Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



REZAS E BENZEDURAS III

Segunda-feira, 03.09.07

             Minha lindíssima Tia Francisca Amália - irmã mais nova de minha Avó

 paterna, a quem deferentemente tratava por “Mana” - namorou quanto desejou (privilégio de sua distinção , graça e beleza) esteve noiva de um Marquês de Alvito e morreu  aos noventa anos - solteiríssima - por sua escolha.

          Foi dela que minha irmã e eu recebemos uma notável herança de memórias e tradições de família, já que, quando Deus chamou nossa Avó ainda eramos tão jovens que não avaliavamos a importância do legado que nos era, por ela, oferecido.

Francisca Amália - a Tia Chica  -  quando se viu como a representante mais idosa da família - chamou a si  - naturalmente - o legítimo direito de dirigir as “relações públicas” com a Corte Celetial - como já minha avó M. Bárbara  fizera ao suceder nessas funções a sua Mãe  minha bisavó Mariana. Todas bondosíssimas e devotas senhoras.

Sabiam o Santo ou Santa a invocar em cada circunstância e a forma de o conseguir – ou seja: - a reza adequada.

         Lembro-me que quando deram, por engano, salsa ao canário junto com alface - o passarinho morreu por subida de tensão  - como diagnosticou o veterinário que veio  apreciar o drama.

Pois, mesmo assim, partiu reconfortado com uma prece a S. Francisco de Assis, que, era suposto tê-lo feito ressuscitar pela fé de minha tia e pela nossa choradeira - o que - obviamente , não  aconteceu.

         Naqueles tempos ninguém saia de casa sem pedir permissão para o fazer, dizer para onde ia e dar um beijo de cortesia a pais e parentes.

         Eram esses os costumes.

         Daí que ninguém saísse à porta sem ser abençoado ou responsado, por eles, amorosamente.

                                   (desenho de Manuel Jesus (1933-2001)

                                                               @

 Fazendo o sinal da Cruz, assim, rezava por nós minha tia:

 

“ Na arquinha de Belém seremos nós guardados

Com o leite da Virgem seremos borrifados

O Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo

teremos em nossos corpos.

Para  que não sejamos presos, nem mortos

nem maltratados, nem da justiça apanhados.

Caminhos escusos andaremos

Os maus e os bons encontraremos.

Os maus não nos verão e os bons nos guardarão.

E andaremos  tão  em paz e tão salvos como os

fradinhos de S. Francisco

quando receberam as cinco chagas  de Cristo.

Chagas abertas, coração ferido, sangue de Nosso Senhor

Jesus Cristo

derramado entre nós e o perigo.

Anjo da nossa guarda - nos guarde

Santas e Santos dos nossos nomes e todos os

Espíritos em geral

e Vós em particular Santíssima Virgem -

tomai-nos na vossa protecção.

Defendei-nos de todas as tentações do demónio

e alcançai-nos

em Deus (um dia, uma noite, uma viagem, o que

se pretender)

sossegado e feliz.

A graça de uma santa e ditosa morte que nos

conduza à vida eterna

- Amém ! “

 

                  Considero este responso um poema enternercedor.

                  Uma verdadeira delícia de ingenuidade, beleza, doçura e fé.

                  Quando evoca os “fradinhos de S. Francisco” - até me parece vê-los, na modéstia dos seus hábitos, como formiguinhas deligentes arrostando temporais e perigos - amparados na sua fé - calcurreando montes e vales para  espalhar o bem.

                  Pode o tempo e a idade dar-nos uma visão diferente dos factos que na infância vivemos com uma emoção e simplicidade irrecuperáveis.

                  Pode.

                  Porém, nada, rigorosamente nada, altera a evidência da força do amor – do sonho indomável de desejar proteger - resguardando do mal aqueles que  nos são queridos.

                 Hoje, com 97 anos, poderia ser minha mãe e chamar a si estas rezas e benzeduras.

                 Nunca o fez, nem o fará – são outras as suas raízes.

                 Mantem-se fiel a Nossa Senhora e ao Divino Espirito Santo. Recita o Pai-nosso, a Avé-Maria, o seu Terço diário.

            Chamei, por isso, a mim estas reminiscências. E, agora que os Candidatos à nossa Câmara Municipal já tomaram lugar na grelha de partida – para amenizar tamanha responsabilidade resolvi responsá-los a todos.

               É que bem precisamos todos da graça de Deus.

              Eu os responso:

                                      “ Que lhes valha S. Silvestre

                                         E as três camisas que ele veste

                                         E as três toalhas de altar

                                         Que não haja homem ou mulher

                                         Que lhes possa fazer mal “

 

                    Tratados assim, tão democraticamente, por igual espero que o vencedor ao ser confrontado com alguma opinião divergente - que sempre houve, há, e haverá opiniões diferentes - não se julgue perseguido ou vítima de mau olhado.

                                            Maria José Rijo 

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.409 – 4 – Julho-1997   

Conversas Soltas    

@@@ 

Livro Publicado em Novembro de 2000    

Muito interessante

Pode adquirir este livro no Jornal Linhas de Elvas

                             

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:35





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30


comentários recentes

  • Anónimo

    ADOROAdoroooooooooooooMeu Deus Tia gosto imenso de...

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.