Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

Dois dedos de conversa

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1986 – 23 de Junho de 1989

 Dois dedos de conversa

 

Cada qual tem os seus pequenos vícios, manias ou fraquezas, como se lhe queira chamar.

Cá por mim, não resisto a guardar lembranças de pessoas e lugares, ou recortes de jornais, que tratem de assuntos, que num qualquer momento, me interessaram.

         

Muitas vezes, esqueço-as durante anos e anos, e reencontro-os por acaso, ou a propósito de qualquer circunstância relembro-os e procuro-os deliberadamente.

Também me tem acontecido vasculhar pastas e pastas em busca do que me interessa e julgo ter conservado, e com surpresa, descobrir coisas absolutamente perdidas da minha memória.

    

Foi agora assim. Uma amiga enfermeira, mulher de alma grande, que algumas vezes já me convenceu com a emoção e o brilho do olhar húmido de ternura com que anuncia: - “nasceu lá uma mulher” – que grande mulher “!” – ou: -

            

passamos a noite de vela – mas nasceu lá um rapazão, que maravilha!” – essa Mulher, com maiúscula, que fala dos nascimentos a que assiste como se cada criança que ajuda a vir ao mundo fosse a primeira e a única e saísse inteira do seu coração, pediu-me, se eu os soubesse, pensamentos sobre a Maternidade.

            

Recordei-me então, que guardara um suplemento de um jornal todo virado para esse tema e fui procura-lo. Estava na rima, já amarelada, onde a minha lembrança o situava. É de Maio de 1970.

Reli-o com interesse e fiquei a pensar na qualidade de escritores, pensadores e filósofos, que escreveram conceitos sobre a infância e a maternidade. Uma frase,

              

porém, atribuída a Júlio Machado, chamou a minha atenção.

Quem seria Júlio Machado! – Quis saber. Trata-se de Júlio César Machado nascido em Lisboa em 1 de Outubro de 1835 e falecido em 12 de Janeiro de 1890.

                     

Refere a sua biografia que foi “talentoso homem de letras, escritor e jornalista”. Conta também ter sido ele o primeiro folhetinista português, pois que o seu primeiro romance “Estrela de Alava” foi publicado em folhetins no jornal “A Semana”, dirigido por Camilo Castelo Branco.

           

Pareceu-me curioso contar, para quem, como eu, o não soubesse quem iniciou, entre nós, as “novelas” doutros tempos – os folhetins – até porque queria terminar estes dois dedos de conversa com a transcrição da frase que me induziu o seu autor:

“O coração das crianças tem o seu movimento regulado como o de um relógio e pára quando a mão de uma Mãe se esquece de lhe dar corda”.

 

Maria José Rijo

 

estou: Júlio César Machado
música: Dois dedos de conversa- 1989

publicado por Maria José Rijo às 22:57
| comentar | ver comentários (13) | Favorito
partilhar

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. Dois dedos de conversa

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@