Quarta-feira, 8 de Junho de 2011

Lembranças da Guarda

 Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.900 – 7 de Agosto de 1987

A La Minute

LEMBRANÇAS DA GUARDA

 

 

Com todo este calor é mais fácil, para mim, ficar aos sábados e domingos no sossego do meu canto, cuidando de coisas que descuro durante a semana, ou projectando trabalhos a fazer.

Como já não sou tão jovem que só sonhe futuro, muitas vezes me surpreendo a avaliar e comparar coisas passadas.

É esse um grato privilégio dos anos – amealhar experiência.

Hoje, a propósito de não sei o quê, lembrei-me da cidade da Guarda onde as tílias e as roseiras mais tarde do que na nossa região, e onde mesmo nos meses mais quentes de Verão, pelas manhãs e tardinhas, corre um arzinho que fala de serra e altitude.

Dai que tivesse evocado aquele dia de S. Pedro de 1986 quando pelas fontes, serra acima, vultos de mulheres saiam das sombras dos castanheiros frondosos, e ofereciam à cobiça de quem passava, colares fartos, entrançados como resteas de cebolas, mas feitos de cerejas maduras e carnudas, vermelhas e apetitosas como pecados.

Recordei depois as minhas longas manhãs de lazer (ainda não tinha casa) passadas a calcorrear, palmo a palmo, cada rua, cada recanto, fazendo a escolha dos “melhores lugares” para os anos que lá vivesse.

Um dos que mais me agradava, era um pequeno parque com uma velha casa senhorial, abandonada, com as paredes de granito recobertas de trepadeiras e musgos, que a humidade ambiente mantinha verdinhos e macios.

Do outro lado da rua havia um muro baixo.

Sentava-me lá e ficava tempo e tempo a “habitar” aquela casa com os fantasmas de amor que, como toda a gente, trago comigo.

“Via” minhas tias fazendo renda por detrás das vidraças.

“Via” fumo a sair das chaminés,

“Via” as minhas crianças a correr pelo parque por entre as árvores com o cão, na brincadeira…

 

Notei então que uma mulher de pobre aspecto, passava por ali à mesma hora todos os dias, e pousava por instantes a lata dos desperdícios que carregava, sobre o muro, para descansar.

Uma vez sentou-se a meu lado. Sorriu com modéstia e disse com simpática curiosidade:

-- V. Exª., não é de cá?

Confessei que não, mas que estava encantada com a terra dela.

-- Obrigado! – Respondeu e insistiu – De onde é V.Exª.?

Elucidei-a. Então, quase como a desculpar-se disse-me com amabilidade:

-- Nunca saí daqui, não conheço a terra de V.Exª., mas é, concerteza , também muito bonita !

E enquanto, comovida, eu lhe agradecia, ela com a lata à cabeça a brilhar como uma coroa, foi ao seu destino, e eu guardei-a comigo até agora!

 

Maria José Rijo

estou: Lembranças da Guarda
música: A Lá Minute - nº 1900- 7 Ag.-1987

publicado por Maria José Rijo às 12:09
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Xavier MArtins a 8 de Junho de 2011 às 22:38
Guarda !!
Uma linda cidade - Estive por lá em duas ocasiões
uma - quando um primo estudava na cidade da
Guarda e noutra quando fui a um casamento
de um amigo.
Belos tempos... que saudades da juventude de
então... mas os anos passam...é a vida.

Está mesmo muiuto bonito o artigo.
Gosto imenso das suas A La Minutes.
Com muita amizade e admiração

Xavier MArtins


De Alexandrina Silva a 8 de Junho de 2011 às 22:40
Oh Guarda
A minha cidade Natal.
Que coincidencia tão bonita, a Senhora viveu na
Guarda - quem sabe se não nos encontramos por
lá sem saber.
Realmente... a vida tem destas coisa.
Fiquei contente de saber que gostou da minha cidade.
Um grande beijinho

Alexandrina Silva


De Maria José a 24 de Julho de 2011 às 23:07
Minha Amiga Alexandrina
Ainda um dia havemos de falar sobre a sua cidade da GUarda que muito me encantou! -está bem?´´
Beijinhos Maria josé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@