi o que fizeste?

Percebes, menina de Varche

-- menina que não conheço?

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 00:43
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Xavier Martins a 15 de Agosto de 2010 às 02:04
mais um artigo especial de tantos que
publicou e ainda tem para publicar.

Os meus Parabens
Xavier Martins


De Maria José a 16 de Agosto de 2010 às 20:55
Meu Amigo, já deduziu por certo que os meus artigos no Linhas eram quase como um diário onde registava o minha vivência com a cidade, o que torna a variedade de assuntos absolutamente louca.
Agora que os releio pela mão da Paulinha, que fez a recolha e os vai publicando, muitas vezes tenho a impressão que ela está esvaziando uma dispensa atafulhada de coisas juntas ao acaso.
Tem o seu quê de pitoresco receber de presente o que foi nosso e, às vezes nem a memória já guarda registo.
Um abraço grato da amiga
Maria José


De Dolores a 15 de Agosto de 2010 às 02:09
Imagino o transtorno que foi esse dia!
São muito queridas as crioanças mas dão-nos
sempre preocupação e quanto mais velhas
preocupaç~oes dobradas.

E a tia como está?
Muitos beijinhos
Nós por aqui cá vamos andando.

Beijinhos tia
DOLORES


De Maria José a 16 de Agosto de 2010 às 21:15
Meus muito queridos
é sempre bom receber notícias vossas e saber que a nossa Princezinha está bem.
Na verdade ter a responsabilidade de crianças não é tarefa fácil. Muitas vezes, com a melhor das intenções aranjam situaçoes difíceis de resolver e chegam a correr perigo sem se darem conta.
Na nossa casa havia sempre crianças - sobrinhos que se revezavam, um mes um, outro mes outro, quando meu marido e eu eramos novos. Depois o tempo foi passando e nós próprios fomos evitando assumir essas rsponsabilidades .
Hoje, tenho uma empregada há mais de trinta anos e uma gata que passeia por cima de tudo.
Parece de Circo, mas tem um focinho lindo.
Vou pedir à Paulinha para lhes mostrar a " prenda"
beijinhos para os três da tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@