Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

Memórias – Recordações do São Mateus - Entrevista

Nasceu em Moura mas considera-se elvense, pois vive há mais de cinco décadas. Escreve regularmente no semanário Linhas de Elvas e possui uma grande paixão pela leitura. Maria José Rijo recebeu a “im”, com a simpatia que lhe transparece no rosto e, com uma música de fundo que tranquiliza o espírito de qualquer pessoa, falou das suas memórias do São Mateus.

                                  Olhos lindos...

A colunista começou por contar que foi pelas festas em honra da cidade de Elvas – numa caseta, sita no final do parque da piedade, junto ao “El Cristo”, onde naqueles tempos se dançava - que conheceu o seu marido.

 

“ Ele era alferes e eu estudante. É a história de todas as raparigas e de todos os pés de alferes”.

Naquela altura “ os meus pais tinham uma casa em Beja para minha irmã e eu estudarmos. A minha irmã terminou o 7º ano e foi para o Instituto Industrial em Lisboa e tornava-se oneroso manter essa casa”. A tia-madrinha e irmã da mãe vivia em Elvas e: “disse – manda a garota para cá. Vim feliz e contente porque tinha conhecido o meu alferes no São Mateus”. Estudou no antigo Colégio Luso, onde, o namorado “à socapa” a ia esperar para a acompanhar no caminho até casa, tal como os de todas as outras raparigas que namoravam, e guarda memórias do cortejo das meninas do colégio que caminhavam com o passo mais lento possível para tornar o caminho e a conversa mais longa.”

Com o percurso escolar concluído, Maria José Rijo casou com o seu alferes e recorda as primeiras festas da cidade de Elvas, após o matrimónio, como uma das memórias mais bonitas que tem. Tal como já tinha visto no primeiro São Mateus, onde conheci o meu marido, os bailes das camponesas alegravam o arraial de uma forma extraordinária. Elas por tudo e por nada cantavam, paravam e faziam a roda com as pandeiretas. Os noivos guardavam quase sempre o mês de São Mateus para se casarem e depois iam para o arraial passear os vestidos de noivas. Era interessante, ingénua e tocante, porque era enternecedor ver as raparigas vestidas de noiva de braço dado com eles, por vezes, já casadas de uma semana ou 15 dias”.

Maria José Rijo relembra também os acampamentos no espaço do parque de campismo de hoje, no olival por cima do Senhor Jesus da Piedade, que já nem existe, e nos campos em redor. Ali encontravam-se “os carros que levam tudo, Elvas_-_Relembrando_o_S._Mateus_do_Passadoos carros de canudo” (no dizer de Carmo Mateus). “Eram os carros de onde saíam mantimentos, fatos, preparativos para terem as indumentárias aprumadas na hora da festa. As mulheres tiravam as tábuas de engomar, faziam as brasas para os ferros, sacudiam a cinza e passavam ao ar livre os fatos que depois penduravam para à noite os luzirem no arraial”.

Os hábitos e costumes matinais de quem acampava são também lembranças que Maria José Rijo não esquece. “De manhã elas levantavam-se, penteavam os cabelos ao ar livre quase como gestos de ciganas, lavavam o rosto nas fontes, falavam e riam umas com as outras. Eram actos mais ingénuos, mais espontâneos”.

Questionada sobre o simbolismo das festas, Maria José Rijo apresentou uma metáfora: “primeiro surgiu a festa que originou a romaria, tal como em Fátima, que era apenas uma azinheira. Aqui a raiz de tudo foi aquela cruz do sítio onde caiu o Beneficiado Manoel Antunes. A seguir começou a romaria que segundo alguns historiadores, evitava que as pessoas fossem a Compostela, porque era um costume desde a época medieval. Um preceito que na nossa zona se transferiu para o Santuário de Nosso Senhor Jesus da Piedade”.

a romaria, onde há cinco décadas se ia em carros de cavalos, dos quartéis, que disponibilizavam os charabãs às famílias militares, tinha, para o efeito diversos pontos de partida. Maria José Rijo, que residia na rua João de Casqueiro e fazia o trajecto para a Piedade a pé, partia da poterna -- “a saída íntima, porque as outras eram para quem ia de carro. Partíamos por ali e seguíamos pela muralha que fica paralela ao aqueduto até á quinta de S. Paulo, onde hoje está parte da urbanização da avenida da Piedade. Chegava-se à Piedade através de hortas e pequenos caminhos rurais

No que diz respeito à devoção e ao número de peregrinos na romaria, a colunista disse à “im” que “ cresceu o número de pessoas mas com uma fé menos profunda porque a vida é diferente. Vai muito mais gente, vê-se pelo arraial, e, justamente por isso, a festa tem que começar pela procissão dos pendões, porque a seguir à adoração é que vem a festa.

           Fotos4_2003-09-20 20-26-01.JPG A romaria e a festa completam-se porque a primeira resulta do convívio de todos os que vieram adorar o senhor Jesus da Piedade e a seguir fazem a festa da reunião. É alegria de estarem juntos e de se reencontrarem “ concluiu a entrevistada.

        

@@@@@@@@@@@@@

Revista Ideias Mistas

Entrevista a Sra. D. Maria José Rijo

Sobre – Memórias – Recordações do São Mateus

Em : -- Setembro de 2004

@@@@@@@@@@@@@

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 13:17
| comentar | Favorito
partilhar
8 comentários:
De Dolores a 17 de Setembro de 2007 às 20:51
Valeu a pena esperar...
Li e reli e voltei a ler e li outra vez, e mais outra...
Parece que até ouço - sem a conhecer - a sua voz nos meus ouvidos.
Bonitas recordações desses São Mateus Alentejanos.
Agora já não deve de ser nada assim, tudo muda e na maioria das vezes para pior.

E estes olhos? São seus, de quando era jovem. Não é?
São os da noiva - no outro artigo?
Muito Bonitos.

Muitos Parabéns por esta entrevista. fique a conhecer um pouco o São Mateus.

Antes de me deitar voltarei para ler a ultima vez... de hoje.
Beizinhos

DO LO RES


De Ana Maria Lourenço a 18 de Setembro de 2007 às 00:06
Gosto sempre de vir aqui ler os seus belissimos textos.
Bonitos olhos.

Muitos Parabéns

A.M.L.


De Dolores Maria a 18 de Setembro de 2007 às 00:11
O prometido é divida...
Aqui estou... acabei de ler outra vez...
Realmente a Senhora é especial - a Dina tem razão - e eu agora também acho o mesmo.
Gosto muito da forma como fala do passado, de como conta as coisas - ao ler o que escreve parece que se formam imagens nos meus olhos.
Gosto dessa sensação de também conseguir ver e quase sentir do que fala.
Parabéns - suponho que não é facil passar essa imagem para quem lê.
Beijinhos - vou dormir ...
DO LO RES


De Arlequim a 18 de Setembro de 2007 às 01:56
Boa noite
É para dar conta da minha passagem aqui no seu cantinho e dizer que é bastante interessante entrevistas como estas, onde a memória esta activada.
Parabéns
Seu admirador

Arlequim


De Flor do Cardo a 18 de Setembro de 2007 às 01:58
Ola
... esta entrevista já é minha conhecida, do Linhas...
Gosto muito de memórias... assim como estas suas.
Parabéns mais uma vez

Flor do Cardo


De Dina a 18 de Setembro de 2007 às 02:30
Que memórias bonitas...
Engraçado como há coisas que guardamos na memória sem darmos por isso, ao ler este texto dei por mim a recordar como se a estivesse a ver, a imagem da Senhora de braço dado com o seu marido. Nem eu própria sabia que guardava essas memórias.
Beijinhos e desde já votos de um bom S. Mateus.


De Marcos de Passos a 18 de Setembro de 2007 às 11:35
Lindissima entrevista
Gosto de entrevistas que nos contem acontecimentos do passado, vividos por alguém que tenha o dom da palavras, que conte a vida desta forma especial.

Bem haja por ter memórias tão bonitas e saber contá-las desta forma lucida e brilhante.

Parabéns a maria josé Rijo por este blog que encanta quem passa.

Seu admirador

Marcos Passos


De Nuno Pires a 25 de Setembro de 2007 às 23:39
Olá!!
Já tinha passado por aqui outras vezes mas hoje resolvi deixar o meu comentário. Adorei o relato de um São Mateus de outros tempos, distante no tempo e na vivência, mas próximo na essência.
É enriquecedor lêr os seus textos.
Obrigado
Beijinhos


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@