Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Evidências

Quarta-feira, 10.12.08

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.636 – 14-Dezembro-2001

Conversas Soltas

 

 1 de abril pinoquio

Qualquer pessoa reconhece sem dificuldade que o comportamento do político, em campanha, lembra muito a do vendedor da banha da cobra.

Tal como o charlatão que tem pomadas mágicas que saram todos os males, desde tirar os calos até fazer crescer o cabelo, também os políticos têm a receita da poção milagrosa que resolve, num piscar de olhos, todos os problemas do mundo.

Qualquer ambicioso, astuto, conhecedor de um pouco da psicologia humana, se transforma num ser iluminado pela habilidade com que manipula a boa fé dos mais desprotegidos, e se compromete e envolve com os mais influentes.

                

Claro que há excepções.

Há políticos que exercem as suas funções durante anos e voltam à vida privada limpos de consciência. Com situações económicas idênticas àquelas de que fruíam no início das suas carreiras, e, há os outros, para quem a política é o trampolim de onde, de salto, em salto se vão projectando cada vez para mais alto, não importa à custa de quê.

Há quem sirva com isenção.

Há quem sirva, servindo-se.

Há de tudo.

Nesta altura de eleições, muita coisa se descobre, e se destapa.

Percebe-se perfeitamente que, se mais não se denuncia, é porque os denunciantes, algumas vezes, também têm o rabo preso – como costuma dizer-se...

Agora, o escândalo, em foco, é o caso da ponte Vasco da Gama.

Não gosto da classe política – de uma maneira geral – é evidente.

Todos nós sonhamos com a democracia.

Alguns, por ela lutamos. Por ela sofremos.

Falo com conhecimento de causa.

E, dela, do sonho de liberdade, de justiça, o que resta?

Alguém terá dito que a Democracia é (se tornou) - “a ditadura da maioria”. Sou levada a pensar, que a definição está bem encontrada.

Por quase todos os lados, choveram pequenos ditadores, para quem a Democracia, é apenas a obrigação que a todos é imposta de obediência aos seus desígnios – sem excepção!

SUCESSO

Não posso crer que seja no clima ao rubro dos comícios que se tomem as decisões mais certas...

Também, não me convenço que, com as dificuldades e privações que muitos suportam no dia a dia - de trabalho precário - tantas vezes, as pessoas disponham de tempo para avaliar, outros problemas, que não os seus, e estejam preparadas para um juízo esclarecido que possa conduzir a um voto em função da causa colectiva.

                      

Assim que, quem dispõe de poder, para martelar os seus desideratos até fazer uma completa lavagem de cérebro aos incautos pacientes acaba sempre, como nos contos de vigário, conseguindo os seus fins.

Vale tudo! Caravanas, festivais, excursões, carnavais, jantaradas, panfletos, o cão ao colo para ladrar, o gato para miar! Enfim: - tudo o que possa ser credenciado a favor dos mandantes, nem que seja em termos de maior volume de poluição sonora...

Engrossando os cortejos, uma legião de gente, dependente dos humores dos líderes pelos contratos a prazo, que os mantêm em equilíbrio de funâmbulos...

Pela irregularidade das benesses recebidas...

Devia ser obrigatório, nestas faenas, a música, aliás linda de:” o circo desceu à cidade.”

Porque de circo se trata, onde não faltam ilusionistas, malabaristas, equilibristas na corda bamba, e por aí fora...

A aposta maior, dos políticos, tinha que ser na formação de novas mentalidades, na educação, na justiça social, – no elemento mais importante, - o  ser humano...

Só que essa sementeira é lenta, não dá dividendos imediatos...

Então! – Aposta-se no exterior... no brilharete, na aparência...

                  

O que mais se avista por Portugal inteiro é o reino do betão que desfigura, aleija, fere de morte a nobre sobriedade do que era belo de raiz.

Felizmente que a vaidade bronca dos seus promotores os faz identificar com lápides as proezas cometidas... como se fossem feitos históricos.

Assim, pelo menos, não pagará o justo pelo pecador.

Valha-nos isso!

 

 

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 22:14

Desafio

Quarta-feira, 10.12.08

  

 

 

 

 

 

 

 

   http://linhaseletras.blogs.sapo.pt/

 

 Fez-me este desafio :

 

 
Quem recebe o “Prémio Dardos” e o aceita deve:
 
 
1. Exibir a distinta imagem;
2. Linkar o blog pelo qual recebeu o prêmio;
3. Escolher8 outros blogs a quem entregar o Prémio Dardos.”
 
 
-O desafio consiste em partilhar 8 sonhos
-Comentar no blog de quem desafiou
-Desafiar 8 blogs e comentá-los
 
OS MEUS SONHOS:
 
1 -- Que se respeite a Declaração dos Direitos do Homem
2 -- Que se respeitem os Direitos das Crianças
3 -- Que se respeitem os Direitos dos Animais
4 -- Que se respeite o Ambiente
5 -- Que as crianças cresçam em bem e para bem
6 -- Que todas as vidas sigam por caminhos de Luz
7 -- Que Deus me conserve Lucida e independente até ao fim
8 -- E que eu termine tão lenta e suavemente como uma cor que se esbata até que o tom se lhe ausente
 
Blogs que desafio:
 
1 --  http://www.coisasimplesepequenas.blogspot.com/
 
2 --  http://ncescada.blogs.sapo.pt/
 
3 --  http://cadernodalua.blogs.sapo .pt/
 
4 --  http://flosinha.blogs.sapo.pt/
 
 

                        

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 14:57





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2008

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...

  • Anónimo

    Boa AmigaSou o filho de Augusta Silva Torres que a...

  • Anónimo

    Eu sabia... sabia que era este mês que a tia fazia...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.