Domingo, 6 de Dezembro de 2009

As coisas e o seu espírito

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1867 – 19 de Dezembro de 1986

As coisas e o seu espírito

            

Tarde invernoso … marido com gripe… vento a silvar nas janelas… céu cinzento… bruma… num ponto da casa uma braseira de picão fala de conforto.

                       

Os jornais já lidos, uns momentos para pensar na espera dum velho e querido Amigo, hoje, virá como médico também.

Na pausa reflicto no que li… no mais chocante… os comentários… a meu ver… prematuros sobre o carro que a câmara comprou.

                      

Recordo que o nosso Amigo, que agora espero, sensível ao espírito das coisas, quando foi Presidente da Câmara – comprou do seu bolso, durante o seu mandato… um carro, que, pela aparência, respeitasse o espírito das funções, que exercia, para honrar, para honrar Elvas…

Depois, lembrei o actual presidente a empurrar o carro assucatado que o Município tinha… Avenida da Republica abaixo e noutras ruas de Lisboa…

Lembrei-o outras vezes, parado, de noite, na berma das estradas à espera de socorros… lembrei-me de mim própria, também, quando no regresso de Santarém com os trabalhadores da Câmara, exaustos pelo esforço dispendido desde as 5 horas de manhã (em que de cá partiram para a montagem da “Cozinha Alentejana”) ansiosos por regressar a casa – parados, madrugada alta, numa noite fria e feia como o dia de hoje – na estrada deserta…

        

Coisas que se calam, estas e outras mais, porque Elvas… a cidade de Elvas… a sua população, o seu concelho, não mereciam estas humilhações…

       

Lembrei depois o historiador do Instituto Dona Leonor a quem pedi, de olhos molhados, silencio sobre os livros que ele vira a bulir parasitas na 3ª Biblioteca do País… a nossa… que esteve sem uma única desinfestação desde o último ano de vida do saudoso Eurico Gama! Isto… porque Elvas, a sua gente, o seu concelho…não merecem tamanhas humilhações.

        

Há as coisas e há o espírito delas!

O actual presidente queria carro mais modesto, mas o executivo fez questão de dar a Elvas um carro que vá em nome de Elvas… onde Elvas deva estar presente… não com o luxo de outras Câmaras, mas com dignidade entre os seus pares.

   

Só o futuro o dirá… com verdade… depois deste mandato terminar, se Elvas deu ao actual executivo carro de mais ou carro de menos… porque tudo é relativo e, ainda não há pontos de referência seguros.

Cá por mim… povo que sou … vou vivendo à portuguesa. Vou à missa com o fato de “ver a Deus” na boa tradição dos pobres que honram a sua gente sabendo que não basta ser, porque parecer também é necessário.

 

Maria José Rijo

 

estou: As coisas e o seu espírito
música: As coisas e o seu espírito - 1986

publicado por Maria José Rijo às 21:27
| comentar | ver comentários (9) | Favorito
partilhar
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

E... Arriba Espanha!

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.359 – 12--Julho--1996

CONVERSAS SOLTAS

  

Como foi – posso contar.

Se, por ventura foi como deveria ter sido – já é discutível.

Numa praça bem em evidência um local sinalizado para um aparcamento de carros de deficientes.

                                        

Pode ser ali, decide o condutor da viatura confiado no sinal colocado nos vidros que indica que é essa a condição do proprietário.

                  

Tranquilos vão resolver os problemas que os levaram á cidade de Badajoz na tarde escaldante.

Demoraram-se apenas o necessário. Não muito.

Ao regressar não têm carro.

                    

Em seu lugar, colado no passeio um aviso colorido, dum vermelho reflector com letras negras que indicam que a grua fizera a transferência do veículo.

Ultrapassando o desconforto do impacto da situação, telefonam para a polícia e mais isto e mais aquilo...

Tomam notas apontam referências.

Utilizam um táxi e vão parar lá onde o diabo perdeu as botas em procura do carro que lhes pertence e se afigura ter sido indevidamente retirado dum local que lhe era reservado por indicador próprio

                           1[1].jpg

Os amáveis intermediários que facilitaram e promoveram os contactos telefónicos referem delicadamente que em Portugal fazem pior aos espanhóis.

(farão? – não sei!)

Que a polícia portuguesa multa indiscriminadamente e apreende os carros se não pagam imediatamente.

(Será? – não sei!)

Também previnem que todos os cuidados são poucos para quem se introduz onde os carros ficam detidos.

Que é um bairro onde os assaltos são moeda corrente.

Cria-se um clima de constrangimento. Mas, a aventura segue.

                                   

A autoridade que preside ao aprisionamento dos veículos frente ao cartão de invalidez a 100% que lhe apresentam – desfaz-se em desculpas. O condutor da grua – cora de vergonha – apenas cumpria a ordem da polícia que o convocara por rádio.

Ambos ensinam como deverão proceder as indefesas vítimas deste equívoco para tentar que os seus direitos sejam repostos.

Tudo certo.

Porém! – Só libertam o carro mediante a entrega de 13.000 pesetas.

Uma senhora portuguesa empresta a quantia – o carro é restituído aos donos.

Talvez que dentro de 3 meses – no mínimo recuperem a verba desta forma tão pouco ortodoxa lhe foi extorquida.

Talvez!

Ao que dizem o símbolo que o carro exibia não é idêntico ao que se usa em Espanha.

Pasma-se que não seja internacional como é a cruz vermelha, ou outros...

Aliás – pasma-se por muitas outras coisas.

Confesso que também pasmei com esta história.

Com esta complicada história!

Mas... adiante

Arriba Espanha!

Viva Portugal!

 

Maria José Rijo

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 20:23
| comentar | ver comentários (6) | Favorito
partilhar

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. As coisas e o seu espírit...

. E... Arriba Espanha!

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@