Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



POEMA DE SAUDADE

Quinta-feira, 14.02.08

Fátima

14 de Setembro de 1997

Dia da exaltação da cruz

(seriam Bodas de Ouro)

.

.

Tive do Amor

              a fome e o fogo

Tive da vida

              a glória e a dor

Deu-me Deus por ti

              a ternura – a compreensão

              a prudência e o saber

              de somar dia por dia

              o gosto do viver

… E, daquele momento

              a saudade em brasa – o tormento

              o vazio da tua ausência

              enchendo a nossa casa

E… esta mágoa – onde tudo cabe

        até a alegria

        de ter para recordar a força

        e a fragilidade do Amor

 

       Assim – com luto e luz

       Exalto a minha Cruz

 

 

                   Maria José Rijo     

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 16:48


12 comentários

De Gustavo Frederich a 14.02.2008 às 20:51

LINDO
PERFEITO
Um poema intimo de grande valor.
Uma vida de amor em comum - por quase
50 anos - é um longo e bonito caminho - aberto
pela estrada da vida - a dois de mãos dadas, de
olhos no futuro, sem esquecer o passado e tudo
o que nele, há para viver.
Sempre a dois - num amor aberto como o ar da
manhã.
Eu nunca terei acesso a um amor assim - a essa
entrega de quase... 50 anos - O ouro do Amor,
do seu amor minha querida Tia.
... ao partir, deixou-lhe parte da sua alma, bem
ali junto da sua. Não morreu... apenas passou
para outro espaço, uma outra dimensão mas o
que deixou, está em , nas suas memórias, nas
suas saudades, vive por inteiro no seu coração...

Este poema é lindo, especial para o dia dos
namorados... já agora... vou buscar o presente
para a minha flor.
Muitos beijinhos Tia
e muitos Parabéns por este poema.

Gustavo Frederich

De Anónimo a 14.02.2008 às 22:30

Muito bonito o poema e com um significado especial neste dia dos namorados.
Um amor à séria!
Parabéns e obrigado pelo apoio que tem dado ao "estaminé".
Beijinhos
dualidades np

De Dolores Maria a 14.02.2008 às 22:56

Mas que poema lindo, algo virado para o triste,
mas cheio de alma e saudade.
Hoje no dia dos namorados tem aqui um
poemas muito bom, muito sensivel.
Realmente a tia tem uma grande alma de
escritora.
Lindo caminho, o seu, no mundo das letras.
Vi que tem aqui um bonequinho novo
(nada me escapa neste seu cantinho lindo)
no ponto dedicado aos prémios do blog.
Os meus parabéns.
Muitos beijinhos Tia

DO LO RES

De Gustavo Frederich a 15.02.2008 às 00:46

Voltei... voltei... voltei...
para ler outra vez.
Estive a meditar sobre este belo poema
e vi, senti a dor que está contida nele, a dor
e a saudade, a necessidade da presença
contida na vida conjunta.
O dia a dia, onde está contida a vida de vida
a dois.

Minha querida Tia a Senhora tem uma alma
imensa, uma sensibilidade que toca s Deus
e esta, esta sua lucidez da Vida...

Beijinhos Tia

Gustavo Frederich

De Bernardo Oliveira a 15.02.2008 às 08:53

D. Maria José gostei imenso, imenso deste
seu poema.
É triste e profundo, intimidista mas muito
bonito.
Gosto.
Gosto imenso da sua poesia.
Os meus Parabéns.

Bernardo Oliveira

De Maria José a 18.02.2008 às 16:34

está chover, quase sem parar, desde ontem.Nestes dias apetece ter amigos por perto e, como só posso considerar com amizade os autores dos comentários
que generosamente me fazem - aqui estou a agradecer
maria josé

De Dulce Matos a 15.02.2008 às 13:19

É impressionante este seu poema.
Tem muita garra, muita grandeza de alma.
Gostei imenso desta saudade contida de vida.

Os meus Parabéns
Tem aqui um blog muito bonito, muito bom.

Dulce Matos

De Maria José a 18.02.2008 às 16:44

obrigada -Dulce, pela sua compreensão.
Às vezes, muitas vezes, doi falar de nós. Porém, quando se pensa que isso pode "emprestar"as palavras a quem delas precise, ganha-se força
Maria José.

De Matilde Ferreira a 15.02.2008 às 13:25

Fiquei muito emocionada com este seu
belo poema.
O seu blog está muito bonito.
Os meus Parabéns
Voltarei para ler as reminiscências.

Obrigada por escrever tão bem e deixar que,
pessoas como eu, possam ter acesso a
esta maravilha.

Matilde Ferreira

De Maria José a 18.02.2008 às 16:54

toca-me a sua generosidade, dizendo-me coisas tão bonitas.
Fico muito feliz por apreciar as minhas reminiscências.
Confesso-lhe que, também eu sinto prazer em contá-las.A vida há oitenta anos era tão diferente que às vezes certos factos nem parecem verdadeiros...
Obrigada
Maria José

De Cesário Covas a 15.02.2008 às 13:30

Acabei de encontrar o seu blog,
cheguei aqui porque procurava poemas
de saudade e encontrei este tão bonito.
Triste mas imenso na grandeza do amor
e nas palavras proferidas.
A Senhora escreve muito beme tem
certamente uma alma muito bonita, a sua
sensibilidade é a prova das minhas palavras.

Muito obrigado por este blog nos dar acesso
a sua grandeza de poetisa.

Beija-lhe a mão
Cesário Covas

(de Guimarães)

De Maria José a 18.02.2008 às 17:09

Gosta de poesia, tem o nome de um poeta sem medida,Cesário Verde, e, é tão generoso que gosta do que escrevo. Obrigada, fico muito contente, até porque me escreve de Guimarães, cidade linda, que conheci visitando minha tia madrinha que aí viveu alguns anos.
Pena que a net dê para falar, mas não para sentar, em dias cinzentos como o de hoje,a beberricar um chá com quem com tanta simpatia se nos dirige.Obrigada.
Maria José

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2008

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
242526272829


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.