Terça-feira, 21 de Agosto de 2007

Ler e pensar

         Também através da leitura se pode fazer, um pouco, o percurso da  vida de cada  um de nós ,quando o hábito de ler nos acompanha ao longo dela.

            Começa-se ,quase sempre pelas histórias em quadradinhos, seguem-se-lhes os contos - dantes, eram de fadas - passa-se para as aventuras, depois, vêm as novelas e os romances.

            A certa altura,  começamos a reparar na forma como as intrigas romanescas nos são contadas e embora aderindo emocionalmente ao enredo ultrapassa-se a fase dos prantos pelos agravos e desditas porque passam os personagens e ganha-se objectividade sobre o que se lê.http://www.leitematerno.org/livros_recomendados.htm

            Então começa a etapa mais frutuosa, que é a de ler e pensar, que se segue à de ler e apenas sentir.

            Começam-se a definir critérios de escolha e preferências. 

            Fazem-se incursões por caminhos diversos. Deixa-se a ficção um pouco de parte. Procuram-se biografias, relatos de viagens, cartas, romances  históricos. Com um pouco de sorte ganha-se o jeito de ler poesia também.

            Então o livro deixa de ser apenas o entretenimento a pura curiosidade pelo fio da meada e ganha o valor acrescentado de ser o amigo e o mestre.

            Para encher tempo, até as velhas revistas das salas de espera dos consultórios dão uma certa ajuda. Embora se tratem quase sempre como se faz com os esporádicos encontros de rua . diz-se-lhes - Olá! e segue-se em frente. Porém, para levar para casa, para se sentar à nossa mesa , levam-se os amigos. Aqueles de quem se gosta. Aqueles com quem nos sentimos bem.

            Com os livros passa-se a mesma coisa. Para os ter à mão, perto de nós , para que nos sirvam de companhia, têm que nos saber falar ao coração e à inteligência, têm que despertar em nós qualquer espécie de interesse, têm que nos ajudar a entender quem somos, têm que nos abrir caminhos.  É que, como acontece com as pessoas, também o livro pode ser um bom ou um mau companheiro. Pode ser uma benção ou um veneno.

            Daí o cuidado com que se escolhem, se guardam, se olham, se recordam, se revisitam em leituras meditadas ou fugazes de trechos que se sublinharam, marcaram, e quase se sabem de cor.

             Manusear um livro é um prazer. Afagar-lhe a capa, tacteando-a, é como sentir o perfume de uma flor antes de a colher ,é o bater à porta da aventura de iniciar a leitura, é o afago no que desperta em nós afecto e estima, é o abraço no encontro do amigo.

            Mais cedo ou mais tarde, para quem gosta realmente de livros, para quem não concebe viver sem a sua companhia, acaba por chegar a hora de  procurar nos livros o que se espera dos mestres - a sabedoria.

            Escolhem-se então autores que na juventude nos pareciam fastidiosos, excessivamente solenes e descobrimos como as suas palavras são cheias de mensagens, como esclarecem as nossas dúvidas, como nos abrem novos caminhos, como nos ajudam a encontrar respostas dentro de nós.

            Como lidaram com as suas próprias interrogações, as suas perplexidades, como construíram os seus percursos íntimos.

Perdida a “voracidade” com que na juventude se devorava tudo quanto  aparecesse em frente dos olhos para ler,  enreda-se o nosso interesse  com temas, que nessa época nos pereciam incapazes de merecer o nosso interesse , quanto mais o nosso entusiasmo. As Confissões de Santo Agostinho,

 

- No Coração do Infinito e,

Cartas Abertas de Jean Guitton , -

 As Aproximações do professor Agostinho da Silva

a que juntei agora - Os Evangelhos de 2001-

do professor Marcelo Rebelo de Sousa    

        são o mestres que ando a reverenciar...

        Tenho, neles, pano para mangas.

         Dariam para uma vida inteira.

         Aprender até morrer ,diz o ditado.

         Aproveitemos então, para ler e pensar.

 

 

                                                           Maria José Rijo

@@@

Revista Norte Alentejo -- Crónica

Nº 10 – Março/Abril 2001

 

                                                              

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:25
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Dolores a 22 de Agosto de 2007 às 00:58
Ola
Cá estou eu a bisbilhotar.
Estava a fazer tempo para ter o "meu" texto novo para ler. E cá está ele.
Gostei imenso, como também gostei de ver que as minhas amigas, têm vindo ao seu blog e deixado comentários.
Todas emos Inernet mas só para bisbilhotar, não sabemos fazer blogs para nós, só gostamos de navegar e mais nada.

Este seu texto é muito bonito, aliás, como todos. Eu também gosto muito de livros e de ler livros, é um hoby que tenho.

Vou deitar-me. Voltarei e muitos Parabéns.
Desta sua amiga (se mo permite)

Dolores


De Rosa Marquês a 22 de Agosto de 2007 às 11:23
Magnifico texto.
Parabéns

Rosa Narquês


De Helder Tadeu a 23 de Agosto de 2007 às 18:48
Concordo ctg - mas não é só este o belo texto...
SÃO TODOS ELES !

Parabéns

H. T.


De Sónia Barbosa a 23 de Agosto de 2007 às 18:46
Esrou deliciada...
Ler Maria José Rijo é como estar a ter um diálogo com Deus.
Gostei imenso do seu discurso, ao longo destes belos textos.
Já publicou estes textos em Livro?
É o Jornal Linhas de Elvas que os tem à venda? - Vejo que são publicações nesse Jornal.
São merecedores de um livro que recolha os melhores (vejo esvolha dificil - todos saõ muito bons) para que possamos deliciar-nos.
Bem haja por este belo Blog.

Parabens

Sónia


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@