Sábado, 27 de Outubro de 2007

Rezas e Benzeduras IX

Pedi a Maria Isabel de Mendonça Soares, essa Mulher com letra grande do nosso mundo da cultura, – cuja obra, especialmente dedicada aos jovens – é por demais conhecida quer pela publicação de livros, quer por conferencias, quer pela preciosa colaboração com artigos de opinião em jornais e revistas, e outras acções de mérito a que tem dedicado toda a sua vida de docente - pedi - a essa querida amiga que me falasse sobre esta série de: rezas e benzeduras.   

           Então ela a certo passo da sua resposta, escreveu assim:

          “ Que teria sido feito dos romances populares da tradição oral, se Garrett, lembrando-se de que os ouvira da boca das criadas velhas na sua infância, lhes não tivesse «deitado mão» e dado à estampa? Por isso não desista.

           Não sei se estas que refere são exclusivamente da terra Alentejana.

           Se assim não for, permita-me mais uma achega que aprendi em pequena com a minha avó:

                                      ( Desenhos de Manuel Jesus)

          Quando nos queixávamos de ter um pé dormente, o que acontecia quando, sentadas no chão a brincar, dobrávamos uma perna, a avó aconselhava que nos puséssemos de pé, e esticando-nos fizéssemos uma cruz no peito do pé, com o dedo molhado em cuspo, dizendo ao mesmo tempo e repetidas vezes:

             Desadormenta-te pé

             Que lá vem o lobo Mé

             Que te há-de querer comer

             E tu não podes correr.

             Remédio santo! Resultava sempre; e ainda hoje resulta quando a rir o faço.

             Hoje penso que o «remédio» provém certamente da extensão muscular que permite ao nervo retomar a sua posição correcta.

             Não sei a origem desta «reza», tanto mais que minha avó era nada e criada em Lisboa, só tendo ido morar para Pernes depois de casada, e aí nunca ouvi menção de semelhante prática.”

            - Escusei-me logicamente a substituir por discurso meu as palavras de Maria Isabel de Mendonça Soares escritas ao correr da pena, numa carta particular, onde o estilo bonito da sua prosa sempre escorreita, ressalta tão limpo que me pareceu aceitável esta pequena traição!

 

             Penso, que, como eu, muita gente ainda se lembrará daquelas tardes imensas em que sentadas no chão, acomodadas em circulo - quando eramos crianças -  jogávamos ás cinco pedrinhas ,até ter as pernas dormentes .

             Jogar os jancros dizia-se no Algarve.

             Calhauzinhos escolhidos, pequenos como ovos de passarinhos.Recolhidos à beira do mar ou à beira rio, ou em passeios ao campo no leito das ribeiras pluviais que o Inverno cria e o Verão, sedento bebe...

              Atiravam-se ao ar, um a um, recolhiam-se com a palma ou com as costas das

mãos, ou, também com suaves toques faziam-se deslizar sob um arquinho  que se criava apoiando o indicador e o polegar da mão esquerda no chão enquanto com a direita se

movimentavam as pedras uma  a uma aproveitando o curto espaço de tempo em que subia no ar a que antes se lançava para que as outras preparadas em fileira fossem passando a ponte como a destreza do jogo mandava .    

                      Histórias que já fazem história

                      Histórias desta cadeia sem fim onde as nossas mãos só valem se abertas para dar o que de outras receberam...

  

 

                                                  Maria José Rijo

@@@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.437 – 23 – Jan. – 1998

@@@@@

Este Livro de Rezas e Benzeduras foi editado

em Novembro de 2000

Se estiver interessado em adquirir um volume

terá de contactar o Jornal Linhas de Elvas

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:29
| comentar | Favorito
partilhar
5 comentários:
De DOLORES a 28 de Outubro de 2007 às 00:50
Também é amiga da escritora Maria Isabel
de mendonça Soares?
Desculpe a bisbilhotice mas como se conheceram?
Duas escritoras fabulosas amigas e eu gosto
IMENSO de ambas.
Até estou emocionada.

esta sua Reza e Benzedura é uma ternura.
Gostei muito. É bastante interessante.
Tudo neste blog é lindo mas eu ainda estou a
espera de qualquer coisa de gastronomia
que estava prometido.
(desculpe ser eu tão chata - mas este blog
e a escritora dele fascina-me.)
Fico a espera com muita alegria.

Agora vou dormir que amanhã vou passear
com uns tios que vieram da França.
Mil beijinhos
Até amanhã

Sua admiradora

DO LO RES


De Alberto Mateus a 28 de Outubro de 2007 às 00:56
Este artigo - que fazem parte deste seu livro
de Rezas e Benzeduras - é uma autentica
maravilha.
Como é que publicou apenas nessa cidade
escondida - e não o deu a conhecer na grande
Lisboa?
Pelo que tenho visto publicado é mesmo muito
BOM.

Os meus Parabéns pela qualidade da escrita
e pelas excelentes memórias e ainda pela
forma que transmite.
Maria José Rijo não só redige bem
como sabe contar - falando-nos ao coração
ás nossas próprias vivências e recordações.

Parabéns pelo Blog. é mesmo Bom.

Seu admirador

A.M.


De Gabriel Vasco de Lima a 28 de Outubro de 2007 às 13:39
Muito interessante este conjunto de rezas
e benzeduras.
Muito significativo - Duas grandes escritoras
juntas.
Maria José Rijo e Maria Isabel de Mendonça Soares
duas Divas com escrita poderosa.
Parabéns a ambas e em especial para si
que tem aqui neste blog
textos magnificos.

Com um abraço
Gabriel Lima


De Horácio Gomes a 28 de Outubro de 2007 às 17:48
Minha Senhora este seu texto
é uma maravilha além de um
óptimo conteúdo temos duas
escritoras incríveis.
Acho piada a amizade entre escritoras.

Felicidades

Horácio Gomes


De DOLORES a 28 de Outubro de 2007 às 20:02
Olá
Estava ansiosa e agora que passei frente ao
PC não resisti e ei-me aqui para saciar a minha
alegria pelo novo texto.
Sou como uma criança que espera gulosamente
pela novidade ( no meu caso do texto).

Adorei como não poderia deixar de ser.
O meu marido também gostou e disse ser um texto
perfeito.

Muitos beijinhos e até amanhã
(( em dia de nova reza e benzeduras))
Que será???

Beizinhos

DO LO RES


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Parabéns Luciano

. CONVITE

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. CRIANÇA - 1990

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@