Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Imperativos de Consciência - como um toque de Aléluias

Sexta-feira, 28.05.10

A Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1870 – 5 de Abril de 1985

Imperativos de Consciência – Como um toque de Aleluias

 

 

Muitas vezes – quando uma tarefa se me impõe como inevitável – e a minha comodidade a rejeita como enfadonha ou difícil – penso na Maria João!

A Maria João Cabral aí pelos seus 9-10 anitos como um botão em flor.

Espigadota, magrita e com a palidez das crianças alouradas que não são muito robustas fisicamente – a Maria João frequentava a escola – como toda a gente da sua idade – mas, não era toda a gente!

 Então, um dia – por um Março Gonçalvista – um professor começou a gastar o tempo que lhe pagavam para leccionar matéria determinada – fazendo propaganda politica, violenta e virulenta contra a igreja etc, etc, etc…

As crianças mais ou menos resignadas, conforme o ambiente de que provinham, ouviam pacientes.

Foi então que Maria João se levantou da sua carteira e, de pé, com a delicadeza e correcção, que aprendera em sua casa, disse qualquer coisa como isto:

--“ O Senhor Doutor dá-me licença que interrompa” – E, quando o professor lhe deu assentimento para que falasse, na sua vozinha musical, a Maria João continuou:

--“Os meus pais são católicos praticantes e eu ando a preparar-me para fazer a minha Comunhão Solene e se o Senhor Doutor não pode deixar de falar da religião dos meus Pais e minha, faz favor de me dar licença para sair porque não me sinto bem com a minha consciência ficando aqui! ”

Seguiu-se um silêncio expectante. A menina tinha corado até à raiz dos cabelos, tinha lágrimas nos olhos, mas continuava de pé, de cabeça levantada, com dignidade e sem provocação – antes com humildade.

Então o professor decidiu:

--“Podes sentar-te!” E, sem comentários, mudando de assunto recomeçou a ensinar a disciplina da sua especialidade.

A Maria João como fizera o que achava imperativo de consciência – coisa justa e natural – nem contou aos Pais.

Porém, as colegas e os telefonemas começaram a surgir porque os Pais dos outros meninos queriam felicitar, quer a criança, quer a família que alimentara numa menina tão frágil, tamanha força de alma.

Depois, despoletada a coragem, com este exemplo, os Pais das crianças reuniram-se, elegeram uma comissão, foram falar com o conselho directivo da escola e conseguiram que a “politiquisse” fosse excluída das aulas.

 

Nesta altura da vida do nosso país em que os politiqueiros, a politiquice e a parlapatice -  tudo infesta – era bom, que cada um que tem “voz” para puder ser escutado parasse e visse (como aconselha RILKE em “Cartas a um Poeta”), se o que diz e o que faz “Tem raízes no mais profundo coração”.

 

Se assim for – que o diga, ou o faça com: “uma sinceridade íntima, calma e humilde” – porque então, até os que mais gritam hão-de reconhecer – como no caso da Maria João Cabral - que a sua coragem é filha da força e da pureza que têm os imperativos de consciência.

 

Maria José Rijo  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 16:10

Dia da Mulher

Segunda-feira, 24.05.10

 

 .

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 14:59

Obrigada e Parabéns

Sexta-feira, 21.05.10

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1790 – 14 de Janeiro de 1985

Á Lá Minute

Obrigada e Parabéns

 

Se eu fosse capaz, a tão curta distância, de pôr em ordem as minhas emoções penso que ficaria aqui, longamente, a falar sobre a festa da Escola do Ciclo Preparatório de Elvas, a que fui, como artesã, convidada.

Não é por acaso que se diz que os velhos são melhores contadores de histórias. É que eles, as amassam e as depuram por longos anos, no segredo dos seus corações.

De imediato, quanto a mim, sei e sinto que hei-de guardar dela a lembrança dum dia bem vivido e de tocante ternura.

Tanta criança! Tantos olhos curiosos, atentos, deslumbrados às vezes!

-- “Vende”? – “Não”!

-- “Posso mexer”? --”Sim”!

-- “Quanto pago?” – “Nada! Estava ai à tua espera!”

A surpresa, a alegria, o gozo de experimentar a novidade.

Quem pudera responder àquele: “Quanto pago?” – com a resposta certa:

-- “Esta mostra é a porta de um dia nascido sem poente”…

-- Todos quantos o desejarem – venham! – Venham! – Venham investir na aventura de tentar dar forma por vossas mãos, ao que ainda é anseio incipiente, sonho latente das vossas cabecinhas…

 Um menino mais cobiçoso chocalha um bolso cheio de moedas:

-- “Tenho sessenta e tal escudos!” – o custo de um gelado!

Uma fortuna de menino!

E tudo isto na véspera do dia Mundial da Criança.

Depois… depois foram os poetas populares, ingénuos, brejeiros, filósofos.

Os ranchos – a fanfarra – os barros – os cestos – as flores de papel e as decorações recortadas à tesoura com perícia. As figurinhas animadas contando a história da farinha. Os cavalos esculpidos em madeira, os bonecos pintados, o cafezinho quente e os meninos interessados a ver, a rirem a gostar…

Os tapetes de Arraiolos, seguros do seu futuro como gente rica!

O Ancião com as mãos a fazerem quase sozinhas o tecido de palhinha do fundo das cadeiras…

A Senhora de S. Vicente: - mulher portuguesa de boa cepa, pau para toda a obra. Faz bonecos, malhas, rendas, arranjos domésticos, versos, cantigas.

Canta conselhos de Mãe:

 

“Como vêm meus meninos,

O trabalho não custa nada,

P’ra quem trabalha de gosto

Passa uma vida encantada”

 

Que ideia grande teve o Corpo docente da Escola ao mostrar às crianças da época da electrónica, o parentesco que une coisas e pessoas através dos tempos

.

 

Parabéns! Parabéns e obrigada – até porque sendo alguns professores tão novos que nunca viram lavrar com o arado – mais se lhes agradece este respeito pelo passado – avô do nosso tempo – cuja memória é importante preservar.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 15:29

18 de Maio

Terça-feira, 18.05.10

 

.

 

 Tantas horas de silêncio

tanta esperança, tanto mêdo

tanto querer e recear

tanto pudor violado

nessa muda gestação

nessa coragem de ousar

que a alma fale mais alto

para o poema nascer

frente a um mundo absorto

que ignora a dor do Poeta

se o poema nasce morto.

..

 

Para o GUS

afectuosamente com

beijinhos de

Parabens

da

 

Tia Zé

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:35

Foi assim...

Quarta-feira, 12.05.10

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.787 – 24 de Maio de 1985

Foi assim…

 

Não é por gosto que trago a lume este assunto mas, parece-me lícito, que o faça porque tive o meu nome nele envolvido publicamente.

Há algum tempo contactaram-me telefonicamente pedindo a minha participação em tarefas ligadas ao turismo.

Não me reconheço com dotes ou capacidades particulares para tanto, dado que a minha “especialização” é apenas como dona de casa e, até essa, adquirida empiricamente.

Foi portanto servindo-me da “minha lógica profissional” que pensei:

- Para uma cidade cativar viajantes e “prende-los” terá que ser tratada, limpa e valorizada nos seus recantos, tendências e pormenores como se faz com uma casa.

- Terá que respirar tudo quanto lhe dê carácter e a distinga das demais.

- Para entreter quem a visite terá que saber “conversar” isto é: falar do seu passado, das suas origens e tradições terá que saber fazer ouvir a voz da sua história, dos seus monumentos e, para que se entenda o seu

presente terá, em tudo quanto fizer ou disser, de mostrar bem: quem é e de onde vem.

- Terá, porém, que o fazer com a autenticidade que usamos em família ao reconhecermos ter herdado da Avó o jeito de fazer renda ou outras tendências e particularidades que são desde as travessuras da filha namoradeira, aos chapéus da tia exótica…

Pensei que teria para tal que fazer um plano de trabalho bem cuidado para aproveitamento de Fortes, Castelo, Contraminas, Muralhas, trajes, Artes, Costumes… com o mesmo amor e respeito que nos faz conservar “Os tarecos” esfolados e cheios de marcas que a família nos lega e não queremos, por nada, ver adulterados para que não percam a verdade que respiram.

- Pensei que especialistas em diversas matérias, poderiam ajuizar das prioridades, possibilidades e custos de adaptação, deste ou daquele edifício para instalação do Museu da Lavoura (para o qual, ao que ouvi, há um património valiosíssimo a pedir já cuidados de conservação…)

-- Pensei em campanhas e diligências para adquirir meios e fundos…

-- Pensei numa recolha de velhos trajes de trabalho que mostrassem a sua evolução através dos tempos…

-- Pensei na riqueza da gastronomia de Elvas que vai desde a comida matinal do brinhol na praça, até ao borrego comido no campo em segunda-feira de vale… passando pelos afamados doces, ameixas, espargos, pimentos, etc…

-- Pensei na reedição dos Jogos Florais Luso-Espanhois…

-- Pensei na instituição dum prémio de jornalismo para a melhor reportagem sobre Elvas (a nível do país).

-- Pensei nas possíveis formas de captar o gosto das pessoas – desde as escolas – para cuidar e proteger árvores, parques, jardins… (em resumo cuidar da cidade).

-- Pensei convidar a população a caprichar nesse seu jeito – tão seu e tão alentejano que é o arranjo da rua frente à casa… - - o gosto do asseio.

-- Pensei nos condicionamentos do clima e situação geográfica, que dá para turismo de passagem – mas não – para turismo de fixação…

-- Pensei que há-de haver quem descubra as voltas possíveis para que o 14 de Janeiro – Aniversário da Batalha das Linhas de Elvas – ganhe o eco nacional – a que tem direito.

- Porem, tive que me ausentar de Elvas imediatamente a seguir ao amavel convite recebido do Senhor Vereador do Pelouro – e que em principio aceitaria se…

Quando regressei, ainda em meio do sonho das questões que gostaria de ver debatidas pela Comissão – fui confrontada com um programa já definido, publicado nos jornais e em vigor.

Como é óbvio reconheci-me absolutamente desnecessária!...

Continuo convencida de que, se quisermos – e julgo que devemos pensar – “nos netos dos netos, dos nossos netos” – faremos com toda a humildade a nossa caminhada…

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:27

Pc avariado

Domingo, 02.05.10

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 12:59





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Maio 2010

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


comentários recentes

  • Anónimo

    Lindo,como sempre

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...

  • Anónimo

    Titia queridaQue alugria nesse seu aniversário.Des...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos