Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Vento

Quinta-feira, 24.05.07

As árvores estremecem, dançam, as folhagens das copas tão desgrenhadas, que  nem refugio dão aos pássaros inquietos

As gelosias das minhas janelas abanam. O vento que passa usa-as para assobiar, silvando destemperado.

Não é música o que ele faz. São ameaças.

.Segundo os dicionários, Vento:- é o ar em movimento!

Mas, será apenas isso?

Atrevo-me a dizer que não!

E, faço-o contra ventos e marés!- Aqui está ! – estes “retóricos” ventos, e estas marés, não precisam de ar em movimento, nem de ondas, nem de mares no sentido real das palavras. São tempos, apenas tempos.

Mas, também o mar tem os seus ventos. Brisas do mar são aragens suaves e doces. Trazem sal a perfumá-las...

Trazem sal e sonhos. Trazem lembranças de aventuras e de caravelas..., trazem brancura de espumas e asas de gaivotas.

Respiram-se até à embriaguez, como devaneios de amor...

Todavia, também os mares se encapelam semeando pavores , com seus ventos medonhos de temporais e morte...seus estertores de agonia...

Os ventos têm nomes.

 Nomes de mulher os furacões , os tornados...

Nomes ternurentos, ás vezes.

Oh! Que ventinho, que arzinho, bom!- e, o leque, como uma pálpebra que piscasse apressada , esparge um sopro brando ao som  estremecido das varetas, como em cenas  românticas de tapetes de  Gobelins ou desenhos de Watteau...

Os ventos tropicais, os ventos alísios...o nome é quase afrodisíaco nas sugestões como a ideia de trópicos...

E, “o mistral,” seco e frio do norte de França... e, o “siroco”, quente e seco do deserto do Sara que visita o sul da Itália e as regiões costeiras do Mediterrâneo...E, o nosso suão... empestado, mortífero!- Quase podia dizer-se: - vento papão!-

Veio o papão e o levou – diz-se à criança, assustando-a.

Veio o suão e a levou, diz o lavrador da sementeira devastada.

E, o vento domesticado, obediente, a produzir energia, colaborando com o homem. Até o nome é bonito! – energia eólica. Eólo era o deus que mandava soprar os ventos. Que os ventos também têm seus míticos mistérios!...

Há os ventos favoráveis, os ventos contrários, os ventos do largo, o vento de rachar, o vento de feição, o ir de vento em popa, há o beber os ventos por alguém, o andar ao sabor dos ventos, há os ventos ruins, os ventos de desgraça, os cheios de vento, o andar com todos os ventos, o adivinhar os ventos, há o sopro de vento, o cabelo ao vento, e o atirar aos quatro ventos? E os filhos do vento?- e, o pé de vento!, o espojinho? - que é o rodopio das bruxas! - o redemoinho?...

E, vento em fúria, louco, destruindo, arrasando. na dança arrepiante do tufão que desenraíza arvores e casas e as eleva como quem louva a malvadez, e gera  apocalípticas misérias!

Estar solto no vento – é estar livre. Que o vento é indómito, mas livre...É livre, porque é louco. Só a loucura é tão livre como o pensamento...

Também os ventos da história, não precisam do ar em movimento. E, deles, toda a gente fala...sendo embora tempos, apenas tempos de  mudança... 

E, quem diz que palavras leva-as o vento? – Acreditará nisso’?

Também o vento leva o pólen das flores promovendo a reprodução, ajudando na criação...

E, as palavras, para onde as leva o vento?- Que rasto deixarão?...

Que a palavra só vale se escutada; ainda que o vento depois a leve, já não há remédio, é como ele, que, depois de solto ninguém mais o recolhe...

O vento trouxe a chuva, que escorre pelas vidraças da minha janela, tamborilando, prendendo-me a atenção. Afastando do meu pensamento as memórias que o vento em mim  acordara!

A chuva é repousante. Amainou o meu coração como o vento amaina sobre o mar, quando o sol se põe, e deixa de enfunar as velas e obriga os pescadores a remar, esforçados, de regresso até à praia...

Não mais velas pandas...com barcos deslizantes!

Não mais lembranças soltas ao vento. Há sempre um momento em que tudo se aquieta na alma da gente.

 E  sossega, como até os bons e os maus ventos...

                                                 Maria José Rijo

                                  Escritora, poetisa, Articulista, Pintora,

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.652 – 5/Abril/02

Conversas Soltas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:59





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2007

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.