Domingo, 4 de Novembro de 2007

Rezas e benzeduras XIII

   

“As linhas torcidas”

 

         A senhora Isauraa Ti Isarua – como era conhecida no monte e nas redondezas era especialista em benzeduras.

            Viera numa leva de ceifeiros na força dum Verão ainda mais inclemente do que era habitual. Chegou com o bando dos “ratinhos” e foi ficando...ficando..., agora por isto, logo por aquilo, que ela era pau para toda a obra, e, às tantas, a bem dizer, já fazia parte da mobília! --       Ti Isarua faz a boia, - Ti Isarua vá lá aparar o bezerrinho, que o raio da vaca está com’á galinha pedrês – tem o ovo atravessado! -ti Isarua mate lá um frango, – Ti Isarua vá lá entreter as crianças...para tudo a Ti Isarua tinha préstimo.

            Ti Isarua tem que cuidar do amojo da cabra malhada que na certa foi mamada por cobra, está luzindo de inchaço... e, assim por aí adiante!     

Porem onde o seu saber tinha cátedra era no conserto de ossos fora do sítio, espinhelas caídas, entorces e outras maleitas afins.

            Quase sempre à tardinha, se era no Verão, ou antes do almoço, se era no tempo dos dias pequenos, apareciam os mitigantes da sua sabedoria

Ti Isaura era ossuda, fortalhaça, pouco ou nada devia à formosura, mas tinha um jeito doce que agradava, era paciente com as lamúrias dos queixosos e tinha aquela habilidade de mãos que seduzia e sabia confortar.

Era solicitada com frequência para trabalhos fora, e por vezes, levava por lá dias e dias até voltar.

Então cochichava-se à boca pequena, isto e mais aquilo, -envenções como ela dizia, dessas malucas que nem sabem prantar um jantar ao lume!

Tá-se memo a ver que nem les respondo e acabou-se! Isso era o qu’elas queriam! Logo se calam! - Toda a conversa òs três dias esmorece.

E, assim, com estes despachos, encerrava o seu expediente.

Naquela tarde chegou uma cliente ainda nova empurrando à sua frente de escantilhão “de tabefe em tabefe “um rapazito que lamuriava sem cessar.

O que é isso mulher? - Largue o garoto e diga lá o que aconteceu, interveio conciliadora a ti Isaura que já havia sido avisada da necessidade de abrir a “consulta”        Ora o que havera de ser! Voceia já sabe como são-nos moços; por mais qu’a gente diga. Pranta-te quedo! - Pranta-te quedo! Nã senhora, colam por cima dos tarrões e ospois vá de esmurrar as ventas e trocer as linhas.

Dexi-o a tomar conta das manas; qu’é fui fazeri uns mandados por mor de ganhar umas molhaduras e quando volti tinha desapracido e déchou as mocinhas fechadas à chave. Voceia já viu o cabrão do gaiato? - Já viu? - Isto só partindo-le os cornos e ospois ainda me volta desasado!

Já s’ontro dia se nã chego à justa matava -me a ermã mais pequena. Atão nã le ia dar o lete na almintolia do pitrole?

Já viu o que m’havia de cabedari? - Já viu?

            Só a mim è que me cabeda esta sina...

Oh, moçada dum cabrão- com sua alicença - nem com uma calda de porrada de manhêm e outra à noite a gente os assocegava !

Entretanto mãe e filho carpiam as suas lástimas a Ti Isarua tirava da panela de ferro que se eternizava ao rés do lume uma pucarada de água fervente e dobrava-lhe sobre a boca uma toalha turca.

Sobre o pano humedecido com o vapor de água quente ajeitaram o cotovelo do rapazinho que imediatamente o retirou rezingando: está quente, porra!

Habituada a tal léxico Ti Isarua continuava, sem esmorecer, as suas funções

Sob a ameaça de mais algumas “orelhadas”o franganote magoado e ofendido acabou por acatar as recomendações e colaborar.

Quando eu precurar: o que é que ê coso tu dás de resposta: carne quebrada e nervo torto. Nã te esqueças mod’a reza dar certa qu’ê cá precuro tres vezes.

 Então assumindo uns ares de seriedade de quem estivesse investida em poderes secretos começava, a Ti Isarua, depois de ter esfregado a região doente com azeite, a coser e recoser com uma agulha desenfiada num novelo de linhas e a recitar a milagrosa benzedura:

                             (Desenhos de Manuel Jesus)

Coso!

O que é que eu coso?

            Vinha a resposta: - carne quebrada e nervo torto

            Isso mesmo é que eu coso

            Carne quebrada volte ao seu lugar

            Nervo torto volte ao seu posto

            Melhor cose a Virgem que eu coso

            Que eu coso pela carne

            E a Virgem cose pelo osso

            Em louvor de Deus e da Virgem Maria

            Padre-nosso e Avé – Maria

 

           O rapazote, a fungar, esfregava o nariz na manga do braço são, para enxugar o pingo e as lágrimas mas submetia-se com docilidade.

            Voltando a friccionar o cotovelo, – que na circunstância já estava vermelho como um pimento, – outra vez com azeite, terminava o tratamento que se repetiria três dias seguidos e sempre seria acompanhado da mesma recomendação: - agora agasalha bem o cotovelo p’ra não constipares o braço não seja o caso de ainda por cima apanhares erisipela!

            Depois com uma palmadinha amigável, discretamente, a Ti Isarua meteu uma guloseima no bolso do rapazinho que, finalmente, mostrou um sorriso aberto de criança.

            Respondendo: - não é nada! Deixe-se lá dessas coisas...à inquietação da consolente, Ti Isarua ficou encostada à parede do “monte” a vê-los afastar.

A mãe já serena pusera o braço sobre os ombros do garoto aconchegando-o a si.

            Nos ouvidos de Ti Isarua a frase de despedida:

            A pobreza é uma desgraça! - A gente pede às crienças favores qu’eles nã têm-na idade de fazer, mas é a precisão... e ospois, coitadnhos, ainda “as mamam” por cima....

                                          Maria José Rijo

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.445 – 20 – Março - 1998

@@@

Para adquirir um exemplar deste livro de Rezas e Benzeduras

Deve remeter o seu pedido ao Jornal Linhas de Elvas

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 18:51
| comentar | Favorito
partilhar
8 comentários:
De maria josé a 5 de Novembro de 2007 às 10:23
espero e desejo que a minha sobrinha virtual esteja bem.
Desejo-o de todo o coração, até porque a sua presença já faz parte do meu mundo de afectos...
Um beijo
Maria José


De António Malaquias Junior a 5 de Novembro de 2007 às 17:02
Muito Boa Tarde
Este Blog é uma ternura, uma maravilha.
Acabei de o descobrir e fiquei fascinado.
Estas rezas são fantásticas.
Fez-me lembrar as orações da minha
avó Bétina que nos ensina este tipo de
coisas.
Até estou emocionado.

Parabéns
António M. Junior


De Matilde Magalhães a 5 de Novembro de 2007 às 22:26
Estou tão contente por ter acesso ao seu blog
e poder ler estas belas Rezas e Benzeduras.
São tão bonitas, tão verdadeiras.
Os meus Parabéns por este blog.

Sua admiradora
Matilde Magalhães


De Ernesto da Costa a 5 de Novembro de 2007 às 22:44
Boa noite
Gosto sempre de vir ler o seu blog
durante o periodo do serão. Agora os
nossos serões são enormes - isto da hora
mudar tem que se lhe diga.
Gosto sempre muito de vir ler o seu blog.
Um blog sério, honesto e cheio de verdades
da vida.
Gosto muito de ler as suas reminiscências,
e em especial da forma como descreve e
conta factos do passado, da sua sensibilidade
cheia de beleza.
Os meus Parabéns e por favor
continue a escrever como tem feito até aqui.

Este seu leitor assiduo e apaixonado
pelas suas palavras.

Ernesto da Costa


De Gustavo Frederich a 5 de Novembro de 2007 às 23:41
Perfeito!
Os seus textos são uma delicia para a minha
alma insaciada de beleza e cultura.
Não imagina o que significam para mim os
seus belos textos.
Falam-me de tanta beleza... que me contam
as suas palavras. Levam-me e fazem-me
sonhar por esses tempos idos desse seu saudoso
passado e presente...
Muitissimos Parabéns
Estas rezas e benzeduras são pedacinhos da sua
alma saudosa pelo passado, pelas pessoas
queridas que conheceu e tanto estimou e a
estimaram.

Tem uma alma bonita, capaz de lembrar tantos
pormenores que conseguem encantar os outros,
como eu.

Obrigado por mais este texto tão bonito.
Seu admirador

Gustavo Frederich


De Manuel Leal a 6 de Novembro de 2007 às 09:03
Bons Dias
Venho comunicar-lhe que adorei estes seus textos.
Estas suas Rezas e Benzeduras são muito
bonitas e gosto imenso da forma como são
escritas. Nota-se que a vida passa por si - mas
não em vão - já que a canta de tão bonita forma.

Só tenho de lhe agradecer a alegria de a
poder Ler.
Já sou reformado e passo muito do meu tempo
passeando pela net porque gosto de ler e de
encontrar blogs como este seu - que além de
estar bem escrito tem textos que se podem
dizer serem documentos de sensibilidade.

Os meus Parabéns
Gostei imenso dos pensamentos que tem
aqui na barra lateral, são realmente muito
bonitos.
Renovo os meus Parabéns.

Com os meus cumprimentos

Manuel Leal


De Remoaldo Jacinto a 6 de Novembro de 2007 às 13:40
Acabei de conhecer este blog.
Li e Reli as Rezas e Benzeduras
e devo dizer-lhe que está de parabéns.
São muito bonitas e gosto muito destas coisas
destas rezas ancestrais, que se faziam no
alentejo profundo.

Os meus Parabéns

Remoaldo Jacinto


De sara nunes a 30 de Janeiro de 2009 às 19:27
Quero agradecer-lhe estas palavras pois a minha Tia Perpétua que Deus a tenha ela fazia a mesma reza e dizia que me a ensinava, depois ficou doente e não me lembrava mas recordei agora com uma emoção, e era como se ela aqui estivesse comigo a dizer-me que era assim que ela o fazia. Obrigado pelo seu testemunho


Comentar post

.Maria José Rijo

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Parabéns

. A afilhada da Tia Zé

. Páscoa - 2017

. Homenagem a Maria José Ri...

. Cá Estou ... - 1

. OLÁ Dolores

. 2007 - 2017 = 10 º Aniver...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Recado para os Sobrinhos ...

. Saudades

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@