Quinta-feira, 7 de Julho de 2011

Comidas tradicionais, ou, a sabedoria do povo - 15

Jornal Linhas de Elvas

Nº - 3.130 de   7   Julho de 2011

Historias com mezinhas e receitas 15

Comidas tradicionais, ou, asabedoria do povo

 

Dos Açores, para alem da memória da página do livro de geografia da escola primária com o desenho das nove pequenas ilhas sobre um fundo azul que queria significar – mar - e, de umas quantas linhas que indicavam as coordenadas da sua posição relativa ao resto do mundo, nada sabia.

Quero dizer, sabia-lhes o cheiro a sal, a tragedia da solidão e o encanto de serem ilhas cercadas de mar por todos os lados, como se aprendia na escola e mais o deslumbramento que escorre com que rebentam nas rochas, da poesia e de “mau tempo no canal”de Vitorino Nemésio.

Era isso que guardava comigo quando a vida me fez “dar à costa” por essas paragens
para o meu particular descobrimento…

Quer dizer, para o meu deslumbramento.

Lembro-me e ter respondido a quem me perguntou que, se tivesse caído de olhos vendados num qualquer povoado açoriano teria respondido sem hesitar, mal me deixassem ver em redor, que sabia estar em Portugal.

 

o mesmo não diria da paisagem e das culturas. Necessariamente foram as
condições climatéricas ambientais que  determinaram
muitos dos seus usos e costumes quer no artesanato quer na gastronomia quer até no vestuário.

 

 

Na ilha do Pico, onde me deram a receita de geleia de mão de vaca, que hoje
ofereço, vi grandes culturas de inhame e, aprendi a saborea-lo mexido com ovos e linguiça como por cá se faz com a batata.

 

 

que a sua preparação tem um ritual especial porque em cru, queima na língua  mais do que piri-piri e produz nos incautos um ardor nas mãos como provocam as urtigas.

Por lá reina o gado bovino e muito da sua cozinha típica assenta nessa riqueza, até as “albarcas,”calçado hoje em desuso, eram feitas artesanalmente de pele de
vaca curtida.

A vaca tudo fornece.

São os doces de leite, as massas sovadas ricas em manteiga, é a sopa do Espírito Santo, é a alcatra – acepipes afamados! – é o cozido nas furnas, são os queijos, tudo, mais ou menos provem da mesma origem.

 

 

 

Da vaca até as partes menos nobres se utilizam na gastronomia

Assim que a mão de vaca que guisada com batata, com feijão ou grão também por lá se faz e é devidamente apreciada, já não tenho conhecimento que com  ela também seja usual entre nós prepara-la como sobremesa em especial para crianças.

 

 

 

Foi-me ensinada assim:

 

Aproveita-se o caldo da cozedura da mão ( que deve cozer até que a carne se despegue dos ossos) e se vai sempre limpando da espuma e, na medida do possível também da gordura que vem ao de cima enquanto ferve.

Côa-se esse caldo por um passador de pano.

Mede-se e junta-se 250 de açúcar (de preferência de cana) por  litro.

Adiciona-se bastante casca de limão e paus de canela

Volta ao lume para ferver em cachão e retira-se.

Guarda-se em louça ou vidro e come-se como qualquer gelatina.

Costuma utilizar-se como suplemento alimentar.

 

 

 

Maria José Rijo

 

estou: Nº 15 - Receitas e Mezinhas

publicado por Maria José Rijo às 15:54
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Alexandrina Silva a 7 de Julho de 2011 às 16:02
Muito interessante, aliás eu gosto imenso
da sua forma de escrever.
Um grande beijinho

Alexandrina Silva


De Maria José a 24 de Julho de 2011 às 22:49
Alexandrina Silva
...e, eu estou muito grata pela sua presença sempre amiga
Um abraço
maria josé


De Xavier MArtins a 8 de Julho de 2011 às 14:58
REalmente ler o seu blog é um prazer e um4privilegio.
Bem haja por esta alegria.

Continuação de Boas férias
Com muita admiração

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@