Terça-feira, 2 de Outubro de 2007

Reminiscência – “A chocalhada”

A memória é que dá consistência ao que somos.”

“A memória é também uma forma de coragem.”

 

             São pensamentos destes que nos remetem para uma interioridade, uma procura de entendimento de nós próprios através das reminiscências que a nossa memória e a nossa sensibilidade guardaram e, dos ensinamentos e ilações que daí possam advir para a compreensão do mundo que nos rodeia.

             Muitas coisas a memória arquiva sem que, delas, na altura se absorvam por inteiro as intenções subjacentes

.                                 memoria.jpg

Arquiva mas, nem sempre a compreensão plena do que pareceu no momento apenas curioso, ou pitoresco, surge de imediato. A memória capta e guarda mesmo independentemente da nossa vontade, e, outras vezes recusa-se a trazer de volta o que lhe solicitamos.    

Lá naquela aldeia –“ lá “ – onde a aprendizagem, da vida, era toda empírica, porque o único saber, era de experiências feito, a critica social era exercida por um costume centenário -  “a chocalhada”

                     

Para que a vida se processasse dentro dos cânones estabelecidos como leis de bom viver e decência, naquela micro sociedade, onde todos sabiam tudo de todos, porque a coscuvilhice exercia uma rigorosa avaliação do dia a dia de toda a população era nas tabernas entre os homens e na “rubêra”( na lavagem de roupa) entre as mulheres que tudo era discutido.   Ali se deliberava quem procedia bem ou mal, quem merecia, ou não, uma boa “chocalhada”.

Rapariga que caísse na lábia do namorado (fosse enganada) e engravidasse, não sofria chocalhada desde que passasse a usar sempre um lenço a cobrir-lhe a cabeça e não aparecesse em publico, a não ser no trabalho, ou “na companha de quem a desflorou”, até que o casamento, que de pronto se impunha acontecer, sanasse a situação - mas sempre de olhos no chão.

                                                          

Quem não respeitasse os costumes, quem “nã górdasse decóres”- (guardasse decoro), já sabia que durante três noites consecutivas, teria um concerto de chocalhos, bater de latas e tudo mais que fosse susceptível de fazer ruído à sua porta para nunca esquecer, “pelo enxovalho”, que transgredira as “leis”.

Os adultérios eram lavados com sangue que o orgulho machista não concebia perdão nem tolerância ainda que com a consciência de, por vezes, baterem mais nas mulheres  do que o  malho na bigorna em casa de ferreiro. Aí, então, não raras vezes, morriam ou iam parar ao hospital, também, os que se propunham apartar as desavenças, á porta das tabernas, acirrados os rancores e os ódios pela demência das bebedeiras...

Vão passados mais de cinquenta anos. Só a memória guarda, como se guardam contos e lendas o que era a vivência desse passado distante nas aldeias perdidas entre olivais e montados nos confins da grandeza da planície alentejana.

Com o evento, em 1910, da implantação da República, quase todas as Igrejas, então, tinham sido vandalizadas e os padres que ao lado dos professores das escolas (quando as havia) ajudavam a lutar contra crendices e ignorância tinham sido banidos. Os limites “do bem pracer” eram mantidas por esses costumes ancestrais, injustos e cruéis, mais na forma do que na intenção, porque, as pessoas nunca eram excluídas da comunidade após o castigo, e subjacentes a ele estavam a escolha entre Bem e Mal e o respeito por conceitos de honra e por valores sagrados celebrados muitas vezes no seu belo e inconfundível canto, de que se serviam para abrir o coração e falar, sem pudor, de profundos sentimentos de amor que, por lhes parecer fraqueza – escondiam!

 

                    Oh, minha mãe, minha mãe –

                   Oh, minha mãe, minha amada!

                    Quem tem uma mãe tem tudo –

                   quem não tem mãe não tem nada!

                             

                    Eu sou devedor à terra –

                    a terra me está devendo!

                   A terra paga-me em vida –

                   eu pago à terra  morrendo!

 

            Leio os jornais, vejo os noticiários, e, por vezes parece, que uma grande, uma enorme “chocalhada,” vinha a calhar perante a irracionalidade de certos festejos que se vêem acontecer.

Uma chocalhada que só cessasse quando as pessoas acordassem para o sentido espiritual da Vida e fosse essa a festa a celebrar em cada dia.

                                           

                                    Maria José Rijo

@@@@@

Jornal linhas de Elvas

17-Março – 05 – Nº 2.805

Conversas Soltas

 

 
 
estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:37
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Dolores a 3 de Outubro de 2007 às 02:30
Minha Amiga
Gosto imenso de a ler, que vou eu fazer?
Vou lendo, vou-me deliciando... a cada exto é uma linda surpresa.
Muitos parabens por mais este docinho tão maravilhoso.
... Vou dormir, tou muito cansadinha...
Beijinhos
Sua amiga
DO LO RES


De Fernanda B. a 3 de Outubro de 2007 às 02:33
“memória é o que o passar dos anos não me deixou afogar. Memória é este cordão prateado que me mantém ligado às sombras do ventre de minha mãe. Memória está naquele rio, no qual perdi meu pai. E na terceira margem também.
Memória é o que não me deixa dormir às vezes, por me deixar pensativo demais. Outras vezes, durmo, simplesmente por me lembrar como.
Memória tá no cheiro da dama-da-noite. As duas que conheço. E na terra molhada de sangue por uma peleja que nunca vou esquecer.”

Beijinhos
Adorei este seu belo texto.
Com amizade

Fernanda B.


De Artur batista a 3 de Outubro de 2007 às 02:36
Estou Fascido.
Maria josé Rijo é uma Senhora que qando escreve abrange um leque imenso de assuntos onde revela uma inteligência imensa e cuja forma de escrita, molda a perfeição - o que lhe vai na alma.

É um prazer entrar neste mundo seu, onde as palavras são tratadas como gente.
A sua lucidez surpreende-me a cada artigo.
Adorei... nem tenho palavras para descrever o que sinto.

Bem haja
Amanhã cá voltarei

Artur Batista


De Dolores a 3 de Outubro de 2007 às 13:16
Vim ver de novo...
Já tinha saudades...

Tem sempre textos tão lindos.
Adoro andar por aqui, lendo ali... e comentando tudo...

muitos beijinhos
Até logo
Dolores


De eva a 3 de Outubro de 2007 às 20:38
Eu é que lhe agradeço, não apenas os seus textos como as suas palavras.
Foi um privilégio poder "blogar" um texto seu.
Muito obrigada!


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@