Sábado, 4 de Junho de 2011

Página de diário – 4

.

 

Muitas vezes dou comigo a falar para mim como se na verdade aquela outra para quem falo e, com quem até discuto, caminhasse a meu lado.

Sei, por saber de experiência de vida, que já não sou capaz de me empoleirar em bancos, mudar as lâmpadas dos candeeiros do tecto e muitas outras tarefas tão rotineiras e insignificantes que só identifico, agora, porque me estão interditas. São aquelas coisas que não se contam porque não têm história, não enobrecem, não distinguem, são tão, tão, vulgares, tão apagadas quanto necessárias, que passam sem que se vejam, e só a incapacidade de as executar, as faz identificar.

Só por emergência voltarei a conduzir. O trânsito nas ruas antigas é às vezes uma aventura e a consciência das limitações que, noutras áreas se me impõem leva-me a fazer escolhas por prudente antecipação.

Quando me é necessário “subir ao povoado” uso um táxi e, no  regresso, a descer, gozo o caminho pedra a pedra, árvore, por árvore, com passos miúdos, lembrando os meus tempos de namoro a caminho do jardim e as olaias de cuja ausência, o chão guarda as cicatrizes. Faltam tantas! Paro e fecho os olhos procurando reviver emoções a cuja lembrança me acolho como a um porto solitário mas, são o lastro da minha estrutura como gente. Rezo de saudade pela bela pimenteira que durante mais de cinquenta anos roçava as folhas pelas nossas cabeças quando ao passar naquele caminho…

Venho sempre na esteira da alegria que sentia ao meter a chave na porta chamando por quem me esperava.

 

 

 

Às vezes, nesse gozo íntimo de lembrar coisas felizes, choro. Então insulto-me: - tonta! Nunca mais hás-de ter juízo. Para quê lágrimas!

Chorar faz mal aos olhos…e, ninguém volta ao passado ainda que o carregue consigo.

Então, suspiro fundo, e deixo que a cor e os cheiros me invadam os sentidos. O trajecto é breve, a estrada com o seu imparável movimento traz-me para a realidade

Carrego no botão, o trânsito pára e eu ganho a “outra margem”num passo acelerado como se o tempo me perseguisse.

Sinto-me cansada.

Admoesto-me! – Quem te manda andar a mexer “nos guardados”! – Quem?!

Resolvo atravessar o jardim para serenar.

A floração das olaias está no auge.

Ergo os olhos agradecendo a bebedeira de beleza e cor que me oferecem.

Cada dia é um dia e há momentos gloriosos.

Se os que mandam tivessem tempo para escutar o próprio coração as cidades cresceriam sem ofender o passado como os troncos das árvores que engrossam sobre si próprios. Mas as árvores não conhecem dinheiro, não fazem negócios, nem lutam por poder...

Apenas apontam para o céu.

O meu passo é seguro, mas dentro de mim a minha alma cambaleia entre o amor e a dor de viver…

É bom ter o nosso canto.

                                      

MariaJosé Rijo

Fevereiro de 2011

estou: Página de diário – 4

publicado por Maria José Rijo às 10:00
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Xavier MArtins a 4 de Junho de 2011 às 13:56
Excelente - como sempre.
Gosto imenso das paginas de diário que escreve.
Gosto e sigo cada uma com grande interesse.
Realmente o caminho feito por entre as arvores
era uma delicia.
Também o faço - gosto das alterações que fizeram
- Só Não Gosto - no aspecto de que se perdem
as árvores ou estão velhas - Não perdou que não
plantem outras no mesmo lugar.
No Alentejo há imenso calor e quem anda a pé -
como eu ando muitas vezes - sinto o calor bem
de perto - e não perdou o facto de apenas se
abaterem árvores - que ficam lindas - como as
Olaias e não se plante nada no espaço que ficou
vazio.
É triste!!... mas é assim e aqui fica também a
minha reclamação - é uma reclamação que faço
a toda a hora.

Bem haja e belas fotos.
Com muita admiração

Xavier Martins


De GUS a 4 de Junho de 2011 às 13:58
LINDO:
Que maravilha de foto :))

Os meus Parabens Tia por mais uma pagina de
Diário.
Gosto imenso e espero sempre aqui encontrar uma.
Hoje tive SORTE - a 4ta é muito bonita também.

Parabens
Muitos beijinhos do seu

GUS


De Flor do Cardo a 5 de Junho de 2011 às 17:00
Estas fotos vêm "matar" as minhas saudades.
Tantas vezes fiz este caminho - depois... agora
para o fim... (antes de rumar ao Brasil) - sentia
o mesmo que descreve ...
tempos... tempos trazem e outros se vão para
não mais voltam... é assim a vida.

cara Maria José vou a lanchino - o meu amigo
é amante de leitõezinhos assados e saiu um
mesmo agora do lume. Vamos a ele.
Uma boa tarde para si.

Cokm amizade

Luciano


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@