Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

Um conto recontado

 Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.051 – 13 de Julho de 1990

CONVERSAS SOLTAS  

Um conto recontado

 

Nesta premeditada reconquista do meu espaço de liberdade e reflexão, fruindo tranquila, os meus tempos de silêncio – vêm-me à memória pessoas, factos, histórias e tudo o mais que constrói e diferencia, o percurso de qualquer vida.

Há pouco tempo, na Manta-Rota, sentada num terraço olhando o mar, naquelas horas em que, se calhar, até os camaleões dormem a sesta nas pioneiras – porque no Algarve, no Verão, é um forno – e o resto é lenda – fui alertada por um barulhinho intermitente. Olhei e vi que provinha de duas flores de buganvília, já secas, que a brisa marinha arrastava sobre a tijoleira do chão.

Ocorreu-me então, uma daquelas historinhas que vou recontar e que antigos contavam às crianças, quando a educação era feita em família e cada qual, guardava depois, vida fora, de suas origens, um cunho de formação particular e próprio – quase como uma marca de qualidade moral.

Eram intencionais, mnemónicas, romanceadas para gravar mensagens, que serviriam, como balizas de comportamentos futuros.

 

“Dois lenhadores encontraram-se certa vez, no mato, bem longe do povoado. Eram de há muito inimigos. Travaram-se de razões, a discussão azedou, e um deles matou o outro à facada.

Antes de sucumbir aos ferimentos, disse o moribundo:

- Tu pagarás! – que Deus tudo Vê!

- Quem me acusará, se ninguém está aqui para contar?

Só se forem estes carrasquinhos – disse escarninho o assassino, dando um pontapé nas humildes ervas, e deixando o infeliz a agonizar, regressou à sua vida como se nada tivesse acontecido.

O crime ficou impune e foi esquecido por não se ter descoberto o seu autor.

Anos depois, num dia de grande temporal, ficou o lenhador em casa por não poder trabalhar. A certa altura, da valeta da rua, já cheia pela enchurrada, entrou-lhe por debaixo da porta um bocado de carrasquinho que as chuvadas arrastaram desde o campo até ali.

Ao vê-lo o homem começou a rir, num riso mau, lembrando-se do crime que em tempos cometera.

Intrigada com o destempero das gargalhadas, a mulher, indagou-lhe a causa e ele, revelou a velha história como quem conta uma anedota divertida.

Nessa noite, a mulher, não conseguiu adormecer com a tristeza e, ao outro dia ao varrer a casa apanhou do chão o carrasquinho ficando a olha-lo e a chorar pensativamente.

Então decidiu-se e, com a insignificante erva na mão, foi contar o caso às autoridades.”

 

Afinal o mudo carrasquinho, com a ajuda do vento e da chuva viera, do passado, dar testemunho dum crime que  só o céu presenciara.

 

Maria José Rijo

 

 

 

estou: Um conto recontado
música: A La Minute - nº 2051-13-Julho-1990

publicado por Maria José Rijo às 23:22
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Xavier MArtins a 16 de Maio de 2011 às 23:27
Linda esta história.
Como sempre escrita "Como Dios manda..."
como dizem os amigos espanhois.
Adoro estas A LÁ minutes.

Os meus Parabens
Gostamos muito


Xavier Martins


De Flor do Cardo a 16 de Maio de 2011 às 23:33
F I N A L M E N T E !!!
Era deste artigo que já uma vez lhe tinha aqui
comentado.
Na primeira, como agora, achei um artigo excelente.
Os meus Parabens.
A minha mulher - quando saiu no jornal , na
primeira vez - este artigo serviu de lição para
contar a muita gente, de modo que foi um dos
que não esqueci.
Muitos Parabens .

E por aí que tal se vai???
Espero que tudo esteja bem... não tenho tido
noticias porque o nosso amigo de V.Viçosa
faleceu, na verdade enforcou-se. uma tragédia
mas ele já me tinha comentado que ainda
acabaria assim.... coitado!

Coisas da vida.

Um grande abraço e grato por esta publicação
mas ainda faltam alguns. Não é mesmo???


Um grande abraço

Luciano


De Dolores a 16 de Maio de 2011 às 23:36
Querida Tia
Gostei muito desta história - é um cenario que
acredito possa ter acontecido... é que estas
coisas acontecem...

Tia estamos muito felizes o meu Avelino ganhou
um premio pela orquidea qye ganhou-...

Beijinhos

Dolores


De Maria Jose a 18 de Maio de 2011 às 00:20
HOJE de todo o coração
aquele abraço!

Maria José e Paula


De Augusta Silva Torres a 17 de Maio de 2011 às 20:51
Minha querida AMIGA
Gostei imenso deste seu artigo.
Adoro a forma que a amiga escreve.
Fascina-me a sua bella forma de contar.

Realmente isto da Internet - não é apenas uma
janela para o desconhecido - é UM MUNDO
inteiro onde a Amizade - como esta que
aconteceu - entre nós se dá a cada instante.

Obrigado Amiga

Augusta Silva Torres


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@