Terça-feira, 3 de Julho de 2012

Questão de Valências

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.042 – 11 de Maio de 1990

A La Minute

QUESTÃO DE VALÊNCIAS

 

Há muitos anos, uma das minhas sobrinhas trouxe-me de um passeio ao Guadiana, bem acautelado num bolsinho do bibe, um presente singular: - um calhau branco, redondo e polido por tempos imemoriais de intimidade com as águas do rio.

Deu-mo com a compenetrada seriedade dos seus cinco anos, dizendo:

    - “é para a tia fazer qualquer coisa!...”

Guardei o calhau, que conservo ainda, em lembrança desse momento em que, num puro impulso, uma criança me provou a sua confiança, reconhecendo-me capaz de entender e ficar, como ela, rendida à beleza de coisa tão sem cotação no mundo dos adultos – um calhau!

Um calhau rolado, sabe-se lá, por quantas ondas e marés!

 


- 0 – 0 – 0 –


Com data de 14 de Abril, recebi de Coimbra uma carta singular, cheia de sugestivo interesse.

Por ela me faziam presente de um recorte de imprensa, que, aqui se transcreve e onde, após os votos de Boa Páscoa se dizia: - “Porque lhe envio isto, nem eu sei…”

 

“Vendo-os assim tão pertinho

A Galiza mail’o Minho

São como dois namorados

Que o rio traz separados

Quasi desde o nascimento

Deixa-los, pois, namorar

Já que os paes para casar

Lhes não dão consentimento”.

 

A maravilhosa oitava de JOÃO VERDE que antecede fez eco por montes e vales da vizinha Galiza, dando origem a que o Poeta de Vigo, D. AMADOR SAAVEDRA, assim respondesse:

 

“Se Dios os fixo de cote

Um p’ra outro e teñem dote

Em terras emparexadas,

Pol’a mesma auga regadas

Com ou sin consentimento

D’os pais o tempo há chegar

Em que teñam que pensar

Em facer o casamento.”

 

- Se calhar, ele até sabe!

- Pela mesma razão que ao avistar o campo agora florido de roxo de chupa-mel, ou dourado e branco de mal-me-queres, se pensa na fotografia ou, no quadro que este ou, aqueloutro fariam…

- Pela mesma razão que ao olhar o pintainho fofo, ou o cabrito acabado de nascer, assoma na nossa alma o olhar das crianças que fomos, ou daquelas que trazemos em amor no coração…

- Se calhar por aquela velha razão, de que às vezes, por muito bem couraçados que nos julguemos na nossa muralha de adultos indiferentes – onde o bom tom é encolher os ombros a insignificâncias – sem nos darmos conta, tantas vezes, cedemos à criança que nos habita e ficamos desprotegidos, confiantes e ingenuamente felizes – como quereríamos nunca ter deixado de ser…

 

- 0 – 0 – 0 –


Numa destas tardes, cinzentas e chuvosas, em que desatenta lia o jornal e olhava a televisão sem
motivação para escolher em definitivo – deixei de repente o jornal cativada por um cientista a falar na TV.

Contava de galáxias, formação de mundos, oceanos que se julgava despenharem-se no oblívio, átomos, quarks e coisas tais que, a falar de ciência, parecia criar um mundo mágico de ficção.

No fim, com ar cúmplice, como que a piscar o olho ao espectador entendido – disse que as crianças perguntam porque é azul o céu, porque não caem os pássaros, como é que se segura a lua e outras coisas assim, e que os adultos deixam de fazer perguntas. Porém, aqueles que conservam a curiosidade das crianças e continuam a interrogar – são os físicos e, talvez, os poetas.

Se calhar – Álvaro Abreu – ambos sabemos porque me escreveu…

Talvez porque a pescar achigã no Guadiana – ali na Ponte da Ajuda – se possa poetar como no Minho
capturando o salmão…

Quando o Álvaro evocou Elvas – sua cidade mãe – num belo poema em que escreveu:

“Minha dama doutros tempos

 Minha linda dama antiga…”

não pensaria, por certo, que com esses dois versos eu dissesse adeus a sua Santa Mãe –

em S. Miguel, nos Açores – a última vez que a vi – mas foi – e que bem que lhe ficavam…

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 15:36
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Xavir Martins a 4 de Julho de 2012 às 17:26
Sempre BONS artigos.
Os meus Parabens
Mais um menos um, como se costuma dizer !!

Boas férias

Xavier Martins


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@