Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Comentarios

Sábado, 30.08.08

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.349 – 3-Maio- 1996

Conversas Soltas

.

Dizia-me minha Mãe, no dia do seu aniversário, que as vacas loucas, coitadas, eram apenas vítimas.

Quem estão loucas são as pessoas e o contágio passou aos pobres bichos indefesos.

Alimentando a sua curiosidade e interesse pelo mundo que a cerca através da rádio. Atenta aos noticiários, faz, à luz da sua inteligência e formação moral, um confronto muito particular entre o “seu” mundo e o mundo de agora.

Desta vez focava a sua atenção para dois casos. As vacas loucas e o programa do Herman.

                    

Tudo loucuras como dizia com ironia e graça. Lamentava não ter visto o programa.

Mais propriamente: lamentava não poder ver qualquer programa.

No entanto pelas críticas e pelo tema fazia os seus juízos e queria, pedia, a todos nós pormenores que lhe permitissem entender melhor as opiniões e reparos ventilados pelas mais diversas personalidades que ela, com atenção escutara…

                              

Sabia o parecer de Maria Barroso e outros que resumia para confrontar com a nossa apreciação.

Que importância, terá isso, – dirão!

Eu julgo que importa e muito.

Minha Mãe nasceu em 1900.

Pela graça de Deus continua ágil de raciocínio, de inteligência viva e atenta ao que a cerca com um agudo espírito de observação.

Convive com gente jovem.

Do seu tempo ninguém já resta e as visitas de casa têm idades paralelas às dos netos e bisnetos.

Assim o seu parecer surge como contra-ponto referenciando valores de ontem e hoje.

São quatro gerações que se confrontam nas avaliações que faz o que torna os seus comentários muito interessantes e aguça a curiosidade dos jovens que volta e meia repetem: “Vamos ouvir o que a avó Ana diz disto?”.

Ultimamente tenho ouvido muitas referências a um filme que – no mínimo – é considerado “estranho”, “perigoso”, etc... etc,...

Vou procurar ler e informar-me.

“Kid” – julgo ser o nome.

Desde chocante a alarmista ou estarrecedor – tudo se lhe chamava.

Quero ver como o comentará minha Mãe, quando dele se der conta.

Vou procurar ter condições de satisfazer as questões que sobre ele, por certo, me porá.

                          

Ah! – É verdade, ela diz que o Herman é como todos os filhos únicos muito mimados.

Tendem a ficar invariavelmente mal-educados, vaidosos e cheios de caprichos.

No caso dele é muito talentoso – ainda abusa com mais facilidade da permissiva mediocridade do meio para chamar as atenções que a qualquer preço quer só para si próprio.

Eu concordei.

 

Para mim, o Herman, ou é genial, o que não pode ser a todo o momento – ou é tremendamente ordinário o que acontece com muita mais frequência.

E, como está na moda!...

É como as roupas de farda – já nem é necessário passá-las a ferro – estão sempre funcionais.

Uma coisa é certa:

Se ele quis superar os programas super-ordinários da S.I.C retirando á “Antena Um” o que lhe restava de obrigação de ser um Serviço Público – conseguiu-o!

 

 

 

Nunca o bronco e oportunista critério de Teresa Guilherme teria ousadia para tanto.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:18


11 comentários

De Xavier Martins a 30.08.2008 às 22:18

12 anos nos afastam desse Herman e muita coisa
mudou para ele e para nós.
São épocas , acredito. Também a mim me fazia
imensa impressão o palavriado barato que ele
usava nos progranas. Sem duvida!

Mas sempre um bom texto.
Identifiquei a sua Mãe e só poderia ser uma Senhora
muito inteligente. Quem sái aos seus...

Cara amiga, qguardo publicação no outro blog.

Seu muito amigo e admirador
Xavier Martins

De maria José a 02.09.2008 às 20:41

Meu Amigo
Ontem, com surpresa minha, recebi da Câmara um delicado esclarecimento sobre um artigo de opinão que escrevi.
Habituada que estava a atitudes diferentes, pensei no porquê de tão cortês atitude.
Pois, creia que a filio no rigor com que temos relembrado alguma história de Elvas.
Todos somos humanos, como bem entende,e, era tão fácil puxar a brasa à minha sardinha!!!
para não o fazer,tenho que "policiar" cada papel que dou para publicar, porque, não sou eu que estou em causa, mas a Cidade.
Ora, neste momento, estou tão atarefada,que os tais 82 que me "controlam"não têm folgo para mais.
Logo que possa continuaremos e sempre grata pelo seu apreço e amzade que retribuo
um abraço grande - maria José

De Dolores,Avelino,Luizinha a 30.08.2008 às 22:23

e a sogrinha também ainda está aqui com
connosco, aqui na nossa casa.
Uma familia que gosta de ler o seu blog.
Hoje leu a sogrinha, cada dia um lê para o outro
ouvir.

Gostamos de ver a foto de sua Mãe. Era uma
Senhora muito linda e muito inteligente no que
pensava.
Goatamos todos muito do texto.
Muitos beijinhos

DO LO RES
Avelino, Luisinha e sogrinha

De Maria JoséMeus Queridos a 02.09.2008 às 21:10

Olá minha gente!
graças a Deus que estão todos juntos e que o tempo vai reganhando a sua normalidade.
Pelos vossos comentários , na medida do possível vou acompanhando as vossas vidas.
Há pouco tempo ofereceram-me um vasinho de orquideas e logo me lembrei do meu sobrinho Avelino.
Bem gostaria de me encantar com a sua colecção.
Gosto muito de todas as flores.Aqui no Alentejo, muitas vezes, na Primavera, paramos o carro nas estradas para ficar a namorar os mantos de flores do campo que pintam as paisagens de roxo, branco e amarelo, como só Deus pode fazer.
Possivelmente até abrir a exposição, irei andar tão cansada ao fim do dia que não me será fácil vir aqui para o convivio. Sei que me irão perdoar e que entenderão que sabem bem o lugar que têm no meu coração.
Um beijinho especial para a Mamâ da minha homónima e um grande, grande abraço sempr amigo
para todos da Maria José

De Gustavo Frederich a 30.08.2008 às 22:28

Querida Tia
Tenho gostado muito dos textos mas... não tem por
aí um poemazito que me alegre a alma.
Um desses seus poemas que deixam um rasto de
perfume, um caminho feito dos seus passos, onde
os nossos olhos olham para ver o que os seus estão
a fixar - lá - lá longe onde a sua saudade está
sentada a meditar, onde a sua liberdade escuta o
vento a rodopiar...
Os seus poemas são deliciosos porque levam a
minha alma a vagar, sonhando por caminhos seus
que eu gosto de olhar.

É tia querida
Gosto da sua forma de pensar...

Beijinhos tia

Gus

De Virgilio Fernandes a 31.08.2008 às 01:22

Olá Tiazinha...
Sou eu o Gílio - agora que todos estão a dormir,
vim aqui matar saudades a esta sua casinha linda.
Com tantas coisas onde ando metido... e me metem
... nem quase tenho tempo de vir visitar a minha
querida tia Zé.

Oh Tia queria tanto ir ao São Mateus e ir ter consigo
aí a sua casa - queria mesmo - mas o médico - o
Dr. sabe tudo... diz que ainda estarei na caminha
até finais de Setembro... uma chatice...

Tia e a sua exposição?
Já tem tudo muito adiantado? Imagino como deve
de ser dificil, ma s eu sei que vai ser um sucesso.
O meu Voinho fala muitas vezes de exposições
suas que que viuem Elvas, diz que a ultima que viu
foi num museu de arte sacra e que adorou.

Bom tia querida
Vou dormir mais um bocadinho. Já não tenho posição.

Muitos beiinhos meus
do seu sobrinho

Gílio

De Maria José a 02.09.2008 às 21:49

Olá Gilinho!
Repouso forçado! - paciencia.
É vivendo que se aprende a viver. Nem sempre é fácil
Mas...
Sei que tem tido boa companhia, o que já é uma bela ajuda e, penso, que também tem tido tempo para escolher uma profissão, ou,desporto, mais seguro do que domador de cavalos.
Meu marido foi oficial de cavalaria e como tal adorava saltar a cavalo e entrar em campeonatos de cavalo de guerra.
Realmente montar a cavalo é um desporto nobre e lindo que já comporta risco que baste para uma boa dose de adrenalina, não acha?
Fiquei mito enternecida por o Gílio ter desejado vir ao São Mateus.
Pena que o acidente tudo estragou
Ás vezes fico a pensar em como é bizarro que todos os meus amigos saibam onde estou, como sou, como fui, enquanto eu,apenas vos posso imaginar
Ponha-se bom e agarre no seu Pai , no seu Avõ e venham rever Elvas.
Valeu?
beijinhos - tia Zé

De Aura Lameiras a 31.08.2008 às 13:32

Lindo blog.
Por acaso apareceu-me e entrei...
Gostei deveras do que aqui tem. Um blog magnifico.
Bons textos de prosa e poesia (maravilhosa a sua
poesia, identifiquei-me nela.)

Tem aqui também uma boa colecção de fotografias
o que torna os teus de grande beleza, o que a vista
agradece.

Muitos Parabens

Aura Lameiras

De Maria José a 02.09.2008 às 22:13

Aura
Feliz acaso para mim que a pos no meu caminho.
Obrigada pela sua presença e pelo seu apoio
Quem escolhe as fotografias é quem me faz o blog - a minha sobrinha Paula
Um abraço
maria josé

De Maria Magda e Sá a 31.08.2008 às 13:36

Dona Maria José Rijo
Tem aqui um blog de muitissima boa qualidade.
Cheguei a ele por uma amiga do Funchal que lê todos
os dias estas delicias de textos e poesias.
Eu vivo no Porto e adoro este mundo da Internet. Por
isso a minha amiga me indicou este seu cantinho.

Os meus Parabens por tão lindo blog.
É muito criativo e os textos magnificos.
Desde já sua nova admiradora

Maria Magda e Sá

De maria josé a 02.09.2008 às 22:20


Maria Magda
Fico sempre feliz quando ganho uma amiga nova, e, logo da bela cidade do Porto.
Escrever só faz sentido quando alguém lê...
obrigada - um beijo
Maria josé

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2008

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.