Sexta-feira, 19 de Outubro de 2007

REZAS E BENZEDURAS IV

                    De um local chamado “o alto das covas”, na Ilha Terceira, em Angra do Heroismo, avista-se a Ilha de S. Jorge. Tal como os outros pontos da mesma ilha Terceira se avista além de S. Jorge, a Ilha Graciosa.

                    Que a alegria de uma ilha é, dela, avistar-se outra ilha – dizem os naturais insulanos.

                     Porém, só reconhece a profunda sabedoria que o “dito” encerra quem, aportando ao arquipélago experimente dar uma destas voltinhas, com destinos de acaso, a que uma noite de luar ou um dia ameno nos costuma tentar.

                     É que, então descobre como é verdadeira a definição de ilha, que, ainda criança, decorou na escola.

                     Ilha: é uma porção de terra cercada de água por todos os lados.

                     Aprende que, vá para onde for, volta e meia; meia volta, encontra o mar e, por mais que alongue o olhar ele só encontra na imensidade azul que nos envolve - mar e céu - como constantes sem fim.

                     Conforta-se então a pensar que as nove ilhas constituem com que uma família que de longe se avistam entre si. E, assim de umas avistando outras quebra-se dentro de nós a estranha sensação de nostalgia que o irremediável isolamento cria. Apontar: ali está outra, já é ter companhia, embora o mar continue a ser o fiel guardião que nos tolhe o passo.

                    Compreende-se também, mais e melhor, o que é um barco - pequeno ou grande ! - Não importa.

                    Um barco é sempre um aliado do sonho.                                      

                    Uma porta aberta para a aventura.

                    Entende-se a nervosa alegria, a expectativa, com que se aguardava a chegada a Angra, ao Cais das Pipas, do pequeno vapor que quinzenalmente chegava, vindo de S. Jorge.

                      Até eu, estranha a estes hábitos, aprendi a viver a gostosa emoção de o ver

chegar.

                      Subia ao mirante da nossa casa e ficava tempo e tempo a observar aquele pontinho minusculo, perdido no horizonte entre mar e céu, crescer, crescer, até se mostrar como o mensageiro deligente que apitava contente, antes de ancorar.

                      Era ele que trazia as encomendas dos panos de linho de tear que uma velha Senhora em S. Jorge, lá para os lados das Fajãs ainda tecia, e o queijo picante (artesanal) e outras preciosidades mais...

                      Todos nós, somos um pouco, também, uma espécie de cais de onde sonho se solta e onde retorna e atraca, de novo, vitorioso ou desfeito.

                      Um barco, mesmo antiquado, continua a ser um forte esteio para a imagem da aventura.

                      Um ponto de partida para as rotas que soubermos imaginar.

                      Inter - ilhas, as famílias e os amigos visitavam-se, por festas, acontecimentos sociais  ... Como aqui no continente inter-cidades.

                      Aqui leva-nos o carro, o comboio.

                      Nos Açores, hoje, é o avião que “vorazmente” consome as distâncias que o mar nem sempre permitia transpor.

                                      (( Desenho de Manuel Jesus )) 

                 De Angra a S. Miguel fomos às Festas do Senhor Santo Cristo numa certa Primavera.

                      Esperavam-nos elvenses amigos, que, como nós, residiam temporariamente nos Açores.

                      Juntamos às festas da cidade a nossa festa de alentejanos elvenses que se abraçavam saudosos de evocar um passado de amizade que nos unia.

                      Na hora da despedida ao beijar a Senhora Dona Joaquina Abreu – mãe da nossa anfitriã – com um doce sorriso no seu lindo rosto - cheiroso de pó de arroz (à moda antiga, como também ainda usa minha Mãe) disse-me carinhosa a excelentíssima Senhora:

             “ Deixe que a response como sempre faço aos meus filhos” e rezou alto:

                Eu te responso

                Com as armas de Cristo andes armado

                Com o leite da Virgem, andes borrifado,

                O sangue de Cristo tragas no teu corpo

                Não hás-de ser ferido nem morto

                Nem mal tratado, nem mordido de bicho

                Nem de cão danado.

                Por caminhos e estradas andarás

                os maus nunca os verás

                E os bons encontrarás

                Responso-te a Santo António e a S.Francisco

                E às cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo

                                                            Amém

 

                Comovidamente beijei-lhe as mãos e pedi-lhe que me deixasse escrever tão bela oração.

                Prontamente, sua neta mais nova, a Isabelinha, me deu uma folhinha de caderno onde fiz o apontamento que ainda conservo – impresso na margem lê-se. Liceu Antero de Quental.

                Recordo este acontecimento, aliando-lhe a lembrança de dois poemas:

                “ A Rua de S. Francisco” - onde esta Senhora viveu e criou seus filhos - que deu o nome a um poema de Casimiro de Abreu e, um outro, de  seu filho Álvaro cantando Elvas. Cidade que ele invoca como:

               “Minha dama doutros tempos

                 minha linda dama antiga”

                E, sempre esta imagem se ajusta à memória que guardo da linda Senhora ao fixar-me com seus olhos de cor céu e mar a rezar por mim a sua oração de mãe.

                Dir-se-ia que foi a agorinha mesmo.

                Mas... era o ano de 1979 e, ao passado não se volta.

                Ele anda connosco.

      

                                                      Maria José Rijo  

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.412 – 25 – Julho-1997

@@@@@@

Livro Publicado em Novembro de 2000

através do Jornal Linhas de Elvas.

Para conseguir ter o seu exemplar deve contactar o

Jornal Linhas de Elvas

estou:

publicado por Maria José Rijo às 20:44
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De Dina a 20 de Outubro de 2007 às 00:26
Todos estes textos conheço-os porque sou das felizardas que têm este livro.
Seria interessante pegra noutros textos e editar um novo livro...já pensou nisso?
Beijinhos!


De DOLORES a 20 de Outubro de 2007 às 00:58
LINDO.
Como é possivel que cada texto seja mais belo que o anterior.

Sabe , D. Maria José Rijo - começo a ficar com um pouco de inveja da Paula...

Também eu queria ser sua sobrinha. De verdade que queria, a Senhora é um SER de Luz.

Posso ser sua sobrinha virtual?
Posso?
Será que posso ?

Bom... eu já me sinto contente por poder ter acesso
ao seu blog e poder todas as noites ler um pouco
do seu mundo, das suas emoções...

Bem haja Tia e sobrinha por esta minha alegria
de todos os dias.

Beizinhos

DOLORES


De Gustavo Frederich a 20 de Outubro de 2007 às 01:05
Olá.
Antes de ir dormir vim ler o texto de esta noite.
Surpreendentemente belo.
Gosto da forma como se dá ao mundo das palavras,
como se abre como uma flor à ternura de se
expressar.
----
Responsos
Os responsos são mais curtos que os hinos. São cantados nos vários momentos do culto, quando se requer uma resposta a Deus, por parte de todo o povo, em conjunto. Os responsos pertencem à congregação, podendo ser reforçados pelo coro; entretanto, jamais devem ser cantados somente pelo coro. A congregação deve aprender os responsos e cantá-los de cor com todo o fervor e fé que a oração exige. O “Amém” sempre pertence ao povo.
---

Este era o responso de minha Bizavó Luzia:

Bendito Santo António
Se buscas milagres,
Mortos, culpas e penas
Erre o demónio
António fugento, remediado
Em toda a doença
Solto de prisão
Libre de tormentos
E o padre assim o confesse.

----

Com muita amizade
(se me permite)
Um beijinho de Boa-noite

Gustavo Frederich


De Artur batista a 20 de Outubro de 2007 às 01:15
PERFEITO
LINDO
Textos com alma, textos de gente com muito
CORAÇÂO.

Maria José Rijo tem a paixão pela escrita.
E cada um destes textos é mais uma prova
palpavel das minhas palavras.

Com muita admiração

Artur Batista


De Fernanda B. a 20 de Outubro de 2007 às 22:36
LINDO.
As Rezas e Benzeduras são um espanto, uma
autentica maravilha.
A Senhora é mesma especial.
Este Blog é uma delicia.

Vou-lhe dizer o responso de Santo Antonio que
minha mãe me ensinou
Quando se perde alguma coisa reza-se o responso se Stº António e o que se perdeu aparece. Ó meu Padre Stº AntónioPor o monte andastesO vosso livrinho vós perdestesEm volta dele vós voltastesEncontrastes a Nossa SenhoraE ela de Disse:- Volta atrás o teu livrinhoEncontrarás e pedirás três coisasO vivo guardadoO perdido achadoE o esquecido lembrado Reza-se três vezes seguidas de três Pai Nossos e três Avé Marias

Muitos beijinhos
Nanda B.


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@