Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

“O debulho” - 13

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 3.125    2- Junho  2011

Histórias com mezinhas e receitas 13

“O debulho”

 

Não pudemos passar o Natal, no Continente, aonde tínhamos vindo por umas curtas férias.

Deixamos a família a acenar no aeroporto e, lá fomos, rumo à Terceira, com uma sombrazinha no coração por estarmos na véspera do primeiro Natal que iríamos passar longe da família.

Cada um de nós fechado nos seus pensamentos, apenas esboçava breves sorrisos quando nos olhávamos como se cumpríssemos um código de silêncio. 

Era dever, era dever.

Mas… há deveres prazeirosos e há deveres dolorosos e, aquele era desses.

A viagem de avião, não era longa. Já era rotineira. Esperava-nos a nossa casa no “Pico da urze”onde, aliás, até gostávamos de viver.

O sítio era bonito, era num alto, e, das traseiras tínhamos para regalo do olhar, os cercados, como se fora o nosso quintal, com a placidez dos prados verdes até perder de vista.

Completavam o cenário as vacas que mudavam de cerca em cada dia para que a pastagem se fosse renovando.

Olhá-las, dava paz. Pachorrentas, tranquilas deitavam-se a ruminar com aqueles seus grandes olhos parados como se fixassem qualquer coisa que só elas viam.

Vinha o tratador pela manhã e pela tardinha, mudava-as de cerca, deixava-lhes a ração e partia.

Comiam, dormiam e pariam, soltas, no prado dia e noite. Por via de regra tudo corria bem, mas também vi nascer vitelos mortos e sob a carinhosa troça de meu marido acompanhei, rezando sem descanso a pedir ajuda aos santos protectores dos animais, alguns desses acontecimentos.

Quando foi do cismo em 1980 vi-as correr desvairadas para o cimo do cerro saltando as pedras que rolavam dos muros que se desmoronavam e, com elas, na correria, ratos e toda a bicharada que por ali vivera oculta até então.

Foi uma visão de fim de mundo.

Mas… o que eu me propunha contar é que à chegada, à nossa casa tínhamos uma terna surpresa à nossa espera.

A senhora que nos ajudava trabalhando para nós, a querida Daria, que após o cismo emigrou, tinha-nos deixado uma cesta cheia de camélias sobre a mesa, com prendinhas de “São Nicolau” e, na “frisa,” como ela também dizia, uma refeição de festa, completa, incluindo o bolo de Natal típico da Terceira.

Claro que me desfiz em lágrimas enquanto meu marido sorria chamando-me piegas, mas com os olhos brilhando húmidos, que eu bem vi...

Então, agora, nesta mostra de receitas, que guardo na minha lembrança como cartas de amor atadas por laços de fita, ao desdobrar, para partilhar, mais esta, para que nada lhe falte, pedi pela Internet, a essa Amiga que nunca esqueço, que, do Canadá, me desse a confirmação de como se prepara o “debulho”que fazia parte do abraço de amizade que nos aguardava nesse inesquecível regresso a Angra.

É com o “debulho” que se recheia o peru pelo Natal, embora também possa ser usado como iguaria, como um paté, desde que cozinhado em tabuleiro e depois utilizado como qualquer outro alimento, ou, até, como prato frio para piqueniques e merendas.

 

                                     Debulho

Cozem-se os miúdos das aves. Coração, moelas, “gargalos”, (pescoços) chouriço, e, se houver, algumas aparas de bife ou de outras carnes. Depois de cozidos com tempero de cebola e alho, desfiam-se as carnes .

Faz-se um refogado com cebola , alho uma folhinha de louro e azeite.

Quando pronto juntam-se as carnes picadas e uma porção de pão migado já demolhado e bem amolecido com caldo da cozedura dos miúdos. Refoga-se tudo muito bem.

Moe-se depois tudo junto e mexe-se misturando muito bem. Juntam-se dois ou três ovos para ligar, conforme a porção.

Então tempera-se com noz moscada e pimenta.

 Verifica-se o sal. Juntam-se os fígados moídos em cru

e, já fora do lume, azeitonas descascadas partidas aos bocados.

Pode ir então ao forno em tabuleiro untado para cozer os ovos e alourar por cima.

Come-se como recheio ou acompanhamento do peru assado, ou como qualquer paté.                             

 

 Maria José Rijo

estou: O Debulho
música: Histórias com mezinhas e receitas 13

publicado por Maria José Rijo às 17:57
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier MArtins a 3 de Junho de 2011 às 01:11
Interessantissimo.
tenho um interesse especial pelos Açores - que
ainda não conmheço.
A Madeira conheço muito bem - tenho lá um primo
e já lá fui umas 7 vezes.
Brevemente vou aos açores - isso é certo.


Mais uma vez Parabens

Com muita amizade

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@