Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007

REZAS E BENZEDURAS II

             Está fora de dúvida que o nosso tempo carece de ser benzido e exorcizado.

           Se já se viu um Maio com tanto azedume depois de um Inverno que se banqueteou com sol como num solstício de Verão!

          Que muita coisa anda a pedir chuva - também é verdade! - Porém, este descontrole passa das marcas.

           Se é que para o tempo há marcas!

           Há um nadinha tudo estremeceu com uns trovões inesperados, ameaçando-nos com uma tempestade a preceito.

           Não apareceu, afinal, perdeu-se lá por longe, graças a Deus.

           Mas, enfim! - Trovoadas, nesta época, de quando em vez não espantam ninguém.

           Toda a gente conta com os desvarios de Maio, e não há Maio sem trovões.

           As trovoadas de Maio são dos livros.

           Maio tem o condão dos dias belos como as rosas e das horas cinzentas que causam arrepios.

           Cor de cinza - é cor de tristeza.

           É o que resta na terra depois da terrível beleza do fogo.

           De cinza se pinta “o astro” quando a luz do sol se encobre.

           Cinza é o que resta de tudo que já foi.

           Afeitos, como todos estamos às variações do tempo, às vezes, só as trovoadas, que nos fazem encostar o rosto às vidraças das janelas fechadas escutando a chuva grossa e ruidosa ou o granizo-pérolas efémeras que a água forma - nos soltam  da memória de velhas orações que nos  esvoaça m na lembrança como nuvens, a correr ligeiras, pelos céus.

                                  (Desenhos de Manuel Jesus )

Foi assim agora:

                         São Jerónimo se levantou

                         Seu divino pé direito calçou

                         Seu bordanito apanhou

                         Ao caminho se deitou

                         A Virgem Nossa Senhora - encontrou.

                         Ela lhe perguntou:

                         Onde vais Jerónimo?

                         Vou espalhar a trovoada

                         Espalha-a por lá bem espalhada

                         Onde não haja pão, nem vinho

                         Nem pé de rosmaninho

                         Nem mulher com menino

                         Nem vaca com bezerrinho

                         Nem toque de sino

                         Nem galo a cantar

                         Nem pedra de sal

                         Nem ramo de Oliveira

                         Nem nada a que possa fazer mal!

             Assim rezava em voz alta minha Avó em coro com minha tia mais velha - frente ao oratório iluminada  pelos pequenos clarões bruxeleantes das lamparinas de azeite  que , noite e dia alumiavam as imagens dos santos das suas devoções.

                 Na circunstância apenas se acrescentava ao ritual a fumacinha que exalava da queima do alecrim bento do domingo de ramos e guardado para tais eventos.

                A Rapariga que fazia os mandados lá para casa hirta de pavor, acolitava o culto papagueando atabalhoadamente:

São Jerônimo

                                           Sã Jarólmo  s ‘ alevantou

                                           Sê devino pé derêto calçou

                                           Sê bordanito apanhou

                                           Ó  caminho se détou

                                           A Virgem Nossa Senhora encontrou

                                           Ela lhe précurou:

                                           Onde vás Jarólmo?

                                           Vou estrambalhar a travoada

                                           Estrambalhá por lá bem estrambalhada

                                            e por aí fora, etc.etc...

                É por certo a esta curiosa versão da reza, onde a fé era inequivoca, que eu devo a memorização de uma cena tantas vezes presenciada.

              Minha mãe, com a obrigação, sempre assumida, de não nos deixar contagiar por exageros de medos - chamava:

              Venham cá!

               E, fazia-nos repetir com ela, calma e serenamente:

                                            Santa Bárbara bendita

                                            Que no céu está escrita

                                            E na terra assinalada

                                            Com papel e água benta

                                            Quantos anjos há no céu

                                            Acompanhem nossas almas

                                            Espalhem esta tormenta

          Depois, sorrindo, perfeitamente segura de si, acrescentava: - isto já passa - vão brincar - ou, pedia-nos qualquer pequena  ajuda que nos distraisse.

           Então, se meu Pai aparecia, tirava do bolso do colete, o relógio e propunha-nos controlar o espaço que mediava entre o relâmpago e o trovão.

           Tomando em conta as velocidades da luz e do som ensinava-nos a fazer as contas e tornava-se um jogo calcular a diatância a que pairava a tempestade.

            Dos campos em redor chegava o eco do canto dos trabalhadores que regressavam a casa à pressa entoando o “Bendito e Louvado”.

           Alheio a tudo, o nosso gato dormia regalado na almofada da sua cadeira. Se lhe calhava acordar com o ribombar forte de algum trovão mais violento-passado o susto, bocejava, esperguiçava-se e lá ia silencioso procurar conforto na “sua mesa” sempre posta.

           Num quarto, às escuras, com a cabeça debaixo dos cobertores, rezando terços alucinadamente, minha tia mais nova sucumbia aos seus terrores.

          Entretanto - como agora - a claridade vencia.

          Paravam as chuvadas loucas.

               O sol irrompendo glorioso, irisava a humidade do ar pondo belos arco-íris, como bandoletes gigantes, no céu.

               O ar cheirava a lavado.

               Aqui e ali pingavam árvores, beirais.

               As crianças soltavam-se a correr para a rua.

               Chapinhavam com os pés nas poças de água.

              Riam pelo gosto de rir e lá iam repetindo as suas inocentes cantilenas:

                    “Olha o arco-da-velha!”

                    “Olha o arco-da-velha!

                    A chover e a fazer sol

                    Estão as bruxas a comer pão mole!”

               E, eu, sem o saber, arquivava recordações que, agora, de vez em quando vou deixando aflorar...

 

                                             Maria José Rijo        

 

@@@@@@@@

 Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.407- 20-Junho-1997  

Conversas Soltas

@@@@@@@@

Livro Publicado  pelo Jornal Linhas de Elvas

Novembro de 2000

O livro pode ser adquirido na redacção do Jornal linhas

                         

         

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:28
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De DOLORES a 17 de Outubro de 2007 às 23:50
LINDA !!
ADOREI!!
Não conhecia a sua oração, mas escrevo-lhe aqui a
que eu conheço.
---

Ó Deus, criador do universo, que vos revelastes aos homens, através dos séculos, pela Sagrada Escritura, e levastes o vosso servo São Jerônimo a dedicar a sua vida ao estudo e à meditação da Bíblia, dai-me a graça de compreender com clareza a vossa palavra quando leio a Bíblia. São Jerônimo, iluminai e esclarecei a todos os adeptos das seitas evangélicas para que eles compreendam as Escrituras, e se dêem conta de que contradizem a religião católica e a própria Bíblia,porque eles se baseiam em princípios pagãos e supersticiosos. São Jerônimo, ajudai-nos a considerar o ensinamento que nos vem da Bíblia acima de qualquer outra doutrina, já que é a palavra e o ensinamento do próprio Deus. Fazei que todos os homens aceitem e sigam a orientação do nosso Pai comum expressa nas Sagradas Escrituras. Amém.

--
Muitos beijinhos
ADOREI mas ( e as fotografiazitas - nem uma?)
Beizinhos
DOLORES


De Gustavo Frederich a 18 de Outubro de 2007 às 01:16
Ó Santa Bárbara, que sois mais forte que as torres das fortalezas e a violência dos furacões, fazei com que os raios não me atinjam, os trovões não me assustem e o troar dos canhões não me abalem a coragem e a bravura. Ficai sempre a meu lado para que eu possa enfrentar, de fronte erguida e rosto sereno, todas as tempestades e batalhas de minha vida: (fazer o pedido) para que, vencedor de todas as lutas, com a consciência do dever cumprido, possa agradecer a vós, minha protetora e render Graças à Deus, criador do céu, da Terra, da Natureza; este Deus que tem poder de dominar o furor das tempestades e abrandar a crueldade das guerras. Amém. Santa Bárbara, rogai por nós.

Rezar 3 Pai Nossos, 3 Ave Marias e 3 Glórias ao Pai.
#######
Esta oração é para abrandar as forças dos inimigos

Santa Barbara, lei divina,
pela lei tão estimada, desde a
hora em que nasceu, que por Deus
foi esposada. Teu pai como gentil sonhava e dizia que Bárbara era
Santa e ao céu subia.
Mandou fazer um ermo,
onde não entrasse o sol nema a lua,
nem a claridade nenhuma.
No fim de sete anos pai foi visitar. “De quem sois, Bárbara, esposada?”
“de Jesus, pai de minha alma”.

Ela marchou, quis degolá-la;
ela não quis consentir;
desceu um anjo do céu e disse:
“consente, Bárbara, consente.
Que tu aos céus subirás em festa,
e o fogo, inimigos e o relâmpago, tudo vós abrandareis”.

#####
###

Gostei imenso do seu texto.
Como sempre ADOREI.
Deixo-lhe aqui as orações sobre a Santa
Barbara - que minha avó me encinou, quando
criança.

O seu blog é um encanto.
Parabéns

Gustavo Frederich






De leoneljoao a 18 de Outubro de 2007 às 12:21
Dª Maria Jose
mais uma vez obrigado por me fazer recordar com as suas palavras a minha infancia em que ouvia á minha avó Delfina as mesmas orações das trovoadas
Leonel


De Manuel Pinto a 18 de Outubro de 2007 às 21:12
Estou deliciado com o seu blog.
A sua forma de escrever vai além do normal dos blogs que por aqui se encontra.
Eu fui professor universitário e agora na reforma passo muito tempo por aqui, pela internet.
Procuro em especial blogs cujo português seja legitimo, lusiada de alma e coração.
Encontrei finalmente o seu blog. Fico deliciado pela
forma como brinca com as palavras.
A Senhora consegue faze-las render e brilhar muito mais, do que elas próprias conseguiram transmitir.

Gosto imenso dos temas que escolhe para opinar.
Gosto do seu descernimento, da sua lucidez, da sua
parte politica - sim também encontrei aqui alguns
textos - e muito bons. Nota-se que possui uma inteligencia aguçada e uma sensibilidade imensa.

Parabéns.
Pelo blog e por tudo o que ele contem.
Não deixe de escrever e devo contar-lhe que
sou também um enamorado da palavra.

Bem haja
Até breve

Com admiração

Manuel Pinto


De Anónimo a 24 de Abril de 2009 às 11:55
Santa Bárbara bendita
Que no céu está escrita
Espalhe esta tormenta
Onde não haj'eira nem beira
Nem ramo de oliveira


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@