Domingo, 7 de Agosto de 2011

A PROPÓSITO...

Á lÁ Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2029 – 9 de Fevereiro de 1990

A PROPÓSITO

 

 

 

TIA SUSANA, MEU AMOR – é um belo livro de Alçada Batista, que acabo de reler com o mesmo interesse que já me suscitara da primeira leitura.

Que isto de gostar ou não de livros, tem que se lhe diga.

Cá por mim, até que me convençam do contrário, penso que a preferência com que se distingue um livro, ou este ou aquele autor, se filia no mesmo critério que na leva a escolher alguém para o nosso convívio.

Tem, penso, muito que ver com afinidades.

Pessoalmente, prefiro autores que escrevem como quem conversa, em tom coloquial. Que dizem o que têm a dizer sem empolamentos, sem teatralizar. Que contam as suas histórias deixando fluir as palavras como sendo as inevitáveis, como os rios que correm, porque têm de correr e mais nada.

Gosto que tratem os sentimentos sem espantos, como coisas naturais, coisas da vida que são, como é o nascer e morrer, o amor e o desamor.

Gosto quando não assumem a posição de juízes que se crêem fora de todas as contingências desagradáveis, porque essas, só são pensáveis para os outros.

Claro que também leio “os outros” como também me encontro e desencontro com “os outros” , que, só assim, é possível a escolha.

Nem é desses que falo. Refiro os outros que, como algumas pessoas, no segredo da nossa eleição, podemos considerar de: - íntimos, nossos!...

 

Jorge Amado, Eurico Veríssimo e muitos outros mais, também são desses. Dos que parece que sabem tudo de si próprios e por isso chegam tão bem à compreensão de toda a gente.

Não inventam histórias importantes, de maravilhar ou arrepiar. Falam da vida e, cada qual com a sua capacidade, encontra os sentimentos que lhe são próprios para as situações imaginárias. Autores que são capazes de ser humanamente fraternos, com os erros e grandezas de gente como eles mesmos, nunca se esquecem o que são.

 

Daí, talvez, que algumas personagens que erguem, se nos tornem tão familiares que quase nos pesa não termos os seus retratos à cabeceira, na parede da sala ou, tê-los na vizinhança ao nosso lado para virem à nossa casa de pantufas, irem atrás de nós à cozinha fazer um café, ou, adormecerem calmamente sentados na poltrona que escolhessem, ao serão, quando a conversa esmorecesse – tão reais se nos tornam!

 

É desses autores que eu gosto particularmente, daqueles que acreditam que confessado ou não, ninguém desdenha a fraternidade.

 Talvez até se escolham livros e amigos que nos ajudem na procura da nossa plena identificação. Afastamo-nos de quem nos agride e faz descer nos ideais que perseguimos.

 Talvez até, tudo aconteça em torno de um dado intrínseco, atávico, talvez, que pode ou não estar identificado na nossa consciência – a solidão de ser.

 

Talvez, mesmo a vida, seja simplesmente o percurso que nos levará até reintegrar na dimensão de infinito ou eternidade perdida para se poder dizer – Eu.

 

Talvez como essa individualização – ser é estar separado – nasça a irremediável solidão de ser que deslumbra e doe, mas dá campo à esperança, à fé, à compreensão, à ternura, à solidariedade, e a todos os sentimentos generosos e grandes que podem unir os homens durante a sua humana solidão.

 

 

 

Maria José Rijo     

 

estou: nº 2029 - 9 /Fev./1990
música: Á Lá Minute

publicado por Maria José Rijo às 16:31
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavier Martins a 7 de Agosto de 2011 às 17:04
Adoro!!
Esse é um dos livros que gosto muito.
Tia susana , meu amor!
Um livro que recomendo a toda a gente.

Este seu artigo está uma maravilha.
Como sempre os meus Parabens.
Realmente as Á Lá Minute são mesmo muito boas
sem querer dizer nada das outras - conversas
soltas que também gosto.
Na verdade sempre que lá está - no fim o seu nome -
é certo que vou gostar de ler.

Quero aproveitar para felicitá-la por umas
colecções que fez enquanto Vereadora da
Cultura -
refiro-me às colecções de Gastronomia - Sabe
que uns amigos de Portalegre me ofereceram
neste mesmo fim-de semana as 4 colecções.
Pois foi e fiquei muito satisfeito.
Não as consegui comprar em lado nenhum.
Perguntei em diversos lugares e sempre me
disseram que estavam esgotadas - vi aqui no seu blog
ainda imprimi - mas não é a mesma coisa que
te-las em mão.
E agora já as tenho, Graças ao meu amigo
Rafael.
Desde aqui lá vai um abraço para o Rafael - que
também vem aqui a est blog. Obrigado amigo !



Parabéns D. Maria José.
Com amizade e admiração

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@