Quinta-feira, 11 de Agosto de 2011

Histórias com mezinhas e receitas - 16

.Jornal Linhas de Elvas

Nº3.135 de 11 Agosto de 2011

Historias com mezinhas e receitas - 16

A CABEÇA DE XARA

 

 

Recentemente, numa reportagem de televisão vi e ouvi pessoas muito interessadas na receita dum petisco que acabavam de provar – cabeça de xára.

Como é evidente a cozinheira foi dando dicas sobre a maneira de confeccionar a iguaria, mas, quando chegou à minúcia dos temperos usados escusou – se com um sorriso a enumera-los dizendo que o segredo era a alma do negócio.

 

Pensei então que, apesar dos livros de cozinha oferecerem múltiplas soluções para quem tenha curiosidade sobre estes assuntos, nem sempre, os modernos processos nos conduzem aos resultados que a feitura lenta das pacientes receitas das nossas avós nos brindavam.

Confesso-me devota dessa confraria de petiscos inigualáveis que a carne de porco pode oferecer e lembro sempre um livro sobre gastronomia alentejana – Elucidário do Alentejo - do escritor Dr. João Falcato em que, um tanto à maneira franciscana ele alargara essa fraternidade aos porcos chamando-os de “nossos irmãos”por gratidão a tudo que do porco se aproveita e, a que logo o Senhor Padre Tomaz, homem inteligente e atento –figura de topo da cultura elvense, por essa época - veio ponderadamente  refrear o entusiasmo que o levara a tão exagerado parentesco contrapondo bem humorados e sadios argumentos.

Mas… vamos à receita não antes de confessar que desde a Internet às minhas velhas enciclopédias e livros de receitas, por todas as maneiras ao meu alcance tentei perceber a razão da designação – cabeça de xára - sem o conseguir.

Xára - é um arbusto, como as estevas, vulgar nas Beiras.

Xára - é como no Brasil se designa o homónimo´

Na cozinha francesa diz-se “tete de achard”. Achard  é um condimento originário da Índia resultante de frutos e vegetais confitados em vinagre.

Do meu ponto de vista nada disto tem que ver com a citada iguaria.

Também se diz xára ( segundo o dicionário De Morais)  a animais  de pêlo crespo – será por aí? -será referência ao porco e ao javali? - não sei !

Mas sei, com data de uma edição de 1904, a receita que uso e transcrevo. Escalda-se limpa-se e raspa-se de pêlos a cabeça do porco. Extraem-se-lhe os olhos e os miolos.

 

Salga-se de um dia para o outro com uma mistura de sal e salitre  (eu uso apenas sal, o salitre serve  para dar cor rosada às carnes)

Então, lava-se e vai ao lume a cozer com 2 ou 3 cebolas, 2 ou 3 grandes dentes de alho, um farto ramo de salsa, outro de salva e outro de mangerona e, ainda uns 15 a 20 grãos de pimenta, um copo de vinagre , dois de vinho branco e a água necessária para a cozedura até que a carne se separe dos ossos.

(Na receita antiga deitava-se também um ramo de lúcia-lima – que nunca usei)

Este tempero refere-se a quantidades de 2/3 quilos.

A meio da cozedura prova-se o caldo e corrige-se o tempero que deve ser forte visto que todo o molho depois será extraído ao meter nos cinchos, que são aqueles aros de folha onde se moldam os queijos.

Uma vez a carne cozida sacode-se dos temperos, retira-se do caldo que depois se côa em passador de pano e pica-se em pequenos pedacinhos que voltam ao caldo e vão de novo ao lume até abrir fervura. Temos então preparados os cinchos ou outras formas, forradas com guardanapos fervidos,( para não deixarem gosto) que se enchem, se apertam atando-os e colocando sobre eles um peso para que o caldo vá saindo e fique depois de frio – deve deixar-se de um dia para outro - uma espécie de queijo que se serve cortado em fatias finas. (Manda assim a tradição.)

Nota:

Eu, uso as latas das batatas”pringles”a que perfuro os fundos para que se possa escoar o caldo. Obtenho assim bonitos “paios”que dão um corte uniforme e muito conveniente. Não precisam de ser forrados, apertam-se comprimindo-se até com o fundo de um copo e depois de utilizados, deitam-se fora – aqui fica o meu segredo - e…bom apetite!

 

                                                   Maria José Rijo

 

 

estou: A Cabeça de Xára
música: Histórias com mezinhas e receitas - 16

publicado por Maria José Rijo às 17:52
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Xavier MArtins a 11 de Agosto de 2011 às 23:26
Assim que comprei o Linhas esta manhã
eu e a minha mulher fomos comprar os
ingredientes e de tarde a minha mulher fez.
Amanhã vamos provar e depois logo lhe
contaremos como nos ficou.

Adoramos estas receitas - na maioria - muita
gente não quer dar pelos segredinhos - acho
que deviam de dar porque só a mão de quem
faz tem esse tal segredo.

Muitos parabens por mais este 16.
Aguardamos a próxima.

Com muita amizade e admiração

Xavier MArtins


De Xavier Martins a 14 de Agosto de 2011 às 15:53
Muito boa tarde
E venho dizer que só hoje provamos a sua receita.
Fui eu que não li a receita como deveria ser e
precipitei-me na prova...

Depois de seguir a receita nos moldes da mesma ...
espera e tal...
Lá provamos hoje a sua receita e devo dizer
(não esperava) mas ficou optima.
5***** estrelas.

Um abraço

Xavier Martins


De Alexandrina Silva a 11 de Agosto de 2011 às 23:29
Muito obrigada por esta receita.
A minha mãe queria muito a receita da
cabeça de Xára - procurei na net e além de
encontrar imensas - não consegui escolher uma
que me apetecesse fazer - MAS AGORA - vou
esperimentar esta sua.

Muito obrigada D. maria José
Um beijinho

Alexandrina Silva


De Flor do cardo a 14 de Agosto de 2011 às 16:02
Enfim voltei ao seu (nosso) convivio...

Desculpe a longa ausencia mas juro-lhe que
pensei nunca mais aqui regressar.

Eu e o meu amigo de Vila Viçosa tivemos um
grande acidente - ele tem a mania de conduzir a
charrete e ... olhe lá se voltou comnosco lá dentro
ficamos de baxo daquilo tudo - dois velhos...
Imagina como foi...
Proibi a minha gente de lhe contar - cá a fazer
alaridos de desgraças...
Mas já cá estou de volta Graças a Deus.
Parti uma série de costelas - que ainda muito
me chateiam. Uma boa ferida na testa - 20 pontos
e mais outras coisitas um tanto ou quanto
sérias...
Mas cá estou...

E consigo? Tudo Ok?
Espero que sim - tem de estar pronta para o
Setembro.
Ai que saudades tenho da luz e até do cheiro
do Setembro em Elvas.
E o São Mateus.
Oh que saudades...

Diga lá a sua sobrinha que tem de mostrar aqui
fotografias da festa para eu matar as saudades.
Está bem??
Não se esqueça.

O Guilinho foi para a Australia e agora que já
estou bem melhor
vai o Aristeu uns diazitos.
Esta gente nova!!!

Bom... até reve e um abraço

Luciano


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@