Terça-feira, 26 de Setembro de 2017

São Mateus 2017

1417.JPG 

A nossa Paulinha mais uma vez conseguiu dar-nos 

"um cheirinho de São Mateus" (confesso que a mim também)

pois com a mana Barbarinha de cama com gripe nem deu para mais

do que espreitar pela janelao colorido das luzes e o burburinho da

festa, que por ser "nossa vizinha" quer queiramos, quer não,

nos entra pela casa a dentro.

1417-2.JPG 

Fico sempre grata quando leio os vossos comentários,

muito principalmente porque me aquecem o coração

contar com a vossa amizade que, nem

calculam como me acompanha neste

entardecer davida.

1417-3.JPG 

Um abraço, grande, grande

com Saudades

Maria José Rijo

1417-4.JPG

1417-10.JPG

1417-5.JPG

1417-7.JPG

1417-12.JPG

1420.JPG

1420-9.JPG

1420-10.JPG

1420-13.JPG

1420-17.JPG

1420-20.JPG

1420-22.JPG

IMG_7110.JPG

IMG_7159.JPG

IMG_7182.JPG

IMG_7189.JPG

IMG_7196.JPG

IMG_7213.JPG

 

IMG_7245.JPG

IMG_7247.JPG

IMG_7263.JPG

IMG_7285.JPG

IMG_7316.JPG

IMG_7346.JPG

IMG_7348.JPG

IMG_7364.JPG

IMG_7377.JPG

IMG_7401.JPG

 

IMG_7423.JPG

IMG_7427.JPG

IMG_7455.JPG


publicado por Maria José Rijo às 00:00
| comentar | ver comentários (2) | Favorito
partilhar
Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

Participação - Programas de São Mateus

1990.jpg-1990.jpg

2004.jpg-2004.jpg

2017.jpg2017-3.jpg

 

 

 

 

 

 

 


publicado por Maria José Rijo às 00:00
| comentar | ver comentários (3) | Favorito
partilhar
Quinta-feira, 7 de Setembro de 2017

Aniversário do Linhas - 2017 - A História de um Nome

Linhas de Elvas 2.017 

Nº 3437 de 7 Setrembro 

4.jpg 

A razão das razões

Este jornal, a que ternamente, já só apelidamos de “Linhas”como se fora um “petit nom” familiar, chama-se na verdade: Linhas de Elvas.

Não se trata portanto de referir linhas de cor, linhas aéreas, linhas de pautas, de comboio, ou de outras quaisquer…

Não!

Não é!

Este Linhas que agora faz 67 anos foi gerado na alma de uma cidade que sofria, então, como todo o país, o peso de uma opressora ditadura e, nascido da coragem intelectual, da coragem moral e cívica, de um pequeno grupo de Elvenses de raiz, que, como diz a voz do povo, ousou expor o peito às balas…

1.jpg

Assim sendo, que nome de baptismo se poderia dar ao neófito, nesta terra de ancestrais costumes, senão um que trouxesse à memória os notáveis feitos da história que, sendo locais, são simultaneamente aqueles a que a pátria de todos nós mais deverá a sua independência e mais nos orgulham – a batalha das Linhas de Elvas?

Em 8-7-955,o Diário de Notícias, pela pena do seu brilhante jornalista - Urbano Tavares Rodrigues – citando a edição de um estudo crítico politico militar do capitão – Jorge Faro Valadas -

Editado pela Câmara Municipal de Elvas e por este jornal –

Escreve: - “Á vista de Elvas, ou com a sua directa interferência – diz o culto e talentoso militar – decorreu a maioria dos

acontecimentos relevantes da história pátria, que o mesmo é dizer da história militar portuguesa”

2.jpg

“Sem o prodigioso feito de armas que ali se verificou em 14 de Janeiro de 1659 o País que mais longe fora nos caminhos do mar e que com a Espanha um século antes repartira o Mundo seria absorvido deixaria de contar no concerto das nações”

Assim rezando a historia – quando se proferir o diminutivo familiar – “Linhas” – ou o seu nobre nome de baptismo “Linhas de Elvas” qualquer de nós saberá, todos nós saberemos que estamos a falar “da coragem de dar o peito às balas”pela justiça, pela verdade pela democracia”- pela crença irrefutável de que sendo todos filhos de Deus – todos entenderemos que: “Eu sou o outro”.

Que continue a ser sempre esta a “nossa” linha

Parabéns Linhas de Elvas – no total do seu elenco criador!

O caminho é o futuro!

Linhas! - O meu abraço de sempre!

Maria José Rijo 

 

3.jpg


publicado por Maria José Rijo às 16:23
| comentar | ver comentários (3) | Favorito
partilhar
Quarta-feira, 7 de Junho de 2017

Cá Estou ... - 2

Cá estou de novo

 Como é óbvio não vou desfiar aqui o luto da minha alma, contando das muitas pessoas queridas que desde este último ano, já só revejo na minha saudade mas, por vezes, cruzam-se connosco pessoas tão singulares que por mais apagados que sejam os percursos das suas vidas nos proporcionam momentos tão tocantes que ficam como referências indeléveis.

Foi assim com a Bia.

O seu nome próprio era Maria José, mas só por Bia Fialho era conhecida.

Ela era sensivelmente das nossas idades (um ano ou dois mais velha, talvez). Nascera e vivia em Cuba, no Baixo Alentejo, a vila onde Fialho de Almeida também vivera e repousa num jazigo decorado com gatos esculpidos em mármore tendo, também gravada essa tão carismática frase evocativa da sua obra” Os Gatos”- “miando pouco, não temendo nunca, arranhando sempre”

Nós deixáramos Évora e fôramos habitar a casa que tinha sido de Fialho, que, por coincidência, era frente à residência da Bia.

Ficamos sendo vizinhas.

Nas terras pequenas todos se cumprimentam, se conhecem e criam facilmente relações de amizade. Assim aconteceu neste 

caso também, tanto mais que seu irmão fizera o liceu em Beja na mesma altura que minha irmã e eu.

Foi portanto uma circunstância feliz.

A Mãe dela era uma senhora delicada, de voz doce, de saúde frágil, um ar resignado, pouco aparecia. Sofria de enxaquecas.

O Pai era alto desempenado, tinha a postura nobre do homem alentejano que se orgulha de viver do seu trabalho honrado.

Pai e filha cantavam como Deus, às vezes, concede aos seus eleitos.

Foi ele o fundador do primeiro Rancho Folclórico de Cuba. 

(Vão bem oitenta anos…)

Era impressionante ver actuar aquele grupo de homens.

Muito juntos, de braços dados, como que abraçados.

Moviam-se naquele passo que só os alentejanos sabem usar arrastado, lento, cheio de cadência, fazendo ressoar na calçada como se fora uma música de fundo o som rítmico da batida das solas das botas de atanado, cardadas, sobre o qual sobressaía a magia do seu cante. Tinham um ar solene, grave, como se levassem o próprio Alentejo aos ombros ou, como se fossem a voz da própria terra.

Vestiam todos os seus fatos de ver a Deus – calça Justa – de cotim ou de serrubeco, presa à cinta com as voltas da faixa de malha preta, com as pontas caídas de lado, camisa branca de colarinho alto, fechado a dois botões, colete com o cordão ou a corrente do relógio passando de bolso a bolso, a jaqueta com alamares de cordão de seda.

Nas vilas e aldeias, naquele tempo, preservavam-se as tradições como bens de herança. Religiosamente.

1.jpg2.jpg

Festividades de Igreja, feiras e romarias nas redondezas, eram -como festas de família. Ninguém faltava a não ser por doença e , então na Senhora D’Aires ( que é sem favor a maior romaria do Baixo Alentejo, desde há tantos anos, que já se lhes perdeu a conta) o som das vozes do rancho de Cuba subia ao alto como se fosse a respiração da própria planície alentejana de que todos se se reconhecem como filhos …

“Eu sou devedor à terra 

a terra me está devendo 

a terra paga-me em vida 

eu pago à terra morrendo”

 

A Bia era bonita, era alegre e feliz, vivia despreocupada, bem aconchegada no amor de seus pais.

3.jpg

Lia romances de amor e estava a par das vidas de celebridades e artistas através das revistas que a deliciavam e alimentavam os seus anseios de felicidade ideal.

Sonhava com o “seu príncipe”mas, mais do que tudo, sonhava com o brilho dos palcos onde a sua voz seria escutada com mágico encanto…

Bem merecido milagre, que não aconteceu…

Mas, um certo dia, um vago parente que embarcado correra o mundo, regressou à terra falando inglês e desfiando aventuras. Envolveu-a nesses cantos de sereia, casaram, foi Mãe.

Depois, o que o vento traz, o vento leva…e levou…

Os Pais morreram e, ela arregaçou as mangas aprendeu a ser cabeleireira e, como espaço não faltava em sua casa, abriu o seu salão.

Atendia as amigas falando da filha, cantando, desfiando lembranças e saudades, e encantando com aquele seu jeito bom de amar a vida…

 Por perto sempre o seu lindo gato cinzento – o “gento”que, no Inverno mal a dona ligava o secador de cabelo, subia para a cadeira e só cedia de boa vontade o lugar à freguesa que ao substitui-lo no assento lhe pegasse ao colo para repartir com ele o conforto do calor.

Atendida a clientela, se o tempo a tal convidava íamo-nos sentar ao lume de lenha, na ampla chaminé da enorme cozinha e na cafeteira de barro, fazíamos um café ralo, assente com uma brasa, que nos consolava a alma e falávamos, falávamos rindo e chorando com algumas recordações a que agora junto a lembrança do abraço e da voz que repetia ternamente:

Ai amiga! que saudades…que saudades…

 

Maria José Rijo


publicado por Maria José Rijo às 14:28
| comentar | ver comentários (4) | Favorito
partilhar
Domingo, 4 de Junho de 2017

CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE CASTRO - Elvas

ERA UMA VEZ UM CORAL QUE NASCEU DE UM SONHO!

e  Acabou de fazer 30 anos.

Parabéns

0.jpg 

DO  ce, docemente

RE  ma, de mansinho

MI  nha fé na aventura

FA  z-te ao largo, segreda

SOL  ta livre o pensamento

LA  buta, sonha luta e no

SI  lêncio serenamente o eco... Escuta 

 

Maria José rijo

Indicativo do Coral Públia Hortênsia de Castro de Elvas

1987 – 2017 = 30 Anos

1.jpg

2.jpg

3.jpg

4.jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

8.jpg

9.jpg

10.jpg

11.jpg

12.jpg

13.jpg


publicado por Maria José Rijo às 18:00
| comentar | ver comentários (2) | Favorito
partilhar
Quinta-feira, 18 de Maio de 2017

Parabéns

EU ?

Maria josé Rijo.jpg

 

Não vivo para mim

Mas sei viver comigo

consigo até suportar

o mal estar

de quando me interpelo

e contradigo

de quando vejo

um caminho

que não sendo meu

não sigo

e em contra mão prossigo

afrontando a solidão

e o risco de querer afirmar

apenas isto

EU ?

 

Maria José Rijo

16-5-2017

Eu não tinha dúvidas que a data lhe diria

que era consigo!

Parabéns - Beijinhos e

Obrigado pelo estímulo.

Tia Zé

e Paula

 


publicado por Maria José Rijo às 00:00
| comentar | ver comentários (5) | Favorito
partilhar

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 55 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. São Mateus 2017

. Participação - Programas ...

. Aniversário do Linhas - 2...

. Cá Estou ... - 2

. CORAL PÚBLIA HORTÊNSIA DE...

. Parabéns

. Homenagem a Maria José Ri...

. ENCONTROS DE CIRCUNSTÂNCI...

. Um testemunho

. Fátima - 13 de Maio de 20...

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@