Quarta-feira, 21 de Novembro de 2007

Colecção de Gastronomia Doces

Colecção de Gastronomia

 

SABORES DE SABER HERDADO

Os DOCES populares

de

"DIAS de Santo e Nomeada"

 

 Sem dúvida, os doces de tacho e as massas fritas, por lhes bastar apenas lume de brasas ou labareda de gravetos, enchapota ou chamiços para a sua cozedura, foram, desde sempre, as gulodices de preparação mais acessível e portanto as mais vulgarizadas.

 

O arroz doce, o leite-creme, as fatias douradas os nógados e as azevias, tornaram-se assim património gastronómico comum a todo o povo.

Para os bolos de lata as famílias modestas recorriam aos fornos das povoações, onde, mediante o usual pagamento da “maquia” aos forneiros, costumavam cozer semanalmente o pão da amassadura.

 

Alinhavam-se então, sobre o poial do alpendre (que protegia de chuvas e ventos a boca do forno) esperando que se lhes criasse espaço quando a fornada fosse “mexida” e o calor descaísse: - enxovalhadas, biscoitos, broinhas ou queijadas que incensavam o ar já cheiroso de pão quente com laivos a canela, erva-doce e raspas de limão.

 

No culto de tradições, especialmente em meios pequenos, na província, revivendo a memória de “sabores de saber herdado” se vão festejando ainda hoje – entre famílias – Natais e Páscoas “Dias de Santo e Nomeada”.

@@@@

                              Edição Patrocinada pela

                           Câmara Municipal de Elvas

                                Serviços de Turismo

                                    ( 1986 -- 1989 )

 

                                

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 21:52
| comentar | Favorito
partilhar
6 comentários:
De Dolores Maria a 22 de Novembro de 2007 às 00:14
Meu Deus...
Agora serão os Doces... certamente
agora é que vou engordar...

Se estas sopinhas -a Açordinha e as sopinhas
de Cação eram gostosas eu nem sei que vou dizer.
Quero aprender a fazer as azevias - que comi uma vez que fui a Évora ( já la vão uns doze anos).

Este Blog está um torrão de açucar.
Mas que maravilha.

Já só estou a pensar o que vai ser amanhã???
...
Muitos beijinhos

DO LO RES


De Anónimo a 22 de Novembro de 2007 às 10:28
Agora que estou ganhando o jeito de responder aos comentários, correrei o risco de ficar aqui à conversa e deixar o "Linhas"e o "Despertador"sem crónicas...Embora fique sempre grata pelas palavras que me dirigem e a minha vontade seja de, logo agradecer, gerir o "tempo" na minha idade vai sendo tarefa difícil.
Já não faço compotas...empadas... bolinhos... agora delego tudo na minha querida empregada de há mais de trinta anos, e, mesmo assim ,os dias ficam tão pequeninos!...
Um beijo tia Zé


De Dolores Maria a 22 de Novembro de 2007 às 11:02
Olá
mas a minha escritora preferida respondeu
ao meu comentário e eu Estou tão FELIZ.
Não ... lá isso de deixar de escrever para os
Jornais não ... então como passariam as
pessoas ( que como eu...) estão viciadas nos
seus artigos... Isso não.
Escrever é bom e faz a cabecinha continuar a
trabelhar - no seu modo de pensar. Faz bem
escrever - porque além de se distrair tem uma
imensidão de gente que em cada semana aguarda
o jornal...
Beizinhos e continue.

Sua mais fiel admiradora

DO LO RES


De Alice Marquinhas a 22 de Novembro de 2007 às 00:18
Boa noite
hoje tive esta surpresa do meu netinho,
o Artur Maria.
Veio dormir cá a nossa casa e trouxe esta
maravilha - o computador - com a internet.
É que ando com muita vontade de comprar
um, para me entreter nos serões, agora
tão longos.
Este seu Blog é uma maravilha.
Lemos imensos textos e estou verdadeiramente
encantada.
Volatarei ... ou antes
voltaremos.

Cumprimenta-a
Alice e Artur Maria


De Anónimo a 22 de Novembro de 2007 às 10:35
Que aconchego de alma ter um Neto! E, para mais um Neto que, em tempos de hoje, visita e mima sua Avó - parabéns! - e ainda há quem pense que fortuna é dinheiro!
Obrigada - felicidades Maria José


De Gustavo Frederich a 22 de Novembro de 2007 às 11:14
DOCES...
BOLOS...
Agora é que vou mesmo engordar.
ADORO tudo o que seja doce - é a minha tentação,
posso mesmo afirmar que sou guloso por natureza.
Que posso dizer em meu favor ?
--- Apenas que é o meu pecado maior...
Desta vez também não irei resistir e terei de provar.
Que BOM!

Realmente aqui sinto-me em casa.
As minhas recordações ficam á flor da pele,
ainda me lembro do Chá de casa de minha avó
e das minhas tias velhinhas - coitadinhas -
tinham sempre o meu bolo preferido - feito de
figos - era tão gostoso - quente - ainda quase
queimando os dedos.
Que saudades desses tempos de meninice,
quando os carinhos delas me abraçavam e me
mimavam.
Foi bonita a minha infancia. Infancia essa que
neste seu blog revive em mim - agora a cada
dia - a cada perfume do seu passado que
ilumina o mundo das minhas reminiscênsias.

Estou-lhe eternamente grato por me fazer
reviver esses tempos maravilhosos.
Bem haja por ter aparecido - um dia - e ter
iluminado o monitor da minha casa.

Grato
Gustavo Frederich


Comentar post

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Programa de São Mateus 20...

. Carta aos meus queridos A...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Viagem a Fátima

. Reportagem do Jornal Linh...

. Parabéns Avelino

. Parabéns Luciano

. CONVITE

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@