Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fui do mando da cidade

Terça-feira, 30.08.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.859 – 24 de Outubro de 1986

A La Minute

FUI DO MANDO DA CIDADE

 

Fui à feira!

Fui a Santarém – à Casa do Campino – onde ela está a decorrer

desde 18 de Outubro até 21 de Novembro, para quem a queira e possa visitar.

Bem organizada – pessoal correctíssimo, amável, eficiente.

Feira viva e colorida.

 

Há mostra de tudo!
Bordados, cestas, estanhos, cobres, latões, latas, barros, trapos, tecelagens,
brinquedos de madeira – dos antigos – articulados com guitas e arames –


pintados de cores berrantes, filigranas… e, a par com esta variedade incontável
de maneiras de utilizar os materiais, por mais pobres que sejam – em que a mão
do português é mestra e perita – está também Portugal do Sul ao Minho, a
compita – nas “Tasquinhas”.

“Dons Rodrigos” e outras

Quase se poderia almoçar só de perfumes e rematar com a

fragrância do “café Delta” – que também lá está
com presença de marca.

Mas… a tudo isto fui do vosso mandado e vos trago estas notícias.

Acompanhei as meninas funcionárias do Turismo em que a Câmara deliberou apostar para nos
representarem, com a cozinha de “A Nossa Gente”, estreada no S. Mateus.

Fui preocupada e esperançosa como a Avó que leva a neta ao baile. Voltei contente.

Vi a representação de Elvas apreciada, visitada com interesse e aprovação, louvada
até, algumas vezes – muitas vezes.

 

O Sr. Secretario de Estado, e demais entidades que fizeram a inauguração,

provaram com delicia as azeitonas que tão amavelmente a “Cooperativa agrícola do Caia”

 

ofereceu ao Turismo para propaganda da nossa terra, receberam o nosso cartão de visita e
falaram com respeitosa atenção com os nossos artesãos que para eles cantaram.

Trago “de lá” este recado para dar à cidade que mandatou o Presidente da Câmara

que assim nos orienta.

 

Fomos convidados – Elvas foi convidada especialmente – para estar
presente na “Feira da Agricultura 1987”.

Com esta missão cumprida ficamos a sonhar com a “Casa da Cultura” 
a “Universidade Popular” e… outros “recados” que a cidade nos dá e que,
se em verdade tiram à Câmara o descanso, lhe dão a força que há outras pessoas
que, como ela, se empenham a desejar que se cumpram programas sonhados e, se
sonhem programas para cumprir.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:09

A VERDADE DOS MITOS

Domingo, 28.08.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.861 – 7 de Novembro de 1986

A La Minute

A VERDADE DOS MITOS

 

Uma das minhas histórias
preferidas, quando era criança, contava a vida de uma princesa, que em todos os
momentos de pavor que tinha que suportar, ao atravessar a floresta de cobre, de
prata e de ferro – sempre defendidas por horríveis dragões que vomitavam chamas
– se via “in extremis” – salva miraculosamente, porque nascera com uma
estrelinha de oiro na testa.

Nas histórias antigas, as meninas princesas boas, eram de beleza idílica e

bondade sem mácula e sofriam tratos de polé pela inveja de madrastas,

que eram sempre feias e más, pavorosas como sustos!

Como as histórias eram tecidas de terrores, maldades e
generosidades de dimensões impensáveis, ficava-se a saber que todas estas
coisas eram mais antigas no mundo do que as próprias histórias, já que eram
estas que as narravam.


Claro que nestes contos
do maravilhoso, os milagres, quero dizer, os acontecimentos fora do comum,
sucediam aos bons e aos maus. Assim, as lágrimas podiam ser pérolas, quando
vertidas pelos bons, enquanto os maus choravam sapos e caganitas de ratos.

Também no fim das
embrulhadas os maus eram punidos duramente, enquanto os bons recebiam
recompensas mirabolantes… casas cobertas de pedrarias, príncipes ou princesas
para consortes, e quer eles, quer elas, também exemplos insuperáveis de
virtudes, beleza, juventude, graça… aliás era um estado de graça que ficavam
depois a viver para sempre…

Não sei muito bem
porque, e se o suspeito calo por não ter a certeza - aqueles contos fantásticos
que sempre tinham sentido e intenção acodem-me muitas vezes ao espírito.

Vejo as florestas de cobre em cada árvore que o Outono despe,

com o sol a incendiar os tons de laranja das folhas que esvoaçam e

também vejo as florestas de ferro em cada pinheiro ou eucalipto queimado,

ainda de pé e já sem mais esperança de verdes renovados…

Vejo a prata no brilho de cada copa florida de branco quando os frutos

são ainda promessas…

Sei, sabemos, como são comovedoras e belas – verdadeiras pérolas –

as lágrimas de ternura, e como são revoltantes, asquerosos como feios

repteis ou fétidos ratos os sentimentos maus.

No entanto, nas histórias reais também o bom e o mau – fadas e bruxas –

de cuja mistura todos somos feitos se degladiam dentro de cada um.

E, se ninguém encontra, quando passa a mão pela testa, a tal estrelinha

que dá imunidade e garante o bem, o prémio, o conforto depois de qualquer

légua de caminho, ou luta terrível com perigoso dragão

 – não porque a estrelinha não existe – ela é o ideal porque se
orienta cada vida, para a qual se aponta o sentido de cada existência.

Por isso, à última hora, “in extremis”, quase sempre se salvava a princesa

idilicamente bela porque era a imagem daquilo que se propunha defender,

o Bem e a justiça, pelos quais lutava com resignação e coragem. Eis que,

compreendido ou não, cada um, tem que lutar e sofrer pela “estrelinha”

que o guia porque “in extremis” a fé o salvará.

 

Maria José Rijo 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:26

Tempos livres...

Quinta-feira, 25.08.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.852 – 29 de Agosto de 1986

A La Minute

Tempos livres

 

Andam e cirandam lá pelos corredores em pequeninos bandos. Andam contentes, trabalham e fazem obra asseada. Limpam os livros um a um e folheiam-nos procurando mazelas e defeitos que registam com minúcia. Como no todo elas são bastantes, a tarefa progride a jeito.

É tudo gente nova. Usam bibes e aventais para protecção das roupas de sair e ficam com um bonito ar de intimidade entre as estantes abarrotadas de velhas obras cheias de sabedoria.

Riem. Riem, como os pássaros cantam. A alegria é-lhes natural porque são novas. Tagarelam enquanto trabalham.

Ás vezes olho-as e digo qualquer coisa que provoca replica. São rápidas na defesa e no ataque.

São lúcidas. Fazem projectos em que entram os “proventos” a receber. Não sei dos seus anseios.

Não me abeiro da intimidade de nenhuma delas. As nossas relações limitam-se da minha parte, a faze-las interessar pelo projecto de trabalho em que se integram, e a parte delas, é a colaboração tanto mais válida, quanto melhor entenderem o que estão a fazer.

Já andam por lá como em suas casas, e é isso que é bom de ver.

Aquela vinda de grupo, aquele trabalho participado, aquela experiência diferente – torna-se numa recordação gostosa de evocar mais tarde, com filhos e netos – penso eu.

Têm caras engraçadas, cabelos longos ou curtos, silhuetas de juventude – tristeza no olhar – às vezes.

Bichanam-me ao ouvido apontamentos de vida sobre uma ou outra que começo a identificar por qualquer particularidade.

Aquela é casada. Aquela vai casar… Reparei nessa.

Destaca-se das demais. Não anda, esvoaça. Tem sempre assunto de conversa. Leva, para mostrar, com o enlevo de quem exibe tesouros, certidões e papelada que anda a preparar para o casamento. Perguntei-lhe a idade. Vinte anos, foi a resposta. Vinte vezes três – fazem os meus sessenta.

Parece, pelas contas, que eu deveria ser portadora de três vezes aquela alegria, três vezes aquela esperança, três vezes aquele gosto de rir.

 

Parece! … Mas apenas encontro em mim multiplicada, a ternura com que se olha qualquer menina que sonha a vida e dela espera confiante; de coração limpo, o seu lugar ao sol, o seu direito à Felicidade.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 18:24

Parabéns Avelino

Quinta-feira, 18.08.11

 

Quem foi que disse que quem não aparece esquece?

Quem quer que fosse enganou-se...

pois aqui estamos nós a dar um

abraço de Parabéns ao Avelino

com um cheirinho de Elvas

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:19

Olhos azuis...

Terça-feira, 16.08.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 22:37

CONVERSA DE VIZINHOS...

Segunda-feira, 15.08.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.058 – 31 de Agosto de 1990

Á Lá Minute

Conversa de vizinhos

 

Dizia alguém, que ouvi, com muito fina ironia, que Portugal desde o 25 de Abril é, sem dúvida, o país que tem “produzido” mais políticos por metro quadrado.

Não consegui deixar de sorrir e de pensar se esta repentina erupção iria suplantar, ou já suplantou a nossa romântica queda para a rima e nos condenaria a perder o título de “pais de poetas”.

Depois ocorreu-me outra faceta nossa muito peculiar - a de sermos tão convictamente como os brasileiros – “um país de doutores”

Penso que há doutores com tanta profusão que já são acarinhados com diminutivos – para facilitar o trato – por “sotor” e “sotora”.

Em Coimbra, até era uso os carregadores de malas perguntarem às pessoas à chegada dos comboios: “O Senhor Doutor é caixeiro viajante?”.

Mas, em boa verdade, se somos assim irónicos e bem dispostos, somos, também, muito mais.

Somos parte de um povo engenhoso, inventivo e sábio que diz com segura dignidade a sua opinião sobre assuntos, por vezes polémicos, desde que a sofrida vivência de um dia a dia de consciente entrega, o tenha levado, embora empiricamente, a esse saber de experiência feito.

 

Sentada à porta, olhos perdidos na imensidade do horizonte, a minha vizinha Clemência, evocando a aprendizagem de vida dos seus oitenta anos dizia-me com convicção:

“Antigamente, a gente tinha os filhos, acareava-os ao peito. Arrimava-os à gente, dava-lhes de mamar. Levava-os para todo o lado nos braços, aconchegados no xaile.

As crianças até conheciam a gente pelo cheiro, como os bichos.

Agora, as crianças nem sabem de quem são. Mal nascem, vão para os infantários. Não conhecem os braços das mães.

Andam de carrinho. Mamam no biberão. Andam de mão em mão. Não têm dono, nem sabem a quem hão-de querer.

Depois, as mães choram e dizem que os filhos as desprezam.

O que é que esperavam?

Os meus não me querem aqui deixar. A toda a hora me vêm buscar, e os netos também. É uma luta para ficar uns dias aqui na minha casa.

Criei aqui os meus filhos. Pouco mais tenho do que o que veio comigo quando casei.

Nunca trabalhei para comprar tabaco, ir ao café, nem para camas de bilros e luxo.

Ensinei os meus a trabalhar e a trabalhar para se governarem.

Faço a minha lida. À tarde vejo um pouco de televisão. À noitinha sento-me à porta a gozar do fresco e entretenho-me a pensar coisas da vida.

Isto tem mudado muito…”

 

Os costumes, sim. A alma do povo – não!

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 17:01

Traços de vida...

Segunda-feira, 15.08.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 14:47

Histórias com mezinhas e receitas - 16

Quinta-feira, 11.08.11

.Jornal Linhas de Elvas

Nº3.135 de 11 Agosto de 2011

Historias com mezinhas e receitas - 16

A CABEÇA DE XARA

 

 

Recentemente, numa reportagem de televisão vi e ouvi pessoas muito interessadas na receita dum petisco que acabavam de provar – cabeça de xára.

Como é evidente a cozinheira foi dando dicas sobre a maneira de confeccionar a iguaria, mas, quando chegou à minúcia dos temperos usados escusou – se com um sorriso a enumera-los dizendo que o segredo era a alma do negócio.

 

Pensei então que, apesar dos livros de cozinha oferecerem múltiplas soluções para quem tenha curiosidade sobre estes assuntos, nem sempre, os modernos processos nos conduzem aos resultados que a feitura lenta das pacientes receitas das nossas avós nos brindavam.

Confesso-me devota dessa confraria de petiscos inigualáveis que a carne de porco pode oferecer e lembro sempre um livro sobre gastronomia alentejana – Elucidário do Alentejo - do escritor Dr. João Falcato em que, um tanto à maneira franciscana ele alargara essa fraternidade aos porcos chamando-os de “nossos irmãos”por gratidão a tudo que do porco se aproveita e, a que logo o Senhor Padre Tomaz, homem inteligente e atento –figura de topo da cultura elvense, por essa época - veio ponderadamente  refrear o entusiasmo que o levara a tão exagerado parentesco contrapondo bem humorados e sadios argumentos.

Mas… vamos à receita não antes de confessar que desde a Internet às minhas velhas enciclopédias e livros de receitas, por todas as maneiras ao meu alcance tentei perceber a razão da designação – cabeça de xára - sem o conseguir.

Xára - é um arbusto, como as estevas, vulgar nas Beiras.

Xára - é como no Brasil se designa o homónimo´

Na cozinha francesa diz-se “tete de achard”. Achard  é um condimento originário da Índia resultante de frutos e vegetais confitados em vinagre.

Do meu ponto de vista nada disto tem que ver com a citada iguaria.

Também se diz xára ( segundo o dicionário De Morais)  a animais  de pêlo crespo – será por aí? -será referência ao porco e ao javali? - não sei !

Mas sei, com data de uma edição de 1904, a receita que uso e transcrevo. Escalda-se limpa-se e raspa-se de pêlos a cabeça do porco. Extraem-se-lhe os olhos e os miolos.

 

Salga-se de um dia para o outro com uma mistura de sal e salitre  (eu uso apenas sal, o salitre serve  para dar cor rosada às carnes)

Então, lava-se e vai ao lume a cozer com 2 ou 3 cebolas, 2 ou 3 grandes dentes de alho, um farto ramo de salsa, outro de salva e outro de mangerona e, ainda uns 15 a 20 grãos de pimenta, um copo de vinagre , dois de vinho branco e a água necessária para a cozedura até que a carne se separe dos ossos.

(Na receita antiga deitava-se também um ramo de lúcia-lima – que nunca usei)

Este tempero refere-se a quantidades de 2/3 quilos.

A meio da cozedura prova-se o caldo e corrige-se o tempero que deve ser forte visto que todo o molho depois será extraído ao meter nos cinchos, que são aqueles aros de folha onde se moldam os queijos.

Uma vez a carne cozida sacode-se dos temperos, retira-se do caldo que depois se côa em passador de pano e pica-se em pequenos pedacinhos que voltam ao caldo e vão de novo ao lume até abrir fervura. Temos então preparados os cinchos ou outras formas, forradas com guardanapos fervidos,( para não deixarem gosto) que se enchem, se apertam atando-os e colocando sobre eles um peso para que o caldo vá saindo e fique depois de frio – deve deixar-se de um dia para outro - uma espécie de queijo que se serve cortado em fatias finas. (Manda assim a tradição.)

Nota:

Eu, uso as latas das batatas”pringles”a que perfuro os fundos para que se possa escoar o caldo. Obtenho assim bonitos “paios”que dão um corte uniforme e muito conveniente. Não precisam de ser forrados, apertam-se comprimindo-se até com o fundo de um copo e depois de utilizados, deitam-se fora – aqui fica o meu segredo - e…bom apetite!

 

                                                   Maria José Rijo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 17:52

A PROPÓSITO...

Domingo, 07.08.11

Á lÁ Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2029 – 9 de Fevereiro de 1990

A PROPÓSITO

 

 

 

TIA SUSANA, MEU AMOR – é um belo livro de Alçada Batista, que acabo de reler com o mesmo interesse que já me suscitara da primeira leitura.

Que isto de gostar ou não de livros, tem que se lhe diga.

Cá por mim, até que me convençam do contrário, penso que a preferência com que se distingue um livro, ou este ou aquele autor, se filia no mesmo critério que na leva a escolher alguém para o nosso convívio.

Tem, penso, muito que ver com afinidades.

Pessoalmente, prefiro autores que escrevem como quem conversa, em tom coloquial. Que dizem o que têm a dizer sem empolamentos, sem teatralizar. Que contam as suas histórias deixando fluir as palavras como sendo as inevitáveis, como os rios que correm, porque têm de correr e mais nada.

Gosto que tratem os sentimentos sem espantos, como coisas naturais, coisas da vida que são, como é o nascer e morrer, o amor e o desamor.

Gosto quando não assumem a posição de juízes que se crêem fora de todas as contingências desagradáveis, porque essas, só são pensáveis para os outros.

Claro que também leio “os outros” como também me encontro e desencontro com “os outros” , que, só assim, é possível a escolha.

Nem é desses que falo. Refiro os outros que, como algumas pessoas, no segredo da nossa eleição, podemos considerar de: - íntimos, nossos!...

 

Jorge Amado, Eurico Veríssimo e muitos outros mais, também são desses. Dos que parece que sabem tudo de si próprios e por isso chegam tão bem à compreensão de toda a gente.

Não inventam histórias importantes, de maravilhar ou arrepiar. Falam da vida e, cada qual com a sua capacidade, encontra os sentimentos que lhe são próprios para as situações imaginárias. Autores que são capazes de ser humanamente fraternos, com os erros e grandezas de gente como eles mesmos, nunca se esquecem o que são.

 

Daí, talvez, que algumas personagens que erguem, se nos tornem tão familiares que quase nos pesa não termos os seus retratos à cabeceira, na parede da sala ou, tê-los na vizinhança ao nosso lado para virem à nossa casa de pantufas, irem atrás de nós à cozinha fazer um café, ou, adormecerem calmamente sentados na poltrona que escolhessem, ao serão, quando a conversa esmorecesse – tão reais se nos tornam!

 

É desses autores que eu gosto particularmente, daqueles que acreditam que confessado ou não, ninguém desdenha a fraternidade.

 Talvez até se escolham livros e amigos que nos ajudem na procura da nossa plena identificação. Afastamo-nos de quem nos agride e faz descer nos ideais que perseguimos.

 Talvez até, tudo aconteça em torno de um dado intrínseco, atávico, talvez, que pode ou não estar identificado na nossa consciência – a solidão de ser.

 

Talvez, mesmo a vida, seja simplesmente o percurso que nos levará até reintegrar na dimensão de infinito ou eternidade perdida para se poder dizer – Eu.

 

Talvez como essa individualização – ser é estar separado – nasça a irremediável solidão de ser que deslumbra e doe, mas dá campo à esperança, à fé, à compreensão, à ternura, à solidariedade, e a todos os sentimentos generosos e grandes que podem unir os homens durante a sua humana solidão.

 

 

 

Maria José Rijo     

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 16:31





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2011

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031


comentários recentes

  • Anónimo

    Lindo,como sempre

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...

  • Anónimo

    Titia queridaQue alugria nesse seu aniversário.Des...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos