Terça-feira, 14 de Junho de 2011

Quem conta um conto...

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.035 – 23 de Março de 1990

A La Minute

Quem conta um conto…

 

 

O grande meio de expansão das histórias tradicionais através dos tempos, foi a oralidade.

Raramente os contadores de histórias as saberiam escrever e, o facto de ter sido de boca em boca,

sem forma fixa, que elas passaram de geração em geração, se algumas vezes as
empobreceu outras, também, as poderá ter enriquecido. Não é em vão que se afirma que,
quem conta um conto, lhe acrescenta um ponto - o que equivale a dizer que assim as
histórias se irão reformulando indefinidamente.

Quase todas as lendas e
contos têm um fundo comum, fazendo até pensar que umas se enraízam nas outras e
que foi ao serem interpretadas e transmitidas através de varias épocas e
sensibilidade, que tomaram um pouco a feição dos povos e gerações que as

Saber ler, à luz de épocas passadas, teve “cotações” variadas.

Foi, até, também, considerado como um sinal de falta de nobreza.

Dos regulamentos militares, já neste século, ainda constava uma velha clausula

que obrigava  “dever o sargento saber ler, pois podia o oficial ser fidalgo e não saber ” .

Assim, a leitura, poderia ser mais um serviço que a plebe prestava à fidalguia.

Talvez até, que por circunstancias destas, o termo escriba, que em rigor pode

significar: - doutor de lei tenha sido usado, muitas vezes, com sentido pejorativo

 para designar escrevinhador de bagatelas.

Sempre houve tendência de alguns para fazer parecer menor a obra de outrem.

Mas, reparo agora nos “pontos” que já à juntei à historieta que nem sequer contei ainda…

-- Um piolho aborrecido
por sugar sempre o sangue do mesmo involuntário hospedeiro, antes de mudar para
outro recomendou à família:

“Se vos disserem que
morri entre unhas arranjai testemunhas.

Se vos disserem que
morri em água quente esperai-me sempre.

Se vos disseram que
morri no lume de algum lenho não me espereis,

que já cá não venho… ”  

 

Fosse esta história de agora impossível seria até ao sábio piolho

enumerar as marcas de produtos que ameaçam qualquer um da sua espécie.

De qualquer modo se esta historieta pode valer um sorriso, também merece alguma

atenção pela maneira jocosa que usa como denúncia dos hábitos de miséria que refere.

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 21:54
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier MArtins a 15 de Junho de 2011 às 00:59
Oh que artigo interessante e tão bem
documentado.
Os meus Parabens.
Gosto sempre das suas A La minutes.
Mais uma vez - Parabens

Com muita amizade e simpatia

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@