Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007

REZAS E BENZEDURAS VIII

O Ti Carrapiço era o maioral das vacas.

Não sabia ler nem escrever, mas com uma técnica da sua autoria por meio de risquinhos conseguia dar conta da história toda da manada.

Sabia os dias e os meses em que cada vaca parira, os preços que cada cria rendera e, portanto, era impossível não saber com segurança o rendimento que cada vaca dava.

Aliás, cada bicho tinha um nome, era a malhada, a estrelinha, a pimpona, a cotovia, a salpicada, etc, etc. 

Chamava-as pelos nomes e movia-se entre elas falando com tal à-vontade que parecia esperar que lhe respondessem.  

Pessoalmente nunca me cansava de apreciar aquelas cenas e sempre ficava convencida que havia um secreto entendimento entre eles, tanto mais, que os animais obedeciam a todas as ordens que o velhote lhes dava ainda que o fizesse num tom quase sussurrado. 

O outro comparsa destas andanças era o cão. Era um Serra d’Aires magrito, de olhinhos vivos e atentos que respondia por: Chito.

Bem! - Nem sei contar!

É que, se com as vacas já era um entendimento surpreendente, com o cão era autentica telepatia. Ti Carrapiço, mal acabava de cortar com a sua navalha de folha reluzente o resto da «linguriça» que mastigava com visível deleite com a última dentada de pão – logo se preparava para deixar o assento. 

Qualquer «padragulho» ou tronco de árvore caído servia de instalação para merendar repartindo com o Chito.

Era o maioral a fechar a navalha e o cão a por-se de pé antes do dono, mas sempre a olha-lo de olhos fitos e orelhas afiladas.

Então, pensando alto, o velhote dizia: -“ a gente agora podíamos ir dirêtos ós pocinhos mas nã vamos, tá bem de veri que vamos ó rés da estrada velha.”

O cão disparava numa corrida para cumprir o desejo do homem.

Verdade, verdade, que Ti Carrapiço nunca dizia: “o mê cão” – dizia sempre: ê cá, trabalho com o mê ajuda, ou com o mê companhêro.

E, porque assim era, porque tinha ajuda, ia sempre arranjando tempo para fazer umas “porquerinhas”em pau de buxo...

É que usando aquela navalha luzidia que ele afiava no couro das grossas botas de atanado quer fosse antes de começar as refeições, quer fosse antes de iniciar as suas obras de arte: - marcadores de pão, cadeirinhas minúsculas para pendurar ao ombro como corrediças de linha; que mulher, filhas e até já a neta, eram peritas em fazer meia de cinco agulhas... as suas mãos, tinham o condão de falar da sua alma.

A mulher, a Ti Estrudes, até já lhes deixara para elas essa arte que, para ser perfeita, precisava de “boa vista” - coisa que já lhe faltava.

Ensinara-lhes os pontos, os segredos de armar os calcanhares e as biqueíras para que os “mates” fizessem lindos feitios em vez de “ catramolhos “.

Para si própria guardara a recolha das ervas para as “fevres e fastios” e as benzeduras.

“Nove cabecinhas de macela postas de molho de véspera – e beber essa água em jajum – amarga mas cura e o que aperta é que segura.”

“A folha do rilha-boi, tem a gente sempre em casa num frasquinho dentro de azeite virgem. A gente queima-se bersunta-se com uma pena de galinha e alivia.

 A raiz da abrótea é o melhor que há p´rás empinges.”

 “A gente parte-as, espreme aquele charume amarelo e esfrega-se.”

São três dias.

P’rós males de feridas arejadas nada se chega ao chá das malvas! - Isso atão é bom p’ra tudo, até se bebe.

É remédio santo!

Até p’ra quistéles – desenvolve os entestinos.

Ele é p’ra bortoejas, pegamaço d’olhos, mal de pele, – dum tudo! 

Só p’ras almorroidas é que é melhor a alfavaca - p’ros banhos de assento - de restos p’ra mais nada , - veja lá!

P’ras pontadas nas costas esfricções e copos de ventosa; p’ras dores de cólicas: - chazes.

P’ras dores no pêto e tossera enxúndias de galinha em papel pardo bem quente.

E depois de prontamente dar estas lições de sabedoria popular herdada, sem esperar pagamento pelas consultas, lá ia benzer qualquer comadre atacada de cobro.

                                (desenhos de Manuel Jesus)

Pegando numa faca e fazendo cruzes sobre a zona doente dizia com convicção:

                                           “ Eu te corto cobro

                                             A cabeça e o rabo todo

                                             Para secares e não rebentares

                                             E daqui não passares”

Três vezes repetia o exorcismo que completava rezando um Padre-nosso e uma Avé Maria.

A seguir metendo num bolso um punhadinho de trigo tremês levava a paciente até ao ferreiro mais próximo. Aí, sobre a chapa com um ferro em brasa o ferrador esmagava o trigo. Com o óleo obtido enegrecido com a fuligem da forja mascarrava-se de negro toda aquela borbulhagem miudinha.

O óleo de trigo ao fim de três dias tinha feito o milagre, mas a aureola coroava a cabeça da ti Estrudes que, também três dias seguidos fizeram brilhar a sua navalha num bailado em cruz sobre as mazelas da crédula paciente.

                                           

 

                                                                    Maria José Rijo

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.428 – 21 – Nov. - 1997

@@@@@

Este livro foi Publicado em Novembro de 2000

Caso esteja interessado em adquirir um volume

de Rezas e Benzeduras deve contactar o Jornal Linhas de Elvas

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:22
| comentar | Favorito
partilhar
4 comentários:
De Dolores Maria a 26 de Outubro de 2007 às 00:39
Interessantissimo!
Adoro os seus textos, a forma como conta
todas estas coisas...
As rezas e benzeduras são magníficas, tão
verdadeiras, tão sensiveis... gosto imenso
do seu blog.

Só agora aqui consegui chegar... mas adorei
já sabia que era uma reza ( dia Sim - dia Não...)
Amanhã que será?

Cá estarei para saber.
Muitos beizinhos
e até amanhã
Boa noiteeeeeeeeeeeeeeeee

DO LO R ES


De João Mateus a 26 de Outubro de 2007 às 21:34
Adoro as suas rezas e Benzeduras.
Trazem-me à lembrança o passado...
a minha meninice.

Parabéns
O Blog é bastante interessante
e actualissimo.

João Mateus


De Gustavo Frederich a 26 de Outubro de 2007 às 21:44
Perfeito!
Especial!
Dá imenso prazer ler as suas crónicas.
Gosto da forma como conta a simplicidade
da vida, como transmite o que foi captando
e aprendendo ao longo da sua vida.
Acho que é essa forma especial de escrever
com quem fala usando um discurso formidável.

Pelos textos depreendo que deve ser uma
pessoa fantástica com uma capacidade
incrivel para captar e transmitir vida através das
palavras.
Por vezes penso ( neste blog - pelos ensinamentos
que me transmite) que a sua sobrinha Paula
é uma priviligiada em poder privar com uma
tia tão fantástica.

Bem haja ás duas (tia e sobrinha) que me
deixam sentir a beleza deste blog.

Com admiração
G. Frederich


De lauraavieira@gmail.com a 4 de Agosto de 2014 às 16:02
Obrigada por transmitir duma forma muito nobre a vivência dos nossos antepassados.
Adorei, beijinhos


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

. A Feira de São Mateus 201...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@