Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

O preço da diferença

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.965 – 17 de Abril de 2008

Conversas Soltas

@@@@

 

Alentejo.jpg 

Partiu há dias, umas duas semanas, apenas.

Partiu, levando com ela, nas sentidas lágrimas que a choraram a admiração e estima de uns, a simpatia de outros, a indiferença e incompreensão de mais alguns que, embora reconhecendo-a diferente, a apontavam por isso. Sem nunca se preocuparam em entende-la.

                   

Aliás, ninguém agrada a todos.

Partiu deixando uma dor sincera em quem de perto privou com ela e entendendo-a, admirou a sua coragem, grandeza de alma e coração.

Em quem sabia com que determinação encarava as contrariedades da vida, com que alegria se levantava nas madrugadas para arregaçando as mangas, trabalhar sem cansaço dando, largas à sua criatividade, às suas capacidades de lutadora, que nunca virou o rosto a dificuldades.

                           

Era uma elvense de alma e coração.

Falava, como ninguém, das minúcias dos antigos festejos do São Mateus.

Quando tudo isso evocava com entusiasmo e saudade na voz desenhando com as mãos os gestos de enlevo pelos carros de canudo, pelos fatos dos romeiros, pelos costumes que o tempo criou e depois foi desfazendo, transfigurava-se, e as imagens surgiam aos nossos olhos como se fora um pintor a grava-las numa tela.

Quando assim acontecia, ela tinha o dom de nos fazer sentir a riqueza que é uma perfumada e farta fornada de pão com a côdea quente e estaladiça a provocar a gula...

Ela tinha o dom de nos fazer sentir o despertar da terra na frescura das alvoradas quando o dia nasce.

Ela tinha o dom de tornar majestosa qualquer refeição, por mais singela que fosse porque era impecável no asseio, na ordem e no culto da beleza de que revestia tudo em que as suas mãos tocassem.

                                              

Ela falava dos coentros como se louvasse o mais delicado e caro perfume francês.

Ela era inigualável. Ela era, ela foi diferente.

Ela amava a Vida e respeitava-a até nas suas mais modestas manifestações.

                  

Uma certa vez, confessou-me o sonho de escrever um conto. Pediu-me ajuda. Senti-a inquieta no receio de não termos oportunidade de o conseguir.

Assim aconteceu.

Lamento com toda a minha alma que assim tivesse sido.

“A filha do Lavrador”, se chamaria.

Era a odisseia de uma rapariga Que lutava contra todas as contrariedades, mas nunca desanimava, nem perdia o amor e a fé nas pessoas, coisas e animais. Que se derretia em ternura por crianças e infelizes e que evocava os arraiais, as sementeiras e colheitas e tudo o mais que fazia a história do seu Alentejo e, em particular da sua Elvas e, que nem no meio das maiores tormentas perdia o gosto pela Vida e a capacidade de sonhar...

Sei que à cabeceira da sua cama, quando partiu – tinha um caderno e uma caneta prontas para escrever esse conto de gente da terra, perfumado pelo odor das eiras em tempos de Verão e de terra molhada com as “águas novas” de Setembro.

Se eu tivesse capacidade para o fazer, escreveria por ela essa saga e, poria à heroína o nome de Lili. Como homenagem a alguém que até ao fim da vida foi leal e pura de coração como são os que acreditam na bondade e sabem ser devotadamente amigos do seu amigo.

 

            Maria José Rijo

 

Dois Mundos - 96.5 kb

estou:
música: D. Lili Guerra

publicado por Maria José Rijo às 00:36
| comentar | ver comentários (5) | Favorito
partilhar

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. O preço da diferença

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@