Sábado, 8 de Setembro de 2012

A Propósito de um Aniversário

Jornal Linhas de Elvas

Nº 3191  -  6 de Setembro de 2012

Conversas Soltas

A Propósito de um Aniversário

O jornal “ Linhas de Elvas” completa 62 anos.

O “Linhas” é um jornal já com uma longa história feita da soma das histórias de quem o idealizou, e de quem ao longo de todos estes anos o deu à estampa em cada uma das 3.190 semanas em que, ao sair para as bancas, nascendo, renascia.

Um jornal nasce, morre e renasce de cada vez que a sua publicação aparece porque a vida dum jornal não é espontânea.

O sangue que faz correr a sua vida, é o sangue de quem o concebe, cria e o solta ao seu destino em cada edição, em cada número em cada dia – “ diurnale” é a génese etimológica do seu nome – jornal - que também pode querer significar jornal ou jornada como salário de cada dia de trabalho.

Um jornal a pouco e pouco, com o relato do quotidiano de uma cidade ou de uma região, conta o pulsar da vida, escreve a história da sua época, soma-a à história de um País, por mais modesta que seja a sua contribuição.

Qualquer jornal é uma voz onde ressoam muitas vozes, notícias, opiniões, tendências, algumas vezes.

Um jornal é, ou pode ser, sempre uma força, porque a sua apresentação é resultado de escolhas, decisões de consciência, atitudes pensadas reveladoras de ideais, caminhos, influências.

Assim a imprensa pode ser elemento de catalize em causas boas, ou menos boas.

A imprensa informativa, não é um lazer, mas, sim, um ofício de nobre  responsabilidade.

O “ Linhas” é, um jornal que ainda nasceu no tempo em que os jornais eram compostos letra por letra com caracteres de imprensa, para formar palavras, constituindo frases arrumadas em tabuleiros próprios…

Em que as notícias se transmitiam pelo telefone, com as telefonistas, pelo meio, estabelecendo as ligações….

O “Linhas”, não nasceu no tempo das facilidades tecnológicas.

 O “Linhas” era, como os jornais de então, gerado em oficinas ao som do barulho cadenciado das impressoras com os tipógrafos de mãos encardidas de tintas, fatos protegidos por batas escuras ou longos aventalões compondo, como quem tece malha por malha, noite dentro, madrugadas fora, para que a notícia não envelhecesse antes de sair à rua.

O Linhas nasceu na Rua do Forno, na tipografia de Ernesto Augusto Alves e Almeida.

Nas épocas das convulsões políticas, nas catástrofes, nos grandes acontecimentos de qualquer espécie os jornais eram aguardados com a avidez com que hoje se espreita a net, a televisão, e, já se aguardou também , no seu apogeu, a rádio…

Nesses tempos nem a máquina de escrever estava ao alcance de todos e, os originais chegavam às tipografias manuscritos.

Algumas caligrafias eram verdadeiras charadas, mas, também, alguns tipógrafos eram verdadeiros génios na sua decifração permitindo que a prosa viesse a lume escorreita.

Hoje o cabeçalho de um jornal traz já impressas as coordenadas da modernidade – www.linhasdeelvas.net.,- e, os computadores corrigem os erros ortográficos…

É à festa deste jornal – actualizado - que compareço, mas trago-lhe de presente esta memória de um semanário que nasceu com corpo de papel, com cheirinho de tinta fresca, com força de alma e com um projecto corajoso e honesto, que como um bem de família se mantém genuíno na sua essência e a que as marcas do tempo vão dando feição e a modernidade que lhe permite singrar na difícil vida da imprensa de hoje não alterou o carácter.

Venho trazer um abraço de parabéns, e de coração, como quem reza baixinho repetir o voto de sempre:

Felicidades!,Felicidades! Felicidades!...

 

 Maria José Rijo

 


publicado por Maria José Rijo às 11:44
| comentar | Favorito
partilhar
3 comentários:
De Xavier Martins a 8 de Setembro de 2012 às 13:42
Mais um belissimo artigo.
Já tinha lido, pois comprei o Jornal.
Os meus Parabens por este artigo e ao Linhas
por ter o privilégio de publicar os seus artigos.
A sua escrita, realmente dignifica quem os
publica. Faz do Jornal um bom jornal.
Gosto muito de ler os seus artigos e claro
guardo todos eles.
Obrigado por escrever para todos nós e
também por este espaço - que também é nosso
e tão agradavel aos olhos.

Parabens D. Maria José.

Um abraço

Xavier Martins


De Laura Gomes a 8 de Setembro de 2012 às 13:43
Os meus Parabens
Tem um blog muito lindo
muito bem organizado
e a sua forma de escrever é uma maravilha,
faz-me lembrar a Isabel Allende.
Muitos Parabens e Obrigado

Laura Gomes


De KIKO a 8 de Setembro de 2012 às 13:45
Minha querida Tiazinha
Venho cá deixar um grande GRANDE beijinho
com muito carinho

KIKO
I
KIKO
O


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@