Sexta-feira, 24 de Junho de 2011

A História da Formiguinha

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.901 – 14 de Agosto de 1987

A Lá Minute  

A História da formiguinha

 

Olhar o mar dá o sentido de vastidão do horizonte sem fim, faz meditar na vida.

Ver e ouvir correr a água de um rio, é bom, conforta, embala, dá sentido à reflexão.

Ver e ouvir a água
despenhar-se em cascatas é belo, mas assusta, arrepia, impressiona como nascer
e morrer.

Escutar continuamente o pingo da torneira mal vedada, desgasta – é irritante – perturba,

alucina.

 

Pensava estas coisas,
como fundo de outras que se me impõem dia a dia.

O sentido da distância, de passado e do futuro, é como um mar onde é largo o horizonte.

Para o mar, vai o rio sem o saber. Vai, apenas, porque nasceu para ser rio, e é rio sem querer.

Atropela-se, gorgorejante e esgueira-se ligeiro na garganta apertada entre os montes.


Espraia-se largo e manso nos vales convidativos que se abrem no caminho.

Quase se para, então, e se finge logo pachorrento.

Deixa-se espelhar à superfície – que a aceitação consola e descansa – mas, lá no fundo,

 a corrente mantém-se viva – que quer ser rio – é isso mesmo de procurar o mar à força,
para o ser.

Nada lhe tolhe o caminho. Atreve-se em
 saltos. Despenha-se de alturas com fúria suicida, para precipícios insuspeitos.

Deixa que lhe chamem cascata, açude – mas não pára – segue. Segue porque foi rio

que nasceu do ventre da terra e a sua vida, se bem que inscrita num leito de percurso

sobre rochas, montanhas ou vales leitosos, só pode e sabe contar a história do rio
que sonha o mar.

Trava-o a barragem, o dique, a mão do homem que o escraviza a destinos novos por ele

inventados para o domar e dele se servir.

Só o homem lhe tira a alegre paz de correr.

O homem, que, às vezes deixa sossobrar em si próprio o sentido da vida e de largo, de

horizonte sem fim, que colhe do rio…

 E é o pingue, pingue, irritante e persistente da torneira que goteja, lembrando que pouco

a pouco se pode poluir o rio que corre, e o mar que o espera – que faz do dique, que estanca o

sonho da vida do homem, que é capaz de travar o rio que segue para o mar que o aguarda…

E foi então que pensei na formiguinha frágil que interroga o mundo com pasmo:

 

“ … Oh, sol! – tu que és tão forte que
derretes

a
neve e a neve tão forte que gelou

a
minha patinha”

 

E assim, numa
lenga-lenga de dor, pergunta a pergunta, resposta a resposta, a história de
espanto da formiguinha acaba como todas as histórias desta vida:

 


Mais forte é Deus que tudo cria!”

 

 

 

Maria José Rijo

estou: A LA Minute
música: 1987

publicado por Maria José Rijo às 23:59
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Xavier MArtins a 25 de Junho de 2011 às 00:06
Mais uma A LÁ Minute.
Sabe que gosto imenso destas suas A La minutes
porque apesar do anos que têm
MANTêm a actualidade.
Por isso e muito mais... OS MEUS PARABENS.

Um grande abraço

Xavier martins


De Alexandrina Silva a 25 de Junho de 2011 às 00:07
Os meus Parabens.
Tem sempre uns artigos magnificos.
Adoro ler o seu blog.

Com muita admiração

Alexandrina Silva


De GISA a 25 de Junho de 2011 às 00:10
Minha querida Tia

Desculpe a minha ausencia mas tenho estada
internada - tive um grande acidente de viação
e toma - parti uma série de coisas... mas agora
já está tudo Ok Graças a Deus.


E a Tia está bem???
Espero e desejo que sim.
Beijinhos para a Tia Maria Barbara.

O blog sempre nesta maravilha - tanto nde fotos
como de artigos.

Gosto muito de si!
Beijinhos

Gisa


De Maria José a 24 de Julho de 2011 às 23:00
Querida Gisa
Deus queira que todo o mal já tenha passado.´
Peç-lhe desculpa por nada lhe ter dito na altura, mas atravessei uma epoca dificil. Problemas familiares que me perturbaram e me tiravam a vontade de fazer o que quer que fosse. Isto de ser velhota tem estas coisas.Peço-lhe que nunca deixe de dar notícias e creia que nunca a esqueço e vou sempre rezando pelo bem da sua família.
Muitas saudades e beijinhos da tia Zé


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@