Terça-feira, 19 de Outubro de 2010

A verdade dos mitos...

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1861 –  7 de Novembro  1986

A VERDADE DOS MITOS…

 

Uma das minhas histórias preferidas, quando era criança, contava a vida de uma princesa, que em todos os momentos de pavor que tinha que suportar, ao atravessar a floresta de cobre, de prata e de ferro – sempre defendida por horríveis dragões que vomitavam chamas – se via “ in extremix” – salva miraculosamente, porque nascera com uma estrelinha na testa.

 

Nas histórias antigas, as meninas princesas boas, eram de beleza idílica e bondade sem mácula e sofriam tratos de polé pela inveja de madrastas, que eram sempre feias e más, pavorosas como sustos! Como as histórias eram tecidas de terrores, maldades e generosidades de dimensões impensáveis, ficava-se a saber que todas estas coisas eram mais antigas no mundo do que as próprias histórias, já que eram estas que as narravam.

 

Claro que nestes contos do maravilhoso, os milagres, quero dizer, os acontecimentos fora do comum, sucediam aos bons e aos maus. Assim as lágrimas podiam ser pérolas, quando vertidas pelos bons, enquanto os maus choravam sapos e caganitas de ratos.

Também no fim das embrulhadas os maus eram punidos duramente, enquanto os bons recebiam recompensas mirabolantes… eram cobertas de pedrarias, príncipes ou princesas para consortes, e quer eles, também exemplos insuperáveis de virtudes, beleza, juventude, graça… aliás era um estado de graça que ficavam depois a viver para sempre…

 

Não sei muito bem porquê, e se o suspeito calo por não ter a certeza - aqueles contos fantásticos que sempre tinham sentido e intenção acodem-me muitas vezes ao espírito.

 

Vejo as florestas de cobre em cada árvore que o Outono despe, com o sol a incendiar o tons de laranja das folhas que esvoaçam e também…

Vejo as florestas de ferro em cada pinheiro ou eucalipto queimado, ainda de pé e já sem mais esperança de verdes renovados…

Vejo a prata no brilho de cada copa florida de branco quando os frutos são ainda promessas…

Sei, sabemos, como são comovedoras e belas – verdadeiras pérolas – as lágrimas de ternura, e como são revoltantes, asquerosos como feios repteis ou fétidos ratos os sentimentos maus.

No entanto, nas histórias reais também o bom e o mau – fadas e bruxas - de cuja mistura todos somos feitos se degladiam  dentro de cada um. E, se ninguém encontra, quando passa a mão pela testa, a tal estrelinha que dá imunidade e garante o bem, o prémio, o conforto depois de qualquer légua de mau caminho, ou luta terrível com perigoso dragão -  não porque a estrelinha não exista – ela é o ideal porque se orienta cada vida, para a qual se aponta o sentido de cada existência .

 

Por isso, à última hora, “in extremis”, quase sempre se salvava a princesa idilicamente bela porque era a imagem daquilo que se propunha defender, o Bem e a justiça, pelos quais lutava com decisão e coragem. Eis que, compreendido ou não, cada um tem que lutar e sofrer pela “estrelinha” que o guia porque “in extremis”, a fé o salvará.

 

Maria José Rijo

 

estou: A verdade dos mitos -

publicado por Maria José Rijo às 00:30
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier Martins a 19 de Outubro de 2010 às 00:40
Excelente este seu artigo.
Gosto sempre da perspectiva como aborda os temas
e este está muito bem observado.
Concordo minha amiga, claro que sim.
Bem haja ao Linhas que publicou todos estes artigos.
É bom rele-los.

Com admiração
Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@