Quinta-feira, 12 de Julho de 2007

A visita - começo como começam todas as visitas...

                                       http://olhares-meus.blogspot.com/

Começo, como começam todas as visitas, por cumprimentar os donos da casa, e, muito especialmente, como no caso, quando tem que se lhes agradecer a deferência de se terem interessado pelo nosso estado de saúde.

Depois, qualquer assunto vem à baila; de preferência aquele, ou aqueles que tratam de interesses comuns.

Logo, portanto! – Jornais e notícias, que mais ou que outras coisa poderiam ser?...

Não tinha comprado o “Expresso”, por isso quando me enviaram uma mensagem de “felicitações” dizendo que, entre cinquenta, a cidade de Elvas era citada com décima segunda em qualidade, deduzi que era para provocar o riso a brincadeira.

E, ri , ri divertida.

Ora, aconteceu que me chegou às mãos o Linhas de Elvas que , faz capa com a reprodução da referida notícia.

Fiquei em pânico!

Eu sei que a oposição não poupa o governo – sei!

Mas, há sempre uma esperança de que enferme de algum exagero o que é dito por quem, prometendo fazer melhor, tente denegrir feitos de outrem, até por cobiça da importância dos lugares!

Talvez porque a esperança é sempre a última a morrer, mais ou menos todos vamos confiando que não seja tanto assim, ou assado...

Porém, quando, num país que tem cento e cinquenta e uma cidade, (informação colhida na Internet) Elvas está como a número doze onde se vive melhor, impõe-se a interrogação:

 - Em que estado está realmente esse pais? - O nosso Pais?

Teremos que ser levados a concluir que a oposição é benevolente?

Começo a ter as minhas dúvidas.

 

Elvas, não tem industrias, não tem Maternidade, não tem transportes públicos, tem um Hospital, carente de valências, deixou de ter Regimentos, ficou sem a EDP, sem o Tribunal Militar, sem o café Alentejo, sem o Museu Municipal, sem o Grémio da Lavoura, sem o CICAE, sem os Despachantes sem...sem...sem...

Tem o Forte da Graça a cair aos bocados...( conservação de património? – só para rir!)

O centro histórico a desabar...

A Quinta do Bispo! Que a falência haja!

A belezura dos “bebedouros” na rua da Cadeia!

A obra da Praça, que arquitectos como Teotónio Pereira e Souto Moura Porto se recusaram a projectar – por anteverem as evidentes consequências...

A destruição do “leirão nº 1” o mais antigo do Cemitério de Elvas que é também um dos mais antigos do País. (1860)

(Consulte-se o que escreveu esse Homem ilustre de Elvas, que da sua terra tanto sabia, e, de quem não se fala - Dr. Joaquim Tomaz Pereira)

História que a ignorância vai destruindo sem dó...

As construções a crescer - quase - em cima do Aqueduto!

O desleixo que deixa as ervas cobrirem e devastarem o dito Aqueduto - esse monumento - que não se entende não esteja considerado entre as dez novas Maravilhas que se pretendem classificar.

 Uma espalhafatosa “fonte rotunda” que se arroga mais importante que o majestoso Aqueduto (cuja perspectiva encobre) como se Elvas fosse uma cidade termal...

Resumindo e concluindo: - se isto é o melhor – que Deus nos acuda! – Porque, só não vê, quem não quer ver, que Elvas, é, cada vez mais, um subúrbio de Badajoz.

Um decadente arrabalde do que foi um ponto histórico fulcral num País onde todos se orgulhavam duma soberania portuguesa

que aos poucos se esvai, como o sangue dos seus heróis que por ela morreram ensopando os campos de batalha.

 

                                                                    Maria José Rijo

 

@@

Elvas 14 de Janeiro 2007

Jornal o Despertador

estou:
música: A visita - nº 15

publicado por Maria José Rijo às 13:54
| comentar | Favorito
partilhar
1 comentário:
De Manuel Bastos L.M. a 14 de Julho de 2007 às 20:46
Mas que português rico!
Que temas bem pensados e repensados.
Excelente forma gramatical deste belissimo
português.
Bem haja Maria José Rijo por este seu blog.
Tem aqui textos que são quase patrimónios da palavra, dos nossos Lusiadas...
Parabens
admirador ja seu desde já

L.M


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@