Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Postal nº 6 - Colecção de Gastronomia - Ameixas

Sábado, 12.01.08

Só as ameixas, até agora, têm continuado a ser preparadas segundo o velho ritual:

Escolhem-se frutos são e rijos antes de atingirem a perfeita maturação.

Espera-os ao lume, em grandes tachos amarelos, a água ainda fria.

Logo que levante fervura, as ameixas começam a flutuar.

Verifica-se, apertando entre os dedos se o caroço está solto.

Retiram-se imediatamente da breve cozedura com uma espumadeira e mergulham-se na calda de açúcar (quase sem ponto – peso por peso), que também já fria as aguarda nos alguidares de barro.

Descansam assim 24 horas.

 

                                             Maria José Rijo

@@@@@

Colecção de Gastronomia - Ameixas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:29

Falas tristes de Outono para a Carmita

Sábado, 12.01.08

            Estes fins de Verão...

            Estes primeiros indícios de Outono...

            Estes verdes das folhagens resistindo já timidamente à efusão dos amarelos que a estação impõe...

            Estes ares lavados pelas chuvas violentas e breves...

            Esta humidade latente que da terra emana...

            Esta luz doce, clara e limpa. Linda e triste como um adeus sem retorno...

            Tudo somado chama a velha lembrança do recomeço das aulas. O reencontro aconchegante com roupas mais grossinhas e confortáveis...

            Evoca as tardinhas mansas que as castanhas assadas perfumavam estalando nos fogareiros crepitantes das vendedeiras alapardadas em barraquinhas pelas esquinas das ruas onde o vai-vem da estudantada era mais do que certo...

            Denunciava-as o cheiro e um fumozinho azul, ondeando sob a batuta do abanico que lá ía espevitando o lume.

            O cartucho de papel pardo, o passar de mão em mão com gritinhos de prazer – que – do assador, quentinhas e boas, saiam escaldando como brasas.

            Estes fins de Verão.

            Estes fins de Verão são como fins de sonhos.

            Despojam-se as árvores. Recolhe-se toda a sua força e vitalidade aos labores misteriosos das raízes.

            Começa a apetecer o lume, a sopa quente, o canto da casa, o serão tranquilo, o nosso canto.

            Mesmo sem o desejar, qualquer de nós evoca, pensa, sofre, sonha.

            Como as árvores – interioriza – e sente-se perturbado com o vigor das recordações que teimosamente permanecem vivas e nos alimentam como o ar que se respira.

            Como a seiva das árvores as vai alimentando em secretos silêncios.

            Toda a madrugada a chuva bateu nas vidraças e foi molhando o asfalto até espelhar o casario e as luzes da rua.

            Perturba os sonos leves e faz música de fundo para a insónia de quem recorda e resiste a sucumbir à saudade e ao sofrimento que sempre se guarda no segredo da alma.

            Mas, a chuva cessa. A manhã nasce. Como que um espreguiçar de vontade nos sacode, arrepia e acorda em cada dia como as árvores hão-de acordar em cada Primavera.

            E, como se nos segredasse ao ouvido uma voz que a memória fixou para sempre apreende-se a mensagem que herdamos como despedida: Não esqueças.

- A vida continua!

           - Vai em frente!

            Afinal, assim terá que ser até que Deus queira.

           Os foguetes enchem os ares. Fazem nuvens pequeninas que o vento afasta.

            Nuvenzinhas de brincar.

            As bandas ao sol tocam o hino que comove a cidade que o sabe de cor e o repete e reza.

            A procissão passa.

            São filas imensas. Cada um vale por um passado, marca o seu presente e carrega anseios de futuro, de esperança.

            A noite destaca as luzes do arraial, que os Pendões já recolheram e a festa soberana marca o compasso da vida da Cidade – da tua Cidade – a nossa Cidade.

            “Guarda a tua dor e faze dela um poema” – disse Goethe.

 

                                    Maria José Rijo

 

@@@@@

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.369 – 27 / Set./ 1996

Conversas Soltas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:18





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Janeiro 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.