Quarta-feira, 25 de Maio de 2011

Ninguém Sabe...

 

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.005 – 25 de Agosto de 1989

A La Minute

Ninguém sabe…

 

Estive de férias. Andei uns dias por fora e, se me distraio, quase que perdia, o jeito de viver subordinada aos esquemas que quebraram os meus velhos hábitos de rotina.

Trago desta pequena aventura de “dolce far-niente” algumas lembranças para reter.

 

Uma, de alegria – ganhei, um presente - um exemplar de uma edição de 5000, que a Câmara de Cuba

mandou fazer – e de pronto se esgotou – da obra de Manuel de Castro – o poeta de quem já tenho falado e do qual todo o cubense se orgulha. Um amigo, acautelou, para me oferecer a pequena colectânea e, com esse gesto, deu-me ainda mais gosto do que ele próprio teria pensado.

Lendo e relendo “As Deixas” não para de crescer em mim a admiração por aquele homem, quase analfabeto, crente, quase místico, apaixonado pela natureza, tolerante com o seu semelhante e de inteligente lucidez critica, em relação ao meio que o cercava, que torna a obra quase “biográfica” da sociedade envolvente e que à força de meditar – como se pode depreender, até por alguns dos motes que glosou procurava entender e amar a vida para além do sofrimento e da pobreza que lhe foram fiéis até à morte.

                  http://cuba.no.sapo.pt/paginas/cuba-interesse/cuba-mata.htm 

                               

  “ É rica, tem nome fino

É pobre, tem nome grosso

É rica, teve um menino

É pobre, pariu um moço.

De intuitiva filosofia:

Sino coração de aldeia,

Coração sino da gente

Um a sentir quando bate,

Outro a bater quando sente.

 

 

 Ou de um lirismo de grande clássico:

 

Varejai, varejadores

Apanhai, apanhadeiras

Apanhai os bagos de ouro

Que caem das Oliveiras

Ou:

Já não posso ser contente

Tenho a esperança perdida

Ando perdido entre a gente

Não morro nem tenho vida

 

Ou, ainda, com ironia:

 

Ó moças, queiram-me todas,

Que o meu pai é muito rico,

A fortuna do meu pai

Leva-a um pássaro no bico.

 

 

Outra recordação é de pesadelo – a maré negra!

Ver o mar mais asqueroso que um esgoto sujo exalando um cheiro quase asfixiante a petróleo.

Ver as rochas onde as crianças brincavam e identificavam exemplares pequeninos da fauna marinha que na maré baixa ficavam retidos nas lagoazinhas, que se formam em todas as cavidades, a escorrer alcatrão!

Assistir ao êxodo de gaivotas e maçaricos como para anunciar que a vida ali morrera! – E, tudo isto numa zona que se poderia considerar – sem favor – de reserva ecológica – é coisa que jamais se esquece – e ninguém sabe se Deus poderá perdoar!

 

Maria José Rijo

 

                                                                             

estou: Ninguém sabe...
música: Á L´Minute - nº 2005 de 25-Ag-1989

publicado por Maria José Rijo às 00:23
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier MArtins a 25 de Maio de 2011 às 00:28
Excelente !!
Já disse outras vezes - As À Lá Minutes
são muito boas porque conseguem sempre
manter-se actuais.

Os meus Parabens por estas actualizações.
Com amizade
e admiração

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@