Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



DIAS DE ISTO E DAQUILO

Terça-feira, 29.11.11

Á LÁ Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1961 – 21 de Outubro de 1988

DIAS DE ISTO E DAQUILO

 

Isto de ser feito de memória – é verdade!

Todos o somos. Somos a resultante da história da nossa vivência, como os povos o são também. Somos vitórias e derrotas, alegrias e tristezas, e partimos para cada dia com a capacidade de compreender, amar ou perdoar, que tivermos acumulado. Tal como os povos que se confrontam entre si, nós também o fazemos, e tal como os povos que entre si estabelecem acordos de diplomacia, amizade, respeito ou pacifico convívio, também nós o fazemos – não esquecendo, embora – quer como indivíduos ou como povos, diferenças ou semelhanças.

Só quem recorda, cumpre.

Só quem não esquece, tem palavra.

Quem perde a memória – perde a identidade.

Mesmo assim há, recortes que se limam pelo caminho porque deles nos soltamos na medida em que somando experiência, a cada momento, o nosso ponto de reflexão pode ser corrigido e ajustado.

Assim que, dei comigo a concordar com os dias mundiais de “isto” e de “aquilo”, depois de durante muito tempo, nem sequer ter pensado no assunto ou, até, de me ter parecido, levada na corrente, não ser necessário haver medidas em especial, fosse para o que fosse, assentava esta posição na lógica de que todos os dias são de tudo: -- vida e morte, graça e desgraça, guerra e paz – manhã e noite.

Porem, depois de reconsiderar, já não digo, no calendário litúrgico, com um Santo para cada dia – reconhece-se que não está errado o critério que tal determina. Pelo contrario! Estabelecer no tempo um momento certo para que, na medida do possível, todas as pessoas, simultaneamente façam convergir os seus cuidados sobre os problemas que a todos respeitam, é ordena-los em vista a soluções possíveis - atribuindo-lhe a dimensão que realmente têm.

Lembrei-me então de Fátima. Toda a gente pode rezar em casa, quando lhe calhe, lhe é necessário ou lhe apetece. No entanto, rezar em Fátima é diferente. É faze-lo no local escolhido para as orações. E onde toda a gente que lá vai – se despe de vaidades, artifícios e egoísmos e, com a humildade possível, se reconhece humano, fraco, falível, carente. Lá quase sempre a fé e a generosidade se curvam a par. Lá pede-se saúde, vida, paz, trabalho, amor e perdão. A Fátima, mesmo quem vai em carro de luxo, vai de joelhos e tão suplicante, como o romeiro pobre e descalço que empoeirado palmilha a pé o caminho, dirá e apenas: - MÃE !

 

Dentro deste espírito parece-me que os dias de “isto” ou de “aquilo” se tornam os “lugares” de convergência para “curtir”, à vez, aquela multiplicidade de problemas a que é preciso e urgente que a sociedade dê a resposta justa e certa.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 17:20

FIM DE PROGRAMA

Segunda-feira, 21.11.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.936 – 15 de Abril de 1988

A Lá Minute

FIM DE PROGRAMA

 

Acabou o programa de Joaquim Letria.

Faz falta – melhor – fazem falta, programas vivos, variados, bem pensados – como primam, por o ser, aqueles que Letria produz. Se é verdade que por vezes algumas situações nos surpreendem e até se tornam um tanto embaraçosas, outras vezes deixam-nos apontamentos que dão para pensar e repensar.

Foi assim com algumas das entrevistas que trazendo até ao nosso conhecimento pessoas e factos a elas ligados, enriqueceram o nosso quotidiano rotineiro!

Estou a lembrar-me de uma afirmação proferida por Lídia Jorge, que acaba de publicar um importante livro sobre a sua vivência em Africa,  que disse mais ou menos isto:

“Há dezassete anos que trago comigo esta experiência e só agora ela ganhou a maturidade necessária para me ser possível trata-la”.

Realmente o tempo não “apaga” – (como se diz) o tempo – “arruma” – ou não – na nossa sensibilidade tudo quanto nos toca – enriquecendo a nossa vida de experiências, conhecimento, tolerância – ou não …

Penso que tudo quanto se vive de coração aberto e alma limpa, seja tristeza ou alegria, ajuda a temperar o carácter e a definir a personalidade.

Assim, cada qual, é, e sempre será – sem remissão – a resultante possível dos actos que praticou – das memórias que consigo guardar – e, a sua maneira de estar na vida e de julgar … de isso – dará testemunho iniludível.

Muitas vezes tenho pensado, e, até já talvez o tenha dito ou repetido que um dia, se Deus quiser, e eu for capaz de o fazer, hei-de falar profundamente do terramoto dos Açores.

Essa experiência, foi a “minha guerra” e nas guerras  - em todas elas se há os aproveitadores das tragédias, os que prosperam colhendo lucros com as desgraças alheias – há também – aqueles que se despojam de tudo quanto lhes pertence, tudo sacrificam e tudo compartilham com os mais carentes.

O procedimento humano tem enraizamentos muito profundos e não é tarefa fácil compreender razões de bem e de mal, de tolerância ou rancor de amor e ódio.

Disse Maria Antonieta de França com piedade dos seus algozes: - “é na desgraça que a gente sente melhor quem é!”

É incontestável que pelo aproveitamento das circunstancias se mede a craveira moral dos indivíduos e, nestas lucubrações, quase me perdia do: “Já está”em que Letria com a bonomia do homem tranquilo ofereceu, como fecho, o seu auto-retrato, sorridente e crítico, como é apanágio da boa consciência de quem se sabe e aceita falível.

Assim, ele, que foi de rosto franco, autor assumido pôs ponto final no programa da forma mais inteligente possível – não deixando ninguém escondido por detrás de ninguém.

Colocou todos frente a frente  – e, com a verdade nua –foi mostrando diversas formas e maneiras de reagir dos “apanhados”.

Esclareceu e identificou.

Foi Vida.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 17:43

Este velho computador...

Sábado, 19.11.11

 

 
.
 
 Este velho computador tem estado no estaleiro...
nos cuidados intensivos.
Agora acordou... voltou para casa e esperamos
que tenha coragem para voltar ao convívio de
familiares e amigos - como lhe compete!
--
No entanto já fez a sua rentrée :
 
@
 
.
 
 
.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 14:04

Felicitações para os nossos queridos Amigos...

Domingo, 06.11.11

 

Neste dia de rosas, como minha Mãe

chamava a estes

dias de sol perfeitos de Outono, sabe bem vir dar

muitos beijinhos de Parabéns à  pequenina Magé

pelo seu terceiro aniversário.

Que Deus lhe abra na vida caminhos de luz

são os votos da tia Ze e Paula

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por Maria José Rijo às 15:55

APELO ÀS ORIGENS

Quarta-feira, 02.11.11

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.976 – 3 de Fevereiro de 1989

A Lá Minute

APELO ÀS ORIGENS

 

O excesso de técnica tem distanciado o homem da prática de usos e costumes ancestrais que o ligavam ao meio ambiente, como um cordão umbilical liga mãe e filho.

São agora as fábricas que produzem as quantidades industriais de tudo quanto sustenta, a sôfrega e insaciável sociedade de consumo para que fomos evoluindo e nos escraviza.

Espartilhado entre a máquina e o relógio, na cadeia de produção e montagem da fábrica, que para ser rentável lhe exige um procedimento quase tão automatico como se peça de engrenagem fora – o Homem – desumaniza-se. Perde-se da relação viva com o meio, perde-se do gozo telúrico de caminhar sobre a terra, perde-se da espontaneidade de expressar, pelo canto, a alegria, perde-se do tempo de meditar, perde-se do jeito do silencio em que se pensa, sonha e cria… perde-se de si próprio, perde-se da sua condição de homem e corre - e corre … e corre atrás do que lhe é imposto pela sociedade de consumo, que o comanda e estrangula. Esquece, ou nem chega a conhecer, valores verdadeiros, e transfere para falsos ídolos os seus anseios.

Faz da compra do sofá, do carro, da máquina, do casaco de peles para a mulher, da motorizada para o filho, do gira-discos e do computador e do mais não sei quê, ou não sei quantos, a meta da sua existência.

Da televisão, que espreita, à noite, nos intervalos do sono do cansaço que o vence, enche-se de anúncios e mitos que lhe impingem miragens enganosas como a maçã lustrosa do conto da Branca de Neve que bastava morder para se ficar envenenado de morte.

Talvez que por tanto excesso comece a aparecer no fundo das consciências, rompendo o torpor, uma procura de autenticidade que possa anunciar uma certa redenção.

Talvez porque a todos é impossível um recomeço, a todo seja possível um repensar da vida. Talvez que um pouco por toda a parte se comece a equacionar o problema das doses justas, do que foi inevitável e do que o não foi; do que foi apenas, e só, desnecessário e nocivo.

Alguma coisa parece indiciar a consciência, nem sempre ainda reflectida, de que viver não é correr atrás do lucro, da fama, da aparência ou valores afins.

Alguma coisa parece indiciar que na procura de, “como era” ou “como foi” – está envolvido o compromisso de deixar às novas gerações as pistas limpas que lhe permitem o dom de escolher caminhos distintos dos nossos.

Quando se procura e compra a colher de pau tosca, talhada à mão com a enxó, mas ainda com “feições” do pinheiro de que descende, e se deixam na prateleira as outras polidas e impecáveis que a máquina fez aos centos, iguaizinhas, alguma coisa me diz que, até nisso, há um certo apelo às origens, em que não faz mal a ninguém meditar com seriedade.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:51

Para todos os meus queridos sobrinhos...

Terça-feira, 01.11.11

.

Para todos os meus queridos sobrinhos,

leitores e amigos

um sinal de presença para quebrar este

longo intervalo.

 

 

.

Não desisto

Insisto

Resisto

Vivo!

Vivo - se viver é isto.

 

.

Com um grande abraço

 

Maria José Rijo

.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 00:21





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


comentários recentes

  • Anónimo

    Lindo,como sempre

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...

  • Anónimo

    Titia queridaQue alugria nesse seu aniversário.Des...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos