Terça-feira, 26 de Junho de 2012

QUEM DERA

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.044 – 25 de Maio de 1990

A La Minute

QUEM DERA

 

Pela imprensa, rádio, televisão, etc., etc., vou como toda a gente, tendo conhecimento dos problemas que o país enfrenta.

Assim que, graças a Deus, se pode depreender que está tudo bem, muito obrigado! –

Pois que preocupação de norte a sul, com peso para entrevistas de horas e páginas inteiras de jornais são, especialmente, como o futebol.

Sabendo-se que um treinador, num clube de I divisão, aufere ao fim de um mês – sozinho – mais do que, (se calhar?) custa o corpo docente de uma escola – num ano! – porque, verbas de 7.000 contos (de base) a que se juntam prémios de jogos e não sei mais quê, que fazem subir a fasquia aos 10.000 contos mensais – não são motivo de graça – convenhamos!

Quando estas situações são despudoradamente ventiladas como normais – ou – pelo menos, correntes – impõem-se conclusões, tais como:

- os reformados, ao fim do mês, já recebem quanto baste para não se sentirem mendigos?

- os funcionários públicos e outros, já podem pagar os 30 ou 40 contos de prestação mensal do empréstimo que lhes faculta adquirir o T-2, no valor de 3.000, sem terem que optar:

casa ou comida! - os problemas de saúde e assistência estão por certo solucionados…

Porque, se assim não fosse, não faria sentido que qualquer desporto, fosse lá ele qual fosse,
ocupasse tal lugar e importância na vida de uma qualquer comunidade e consumisse fundos

oficiais e particulares de tanto vulto, quando, parte deles, poderiam ser canalizados para empreendimentos capazes de promover justiça social.

O empolamento que a nível nacional, se dá a um determinado desporto é quase psicopático.

O olho mágico, que é a televisão, quando lobriga futebol, nem pisca.

Altera promoções, cala concertos, entrevistas, faz os desvios necessários para servir em directo, o deleite de ver as goleadas e o arrepia de emoção dos já comuns espectáculos, adjacentes, e
violência.

Nero tinha o seu circo.

A história, dele, guardará as cicatrizes.

Do estado pelintra das instalações escolares, do que comem, - ou – se comem – as crianças; dos tempos sem rumo que levam ao álcool, ao tabaco, à droga, os adolescentes, que a frustração perverte por não encontrarem lugar no mundo de todos – não vale a pena cuidar com colectas nos emigrantes, conquista de interesses económicos de particulares, envolvimento nacional…

Para clubes e craques! – Sim! – Isso é que é!

Quem dera, meu Deus, quem dera, uma cidade qualquer que fosse a notícia de se ter organizado na
defesa justa dos valores que promovem o bem-estar das populações…

Onde o desporto fosse a noticia vivido com o significado do seu conteúdo autêntico de fonte de saúde, alegria, prazer, gosto de viver – beleza! – Em lugar de funcionar como o doping que excita, inebria, mas desequilibra, com tudo aquilo que extravasando do seu espaço próprio, ocupa indevidamente o lugar que lhe não pertence.

Quem dera, meu Deus, quem dera!

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 22:00
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Xavier Martins a 26 de Junho de 2012 às 22:11
D. Maria José os seus artigos ainda estão bem
actualizados - 22 anos depois a história não mudou
muito - os pais continua na mesma - outra moeda...
outras gentes... mas tantas coisas iguais...
O desporto Rei continua Rei... como se sabe...
amanhã um grande dia - vai ver --- ninguem se
lembra da crise... se o pais ganhar - o preço da
gasolina já não está em causa.
O povo que se divirta... Nero lá sabia o que o
povo gostava.
Como vê... tudo igual!!
Até dá vontade de rir.
Os meus Parabens .

Xavier martins


De Maria José a 30 de Junho de 2012 às 17:00
Meu bom Amigo Xavier - eu confio que entende os meus silêncios.
Já se deve ter apercebido que o ritmo da minha "produtividade" já rende muito pouco.
Vivo entre cansada e muito cansada com a variante de nada me apetecer fazer.
Às vezes ainda um ou outro facto me espevita o ânimo,mas são fogachos sem consequências.
A solidão e as saudades, às vezes, pesam mais do que se desejaria..
Aquela festa de outro dia, fez-me remexer velha papelada que depois de ter estado à espera, estes anos todos da colaboração prometida,estou agora, com algum esforço a tentar organizar, só, como, aliás, já deveria ter feito se não tivesse sido tão confiante.
Obrigada pela sua amiga presença
Um abraço grato- Maria José


De Flor do Cardo a 26 de Junho de 2012 às 22:16
Olá cá está ele!!
Este artigo na altura que saiu a minha mulher
achou-o muito bom porque retratava a época
em questão - agora - tantos anos depois...
Onde está a diferença?
Dos ESCUDOS - verso - EUROS ??
Só aí???
O resto é todo igual.
Como vê continua actualizadissimo.
É isto que eu admiro na sua escrita - passem
os anos que passarem estão sempre actualizados
e deixe-me dar-lhe os Parabens porque este
artigo - foi muito bem metido - amanhã
joga Portugal/Espanha...
O desporto Rei vai parar o país e a crise...
Muito Bem.
Parabens .

Por cá tudo muito bem.
amiga tenha cuidado com o calor!!

Um abraço
Luciano


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Apresentação do Livro de ...

. O Natal e os Poetas - 201...

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@