Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

Mensagem

.
 

Olho, vejo, sinto
mas não falo - calo!
calo como se tudo me fora indiferente
ninguém sabe porque o faço
sequer eu
que sei quem trago comigo
por quem rezo
quem no coração abrigo
a quem no mistério de mim
abraço e segredo: - Amigo!
Eu, até acredito
que amizade, amor,
os grandes sentimentos
são para viver
não para dizer.
Quem saberia contar um beijo!
o beijo acontece
se o gera o amor, a ternura, a piedade, o desejo...
nele cabe todo o sentimento
como no silêncio
cabe a vida, a esperança, o vazio, a morte
O silêncio é o mundo inteiro
quieto, olhando o alto
O silêncio pode ser pleno
quando nele se recolhe
o que se semeou
na alma se guarda
no coração se colhe
e dá sem explicação
como se dá um beijo!

.

22-Maio - 2013

 

Maria Jose Rijo

 

 
 
 
música: Livro de Poemas - IV

publicado por Maria José Rijo às 22:15
| comentar | Favorito
partilhar
14 comentários:
De GUS a 22 de Maio de 2013 às 22:38
Oh que saudades...
SAUDADES dos seus poemas.
Já fazia TANTO TEMPO que estes olhos não
davam conta de ler sentidamente um poema seu.
Este é perfeito - como as flores da Amendoeira.
Lindo e ao mesmo triste porque me mostra
a sua alma meio adormecida - meio acordada.
Sinto que sofre, que a saudade a abraça e
que as lagrimas descem pelo seu rosto.
Não quero que chores, que sofra.
Quero que ria, que olhe a vida como sempre
a olhou.
Desculpe como falo... mas sinto em mim uma
tristeza que veio de si, como um beijo perdido
e lacrimoso.

adoro os seus poemas e ficaria aqui a falar
consigo ate depois de amanhã.
estes seus livros de poemas deveriam
estar todos nas livrarias ao alcance de todos.
Tantas vezes folheio livros - que se dizem de
poemas e são vendidos como tal... - MAS
falta-lhes este sentimento, este desgarramento,
esta dor - este misto de vida... da vida que
carrega consigo... de todas as palavras
belas ou tristes mas que mostram de si...
que nos mostram a sua alma - alma antiga
vinda de outras vidas - alma bella e gentil.
Gosto muito de si minha Tia

Muitos beijinhos
do seu sobrinho
GUS


De maria josé a 4 de Junho de 2013 às 19:24
Querido Gus
atrevo-me a dizer: meu querido Poeta
Tenho a certeza que tudo quanto escreveu para me falar de um pobre poema escrito por quem sabe que deve começar a arrumar as pontas soltas da vida cabe num abraço, como este que de longe me leva para perto de si
com saudade, enternecidamente
Tia Zé




De Maria José a 4 de Junho de 2013 às 19:34
Querido Gus
Atrevo-me a dizer
Meu querido Poeta
Sinto, sei, sabemos, que tudo quanto escreveu sobre um simples desabafo de alguém que está na hora de não se negar a agarrar as pontas soltas da Vida, cabe na gratidão deste abraço, que aqui lhe deixo e me leva para perto de si
Enternecidamente sou a
Tia Zé


De Xavier Martins a 23 de Maio de 2013 às 23:59
tenho de concordar com todas as palavras
do Gus.
Realmente os seus poemas são uma maravilha.
Os meus Parabéns
Como sempre este blog é uma maravilha.
Eu sou daqueles que acha - que quem não gosta
só fazem favor em não aparecer.
Não é mesmo assim.
?

Sobre o Livro do Dr carpinteiro.
É um belo livro de belíssimas fotos
e com as suas frases ainda ficou melhor.
Poderia era haver alguns exemplares a venda
para os interessados.
Estive lá já a ver a exposição no Museu.
Como sempre muito interessante.

Percebi no outro dia que algumas destas fotos
que coloca aqui no seu blog - são da sua
sobrinha- E muitas são mesmo muito
bonitas eu acho se me permite a ousadia -
gostaria de as ver numa exposição no
Museu do Dr. carpinteiro.
Seria bem interessante.
Fica a ideia.

Com gratidão por nos permitir ler este seu
blog

Xavier Martins


De Maria José a 4 de Junho de 2013 às 19:53
Muito querido Amigo
Acredita que só tenho pena de não vir mais ao blog porque isso me priva do vosso convívio?
Creia que eu tento recuperar o antigo ritmo da minha vida, mas em vão.
A agua que corre, não o faz duas vezes pelo mesmo caminho - vai mesmo para a foz...
Realmente quem fez estas fotografias e todas as demais que embelezam o que eu escrevo é a Paulinha.
Nãpo só eu como imensas pessoas amigas temos tentado sem êxito que ela exponha trabalho seu.
Em vão!
No entanto todos nós continuamos a insistir...
Obrigada pela fidelidade da sua amiga presença que muito aprecio e muito me apoia.Só me pergunto quando será que acontece aquela visita que me prometeram no ano em que sua mulher caíu na Piedade!
Confiemos...
com um abraço grato sou com amizade a
Maria José Rijo
Ainda não perdi a esperança.


De DOLORES a 25 de Maio de 2013 às 13:09
Minha querida tia
desculpe a nossa ausência mas temos andado por
aqui muito ocupados porque o meu marido tem
ganho alguns prémios pelas orquídeas e temos
tido algumas festas.
eu - já sabe - adoro criar leitões e a Dr deu-me
essa oportunidade e então esta a ver o
trabalhinho.
estamos muito contentes, a nossa princesa
cada vez mais parecida com a mae o que nos
da muita alegria.

ADORAMOS este seu poema.
acho-o triste mas muito lindo.
como sempre digo a tia tem uma grande alma
e e tao querida.
prometo aparecer mais vezes.
Hoje como e sábado cozinhei o Dioguinho
lindo e rosado para o almoço .
Beijinhos

<dolores


De Maria José a 4 de Junho de 2013 às 20:06
Querida Dolores
Que bom que a Vida vos esteja a proporcionar momentos tão felizes.
São essas circunstâncias que dão força e coragem.
Faço ideia de como estará crescida e linda a vossa neta . Ela deve andar ao desafio com a beleza das orquidias que o avô cria. Adorava ve-las a ambas.
Dos seus leitões, não falo, está bem?
Eles são tão lindos em pequeninos!
Que Deus vos vá ajudando sempre, são , de todo o coração os desejos da tia Zé


De Aristeu a 25 de Maio de 2013 às 13:44
Estou simplesmente emocionado com este seu
belíssimo poema.
Triste mas bello porque me relata como esta
e como sente o seu coração.
Como eu queria viver hoje em Elvas para a
poder ir buscar para um almoço na nossa quinta
e um fim de semana bem passado.
Nestas nossas tertúlias.
O meu Pai - imagine inscreveu-se aqui numa
universidade e agora não para.
Anda sempre bem disposto - eu acho que é
agitação demasiada para ele mas...

E a tia que tem feito?
espero que este já - dentro do possível - bem.
Não é ?

beijinhos e muitas saudades
do seu sobrinho

ARISTEU


De Anónimo a 4 de Junho de 2013 às 20:26
Mas que saudade do meu Sobrinho Aristeu!
Que bom que tenha vindo à conversa e ainda por cima falando num convite que eu teria adorado receber se a distância permitisse.
Pois fique sabendo que não iria só para um chazinho, ficaria consolada de coração a reviver o encanto de uma familia grande como também já tive...
Mas...ser capaz de idealizar a alegria e as travessuras das crianças, a coragem do meu bom amigo Luciano inventando motivos de interesse para a caminhada da Vida o Gilinho e família e tudo o mais que vos cerca e vou imaginando já me faz ter-vos presentes e sentir que de certa maneira são parte da minha família de coração.
Obrigada pelo comentário. Um beijo.
Gostaria de saber adata de nascimento do vosso rapazinho . Pode ser?
Um abraço grande para todos da tia Zé


De eva a 25 de Maio de 2013 às 21:43
O silêncio, o verdadeiro silêncio, o interior, é a verdadeira paz, é a plenitude da alma. Mas é tão difícil, hoje em dia, as pessoas gostarem de silêncio. O seu poema, Maria José, é feito daquela luz que aquece os corações. Obrigada!


De Maria JOsé a 4 de Junho de 2013 às 20:41
Querida
Muito querida Eva
A sua opinião é sempre muito importante para mim.
Foi atravès do blog que chegamos uma à outra, daí que não a sinta "obrigada" a ser-me agradável e me sinta mais segura quando me estende a sua mão.
Sei que me entende.
Estou com 87 anos.
Dos sonhos que tive penso que realizei um : de proposito nunca fiz mal a ninguem.
Todo o mais, por medo umas vezes, por preguiça e comodismo outras fui vendo passar o tempo que naturalmente se vai esgotando, já estou gastando os suplementos, por certo.
Agora visto a pele de uma senhora de idade que engorda e tem mazelas que cheguem para " competir" com as pareceiras nos encontros casuais...
Querida Amiga obrigada.
Como eu gostava de a conhecer
Um abraço grande
Maria josé


De eva a 25 de Maio de 2013 às 21:47
E perdoe-me a adenda mas quero acrescentar este comentário. A fotografia que acompanha o texto é, toda ela, uma feliz composição que retrata precisamente esse estar de bem com a vida, em paz de alma.
Parabéns a quem captou esse momento.


De João Coco a 28 de Maio de 2013 às 17:59
Há muito tempo que a admiro como pessoa e como poetisa. Encanta-me a forma como transmite o pensamento para a escrita, o que me leva a recorrer com frequência ao seu blog.
Adoro o que agora publicou o que me leva a pedir-lhe a devida autorização para, na minha página de Facebook , editar e poder partilhar com os meus amigos este seu maravilhoso trabalho.
Manifesto-lhe, desde já, a minha admiração e o meu agradecimento.
João Coco


De Maria José a 4 de Junho de 2013 às 20:49
João Coco
Muito grata pela sua presença e também pelo seu interesse pelo poema que tanto lhe agradou.
Esteja à vontade para o usar a seu jeito pois é no coração de quem os entende que qualqer poema deve morar.
Obrigada grata pela escolha e pela delicadeza de me dar a sua generosa opinião
Um abraço
Maria josé Rijo


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@