Domingo, 30 de Outubro de 2011

UMA CARTA

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.968 – 9 de Dezembro de 1988

A La Minute

UMA CARTA

 

Inesperadamente, chegou às minhas mãos, uma carta de JOANA LUISA, que foi mulher de SEBASTIÃO DA GAMA.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em Maio, eu escrevi aqui, “A presença do Poeta” referindo Sebastião da Gama. Foi este o motivo.

Não foi a primeira vez que me escreveram cartas, postais, ou me telefonaram a falar de apontamentos que aqui faço. Em boa verdade, isso tem acontecido com alguma frequência, o que, confesso, embora me seja grato, muito me responsabiliza.

Sempre, que me disponho a apontar algumas ideias, procuro fazê-lo subordinando-me a alguns princípios que me norteiam – honestidade e rigor.

 

Sendo a opinião que se expressa um exercício resultante de um critério assumido por escolha e eleição de valores que tomamos por padrão, toda a opinião, agradável ou desagradável, envolve juízo crítico – e se torna por sua vez passível de ser criticada.

Não admira pois que ao ler: “… gostei do que escreveu e achei enternecedora a forma como captou a personalidade de Sebastião transmitida pelo pais saudosos” - me tenha, com estas palavras inesperadas, sentido compensada pela falta  de outras – que, por vezes, não vieram, daqueles que, na opinião do nosso coração, no-las deviam.

Falar de alguém que se conheceu, se conhece, se admirou ou admira – não é – penso eu, a tarefa fácil que pode parecer.

Quem mereceu ou merece a nossa estima ou admiração e fazendo-nos nascer esses sentimentos enriquece a nossa vida – merece o nosso respeito e tem direito ao rigor de que formos capazes, porque aí reside o segredo da admiração e a qualidade da amizade que lhe votamos.

Ter de pessoas ou obras o conhecimento que permita o conhecimento de que nos é lícito delas falar aguça o gosto de o fazer e o medo de falsear a imagem que se evoca pela facilidade de mistificar a que, o amor, predispõe.

Assim que, a carta de Joana Luísa, (a que ainda não respondi) se me afigurou a carta natural, “da mulher” de Sebastião da Gama, como ela ternamente escreve.

Joana Luísa não me escreveu por eu ter dito de Sebastião o que dele merece ser dito, - escreveu-me porque sentiu que era isso que eu gostaria de ter feito – e, por isso, lhe estou grata.

Vou procurar entre a minha papelada o retrato de que falei no tal artigo, para lho enviar, como seu expresso desejo – e mais uns outros que julgo ainda conservar. Às vezes pedem-me estas coisas e quando percebo que o interesse é verdadeiro – vou-as dando. As colecções, de jornais, completas, já as dei quase todas.

De qualquer modo, um destes dias, se Deus quiser, vou-lhe escrever para agradecer a carta que me forneceu a oportunidade, que me tornou feliz, de ter “encontrado” Joana Luísa no rasto de beleza que deixou a vida e a poesia de Sebastião da Gama.

 

Maria José Rijo

 

 

estou: Sebastião da GAma

publicado por Maria José Rijo às 11:19
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De Gisa a 30 de Outubro de 2011 às 14:07
Minha querida tia
finalmente consegui chegar ao blog .
Já nem me lembro se lhe contei mas acabei de
adoptar um menino porque perdi um dos meus...
estou muito triste mas parece que a vida é assim.
Chama-se Sebastião - como o grande poeta aqui
do seu belo artigo. è muito bonito e um querido,
tem um aninho e é uma fofura.
E a tia como está?
E a sua saude? Espero que esteja bemzinha,
agora o tempo já não é grande coisa mas...
espero que esteja bem.
Desculpe ter faltado tantas vezes aqui neste seu
e nosso cantinho mas nem sempre a vida nos deixa
fazer o que mais gostamos.
A tia sabe que é verdade.

Muitos beijinhos tia
muitas saudades

GISA


De Maria Augusta Torres a 30 de Outubro de 2011 às 14:22
Minha boa amiga
Cá estou eu de regresso depois de uma
ausencia forçada.
Sabe que estive outra vez na Suiça, é que a
saúde esta muito periclitante, coisas da idade...
Isto qualquer dia termina sem eu dar conta...
espero em Deus Nosso Senhor que assim seja, não
é verdade minha amiga?

Mas já estou de volta, Graças a Deus é que a nossa
casa é o melhor de todos os lugares do mundo.
Hoje tem aqui um artigo muito bom sabe que o
meu marido e eu conhecemos o Sebastião da
Gama na Arrabida, nos tinhamos por lá uma
casinha e por vezes iamos passar umas
temporadas e numa das vezes cinhecemo-nos.
Era um homem excepcional.
Adoramos conhece-lo.

Fico Feliz amiga.
E a sua saude - vamos bem?
Espero e desejo que sim.
Um beijinho amiga

MAria Augusta Torres


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@