Quarta-feira, 23 de Maio de 2007

Reminiscências

Volto hoje a trazer à baila velhas reminiscências que envolvem, no meu espírito a evocação, a que por vezes não me escuso, de pessoas com quem me fui cruzando ao longo da vida, ou me deliciaram na infância com histórias, contos e lendas.

            Antes de haver água canalizada ao domicílio (há mais ou menos meio século) toda a gente que não ia fazer o seu provimento directamente às fontes comprava-a aos aguadeiros que a distribuíam de porta em porta.

            A chamada da freguesia era feita por um pregão mais ou menos musical, e alguns havia bem pitorescos !  Tal como hoje acontece com os carteiros, também os aguadeiros passavam às portas em horários quase fixos.

            Havia cântaros de lata e de barro que eram acondicionados em carroças que dispunham de espaços onde eles se encaixavam como acontece hoje com os comprimidos. Lado a lado e cada qual no seu próprio alvéolo.

            Outro processo de fazer a venda era metendo os cântaros nas cangalhas que se acomodavam sobre as albardas das  muares. Nesse caso, eram apenas dois ou quatro os recipientes transportados, em lugar dos dez ou doze que  um carro comportava.

            Havia também as pipas adaptadas em carroças com a água a chocalhar lá dentro com o atrito da calçada irregular, e uma grande torneira na parte inferior, atrás, onde as freguesas iam, mediante o pagamento, encher os próprios recipientes.

            Em qualquer circunstância, sempre  os acessórios do trabalho iam bem à vista pendurados e a balouçar a compasso do andamento dos burros ou das parelhas. Eram os grandes funis de folha  ou de zinco e os caldeiros com grossas cordas que serviam para tirar água dos poços e encher o vasilhame.

            Existiam, também na profissão, uma espécie de retalhistas. Eram os meninos pobres e os velhotes já sem vigor para outros trabalhos que, transportando um cântaro ao ombro, aproveitavam feiras ou ajuntamentos para vender água a copo aos mais sedentos ou encalorados .

            Mas, isso, já era questão de poder económico  de quem vivia de tal negócio.

            Pois bem, com o passar do tempo os fornecedores tornavam-se familiares e, era costume oferecer-lhes - pelo menos era assim nas aldeias - um copo de vinho, ou um petisco, em resumo:  um agrado como recompensa pelo enchimento até ao gargalo de talhas, potes, cântaros ou infusas . Já que o dinheiro pagava a água mas não a boa vontade com que o serviço era prestado.

            Até me recordo que, assim como hoje se aprecia a simpatia de quem trabalha em  qualquer casa, também a afabilidade dos aguadeiros fazia parte das críticas que qualquer família  tinha no rol das conversas escusadas que sempre hão-de dar para falar quando nada que preste há para dizer ...

            Outra coisa acontecia então: - a  criançada, mal sentia fosse quem fosse na  cozinha aparecia como as formigas ao cheiro do mel e, ávidas de saber como sempre são as crianças,  faziam perguntas sobre tudo e mais alguma coisa.

            Foi assim que, em certo dia de anos, enquanto provava o bolo da festa e deliciado ia sorvendo um copito de Porto, o senhor Zéi ” ensinou uma lengalenga aprendida na tropa, quando era fraganote (palavras suas)

Rezava assim:

                    

            Houve em tempos um padre que querendo contratar um criado fez questão  de lhe testar a memória já que saber ler era coisa  rara antigamente e era necessário que ele tivesse capacidade para reter os recados que lhe confiassem.

            Então, durante  o serão, sentados ambos à lareira disse-lhe o padre: - aqui na  minha casa cada coisa tem um nome especial. Só os direi uma vez. Se amanhã pela manhã ainda te recordares de tudo, ficarás comigo. Se tal não acontecer terás que  procurar outro patrão. E começou a enumerar as designações  que inventara para experimentar a argúcia e a memória do rapazito.

            Olha, disse-lhe o padre: - lume é inclemência. Gato. é : papa ratazana. Eu, sou  papa a Deus. Cama, é braços miratos . Meias, são tira e metes. Sapatos, são sarapitatos . Mobília diz-se traquitana. Água é abundância e à estopa chama-se estância.

            Terminada a enumeração de tão estranha nomenclatura, foi o padre deitar-se e deixou o rapaz sentado ao lume a pensar na vida.

            Repetia e tornava a repetir cada palavra com medo de se esquecer. Receava até  deitar-se e adormecer.

            Teve então uma ideia matreira que logo pôs em prática. Atou à cauda do gato um  tição a arder e entrando a correr nos aposentos do padre gritou: - levante-se! - seu papa a Deus desses seus braços miratos , puxe os seus tira e metes calce os seus sarapitatos , vá  depressa não encalhe aí nalguma traquitana que  anda aí o papa ratazana com a  inclemência atada ao rabo. Se não lhe acode com a abundância toda a estância leva o diabo.

            Levantou-se lesto o padre e o espertalhão ficou com o emprego e foi deitar-se  regalado.

            Não resisto à tentação e recordar que a água chique, aquela, que era de bom tom  ser consumida pelas pessoas importantes, era a água de “ Vichy ” que se fazia  anunciar no  célebre Almanaque Bertrand que, era ao tempo, a leitura obrigatória nas casas de família.

            Não havia desmaio ( e as  cintas e espartilhos bem que contribuíam para esses  delíquios das damas antigas) que resistisse aos sais e águas de Vichy ...

            Vivemos outros tempos que são simultaneamente, tempos diferentes.

            Recordar às vezes também pode divertir um pouco ...

 

                                                            Maria José Rijo

                                                     Livro das Reminiscências

 

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.483 – 18 / Dez. / 98

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:37
| comentar | Favorito
partilhar
2 comentários:
De M.E.F. a 25 de Maio de 2007 às 01:04
LINDO!
Que bonitas lembranças. Esta escritora quem é?
Não conheço! (infelizmente para mim)
Vou voltar... quero ler mais... muito mais...

M.E.F.


De Manuel Borges a 25 de Maio de 2007 às 15:31
Bonitas recordações!
Parabéns

Manuel L. Borges


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@