Sexta-feira, 1 de Abril de 2011

A “celestial” sopinha da panela - 9

Jornal Linhas de Elvas

Nº 3.116 de 31 de Março de 2011

Histórias com mezinhas e receitas -- 9

A “celestial” sopinha da panela

 

A luz que a cozinha recebia, provinha do pátio e entrava pela porta que se mantinha aberta o dia inteiro, quer chovesse, quer ventasse ou, lá fora, o calor do sol derretesse até as pedras da calçada!

Para o pátio abriam as portas da casa do forno e de todos os quartos da habitação. O pátio era o centro da casa do senhor Padre que vivia com sua Mana solteira que continuava a fazer e vender pão, como já haviam feito seus pais e seus avós.

Daí que pairasse sempre por ali a incensar o ar, um vago e convidativo cheirinho de pão quente.

    

 A cozinha era enorme e funda. Logo à direita da entrada era a parede lateral de uma enorme chaminé, que fazia uma espécie de pequeno corredor que desembocava no aposento propriamente dito.

Verão e Inverno o lume de chão estava sempre aceso e embora possa parecer improvável, nunca, quer o calor, quer o frio, eram excessivos. O clima ambiente mantinha-se temperado, acolhedor.

Sempre que lá se entrava tinha-se a sensação de o fazer numa enorme e arrumada despensa, até pela semi-obscuridade que nos envolvia.

Ao fundo da casa onde, centrada, estava uma enorme mesa comprida rodeada de cadeiras de fundo de bunho( bem à alentejana), uma cómoda antiga com uma imagem de Nossa Senhora, uma jarra cheia de flores e na parede um Cristo pregado na cruz.

Sobre a mesa de jantar, como decoração, bonitos canjirões antigos, de louça das Caldas, com água e vinho sempre à “descrição” dos da casa ou seus convidados.

 

A toalha de linho grosso, branca como de um altar, tinha em volta uma bonita renda de pontas tecida a duas agulhas. Era peça de enxoval. ( Foi-nos confidenciado)

Dentro da chaminé podia-se andar à vontade, porque era ampla e tinha o “pano da cimalha”bastante alto.

De um lado e de outro do lume arrumavam-se cadeirinhas baixas e “burros” para os mais friorentos.

Ao fundo, encostado “à boneca” um grosso madeiro a que se amparava para arder a lenha miúda que se guardava de reserva no  lado exterior da chaminé e, em redor, uma panóplia de trempes   sustentando utensílios de barro, panelas e cafeteiras. Havia também panelas de ferro e cafeteiras de latão de tamanhos diversos, conforme as necessidades da casa.

Os móveis eram modestos, sem pretensões a ser mais do que eram realmente: suporte para pratos e travessas ou quaisquer outras necessidades de serviço.

Foi neste ambiente que, depois da procissão, como de costume, foi servida a refeição.

Com cuidado a Mana levantou o testo da panela maior sem a retirar do lume, arredando-a apenas, e, com a colher de concha, foi enchendo a terrina que havia de ir à mesa com um caldo suculento e tão perfumado que - disseram os circunstantes –“parecia coisa celestial”.Num dos móveis do lado já estavam duas cestas cheias de tangerinas e laranjas e uma grande travessa de arroz doce para a sobremesa e, sobre a vasta mesa as cestinhas de pão já fatiado para cada qual usar para a sopa, a quantidade a seu gosto e, um prato, com fartos e recendentes ramos de hortelã para o remate perfumado da iguaria.

 

Veio a receita:

“Está sempre pronta a qualquer hora. Temos a panela ao lume com as carnes. É a galinha, (das nossas) o toucinho entremeado da barbela do porco, um ossinho da suã, bom chouriço, uma cebolinha pequena e depois, deixar ferver, ferver, mais nada.”

 Isto era dito enquanto dispunha as carnes numa grande travessa para ir à mesa, indiferente a um pequeno ratinho que passou a correr junto a seus pés e se esgueirou para detrás da lenha…

Com o mesmo tom de voz, alertou:

“Mano! Temos que fechar a gata em casa à noite, já andam aí os musganhitos outra vez!”

Realmente a receita só podia ser celestial porque este cenário, é coisa de outro mundo!...

 

    Maria José Rijo

estou: A “celestial” sopinha da panel
música: Histórias com mezinhas e receitas -- 9

publicado por Maria José Rijo às 10:15
| comentar | ver comentários (6) | Favorito
partilhar
Sábado, 15 de Dezembro de 2007

SOPA DE ESPARGOS E SOPA DE ESPINAFRES

 

Fritam-se em azeite coentros pisados com alho e sal.

Não se deixam fritar muito.

Sobre eles, deitam-se ou os espargos ou os espinafres que se deixam cozer em lume brando.

Escalfam-se ovos no caldo que se verte sobre o pão cortado em finas sopas.

                                     Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

 

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:21
| comentar | ver comentários (1) | Favorito
partilhar
Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007

SOPA DE POEJO

Poejos pisados com alho e sal e colorau.

Deita-se a mistura sobre o azeite quente.

Acrescenta-se o caldo que se engrossa com farinha.

Leva umas gotas de vinagre.

Escalfam-se ovos no caldo fervente que, depois, deita sobre a sopa de pão.

                                Maria José Rijo

@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

estou:

publicado por Maria José Rijo às 16:27
| comentar | Favorito
partilhar
Sábado, 8 de Dezembro de 2007

SOPA DE TOUCINHO

Frite o toucinho com chouriço (com o chouriço, se houver).

Retire os torresmos e o chouriço frito.

Na gordura, frite os temperos – alho, cebola, hortelã, salsa.

Acrescente a água necessária.

Verta o caldo sobre o pão fatiado.

Acompanhe com as carnes frias e azeitonas.

                                        Maria José Rijo          

 

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão    

                              


publicado por Maria José Rijo às 19:56
| comentar | ver comentários (2) | Favorito
partilhar
Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

SOPA DE BATATA

 Azeite; Cebola e um dentinho de alho; Pimentão flor (umas pitadinhas para dar cor); Um bom ramo de hortelã; Um nadinha de salsa; Batatas às rodas grossas.

 Deixe a cebola ficar transparente na gordura quente antes de deitar os cheiros e as batatas.

Tape para estufar em lume brando. Junte água a pouco e pouco até a batata cozer.

Faça-o lentamente para o caldo engrossar. Acrescente o caldo à conta que precisar. Escalfe ovos (se as galinhas andam a pôr).

Deite tudo a ferver sobre a sopa de pão acamada na “tigela” em que há-de ir á mesa.

Veja se a louça é curtida (isto é uma velha recomendação popular, daí o senão), caso contrário sabe a barro.

                         Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

estou:

publicado por Maria José Rijo às 00:22
| comentar | Favorito
partilhar
Sexta-feira, 30 de Novembro de 2007

SOPA DE TOMATE

Tomate, cebola, dentes de alho, azeite, pimento verde – tudo no tacho a estufar em lume brando.

Deite orégãos (se gosta do paladar).

Quando estiver cozido passa-se pelo passador.

Acrescenta-se o caldo obtido com um pouco de água.

Deve ficar bem espesso. Batem-se os ovos com um garfo e deitam-se-lhe para dentro enquanto ferve.

Verte-se o caldo sobre o pão.

Acompanha-se com figos frescos ou uvas e azeitonas.

                                                           

                                        Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Pão

estou:

publicado por Maria José Rijo às 23:05
| comentar | ver comentários (1) | Favorito
partilhar

.Maria José Rijo


. ver perfil

. seguir perfil

. 53 seguidores

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
21
22
23

24
27
28
29
30


.posts recentes

. A “celestial” sopinha da ...

. SOPA DE ESPARGOS E SOPA D...

. SOPA DE POEJO

. SOPA DE TOUCINHO

. SOPA DE BATATA

. SOPA DE TOMATE

. SOPA DE CACHOLA

. SOPA DE CAÇÃO

.arquivos

.tags

. todas as tags

. Dia de Anos

. Então como é ?!

. Em nome de quem se cala.....

. Amarga Lucidez

. Com água no bico

. Elvas com alguma rima e ....

. 28 de Fevereiro...

. Obras do Cadete

. REGRESSO

. Feição de nobreza

.links

.Contador desde- 7-2-2007

Nova Contagem-17-4-2009 - @@@@@@@@@@@@@@@@ @@@@@@@@@@@@@@@

@@@@@@@@@@@@@@@ A Seguir-nos por aqui. Obrigado @@@@@@@@@@@@@@@@ free counters
Free counters @@@@@@

.Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

.ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@

.LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@