Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ano Novo

Quarta-feira, 26.12.07

Todos temos as nossas pequenas manias.

Por vezes nem temos delas consciência, de tal modo estão arreigadas nos nossos hábitos.

São gestos, frases, reacções, atitudes, que nos são tão próprias, que nos estão tão grudadas como a própria pele e, de que só por acaso ou por reparo de alguém próximo identificamos.

Eu tinha, e ainda conservo, o jeito de apressar qualquer trabalho dizendo: então, vamos!E, só disso, me apercebi, quando um amigo me perguntou, inocentemente: - em meio do trabalho-  aonde queres ir?

Consciencializei-me então de que não seria aquele o meu único estribilho, e reconheci que também tinha por hábito repetir versos soltos de alguns poemas que me ficaram, como música, no ouvido, ou, mais do que isso – presos na minha sensibilidade.

Assim, sempre que me sentia prisioneira de convenções ou compromissos que me incomodavam, lá estava eu a repetir – de Manuel Bandeira –: - Vou-me embora para Pasárgada, lá sou amig(a) do rei!...

E, quando “acordava” para qualquer desilusão que me doía ter sido possível, lá vinha – de GarrettEu tinha umas asas brancas – asas que um anjo me deu!...adaptando, assim o poema, à minha realidade.

E, no dia em que no mercado, ao escutar do vendedor a informação de que as maçãs eram do norte, (o que inconscientemente, com um verso da lenda das amendoeiras, comentei) – do país da neve fria! – Tive que sufocar uma gargalhada quando, com um ar, sincero, de piedosa comiseração ele me “elucidou”o norte é no nosso país, lá para cima, senhora! E, eu agradeci, muito séria, enquanto pagava a compra.

Vem esta conversa a propósito de que, ao ter escrito: Ano Novo, como epíteto desta crónica, me ocorreu que, cada

ano novo, por contraste, nos torna menos novos... e pensa-lo acordou na minha memória uns belos poemas, também de Manuel Bandeira que desde sempre me encantam:

 

 

“Preparação Para a Morte”

 

A vida é um milagre.

Cada flor,

Com sua forma, sua cor, seu aroma,

Cada flor é um milagre.

Cada pássaro,

Com sua plumagem, seu voo, seu canto,

Cada pássaro é um milagre.

O espaço, infinito,

O espaço é um milagre.

O tempo, infinito,

O tempo é um milagre.

Tudo é milagre.

A memória é um milagre.

A consciência é um milagre.

Tudo, menos a morte.

-          Bendita a morte, que é o fim de todos

os milagres.

 

 

O Último Poema

Assim eu quereria o meu último poema

 

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos

intencionais

Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas

Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume

A pureza da chama em que se consomem os diamantes

mais límpidos

A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.

                                  

   

Apetece-me acrescentar: 

Assim eu quereria o meu último dia; – assim eu quereria todos os dias da minha Vida – como um poema perfeito que sempre rimasse com amor à Vida, e graças a Deus.

BOM ANO NOVO!

 

                                                  Maria José Rijo

@@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.846 – 29 / Dez./ 2005

Conversas Soltas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:22

ENXOVALHADA

Quarta-feira, 26.12.07

No dia das amassadura deixa-se um pouco de massa de pão no fundo do alguidar, coisa de 1 quilo.

Picam-se e aquecem-se uns torresmos, dos que ainda restam da matança – cerca de 250g.

Sovam-se na massa. Junta-se o açúcar, mais ou menos 250g e meia chávena de leite.

Deita-se a massa num tabuleiro untado com banha beliscando-a por cima para ficar aos bicos.

Polvilha-se generosamente com açúcar e canela, e coze em forno quente.

Com o calor, o açúcar cristaliza e fica a brilhar sobre a massa como a geada, nos campos, nas manhãs frias de Inverno…

                                    

                                                  Maria José Rijo

@@@@

Colecção de Gastronomia - Doces

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 20:34





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2007

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


comentários recentes

  • Anónimo

    Minha tão querida Tiaque BOM que se recordou de mi...

  • Anónimo

    Lindo,como sempre

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos