Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Repisando...

Domingo, 19.04.09

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.704 – 4 - Abril - 2003

Conversas Soltas

 

 

       escrita

Escrevo para este Jornal há tantos anos que por vezes receio recontar algumas histórias.

É que hoje, e, penso que pela última vez, vou voltar ao assunto da Praça da Republica e não queria que me julgassem tão teimosa como a mulher do «piolhoso» (cuja odisseia, não me lembro se já contei) e que o “dito” deitou ao poço saturado de ela assim lhe chamar, mas, que, ao afogar-se, manteve as mãos fora de água até que pode, fazendo com os polegares o gesto de matar os parasitas que originaram o conflito.

É que não se trata, aqui, de um caso de teimosia.

Trata-se de um caso de convicção.

Trata-se de saber, e sentir que adversário, não é inimigo.

Inimigo, é quem nos quer mal, nos odeia, nos prejudica.

Adversário, é apenas: opositor.

Assim é no futebol, e em todos os desportos.

Trata-se de ter a consciência, plena, de que os adversários fazem parte da solução dos problemas

Porque adversário é aquele que contrapõe ideias.

É quem nos obriga a pensar que há mais soluções, e mais possibilidades de resolução, que não, a nossa.

É quem nos abre hipóteses de escolha.

É quem respeita a nossa inteligência e bom senso e acha que não é perda de tempo dividir connosco o resultado da sua própria experiência, e, muito principalmente, do que se ausculta – às vezes- daqueles que por dependerem de nós  se calam, por medo, na nossa frente.

Esses, por condição de vida são os mais fracos, são as vítimas dessa violência, disfarçada, que resulta do abuso do exercício do poder.

São os que se remetem ao silêncio temendo represálias.

Não consigo ver o Poder, senão como uma forma de servir. Jamais como uma forma de coagir.

Deus me livre que me respeitem, ou me escutem, apenas pela minha idade, aliás, só usa essa desculpa como argumento, quem tem consciência de que lhe faltam razões, e, portanto utiliza esse chavão, a meu ver, desonestamente, para fingir uma educação, superioridade e delicadeza, de que, não dispõe.

Rezo para que me escutem, por apresentar as minhas convicções com bom senso, correcção de forma e respeito pelos meus adversários ou, por acharem que são razoáveis as propostas que defendo.

                     

Rezo para que se perceba que, dentro do meu critério, só assim, assumo as minhas responsabilidades de munícipe.

Nem idade, nem poder, dão razão a quem quer que seja, se não a tiver.

Quem entender de forma diferente abusa de circunstâncias que lhe são favoráveis, mas, age com prepotência.

Ora, todo este prólogo porquê?

Porque muita gente me pede que fale no parque para automóveis em projecto para a nossa Praça Maior.

Por coincidência de opiniões, com tais alvitres, já duas vezes fiz tais referências.

Agora, porém, surgiu um dado novo.

Pessoa respeitável, alvitrou-me que sugerisse à Câmara para que consultasse a opinião pública para a execução de projecto tão controverso.

Lembrou-me que outras Câmaras já o fizeram a propósito de situações como esta, em que a dúvida sobre alterações tão radicais, dividem os munícipes.

Nomeadamente em Tavira.

      

Penso que vale a pena.

Até porque tudo o que pacifique os ânimos não é para desprezar.

É que a Paz, resulta da nossa conversão íntima à não-violência, mesmo verbal. (não é minha a frase!)

Tudo o que nos é imposto, é indiscutivelmente um acto violador da nossa Paz interior.

Um atropelo aos nossos direitos de cidadania.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 20:29


6 comentários

De Adalgisa Alexandra a 19.04.2009 às 21:27

Olá tia
Passei, como em todos os dias para lhe deixar
neste nosso cantinho tão querido.
Aqui no nosso ponto de encontro.

Muitos beijinhos tia

Gisa

De Xavier Martins a 19.04.2009 às 21:37

Muito bem.
Bem feita a defesa . Gostei da ideia e do caminho
que segue para opinar - assim - desse seu jeito
sempre tão interessante.

Os meus sinceros Parabens
Deste seu amigo e admirador

Xavier Martins

De Aristeu a 19.04.2009 às 22:07

Minha tão querida tia
hoje nova novidade - imagine que o Tio Américo
levantou-se de noite - sem o dever fazer - e
escorregou e caiu.
Partiu a perna direita.
O Gilio a esquerda... a Tia já viu a minha vida?

O meu pai leva o dia a zangar-se ora com ora com
o outro.
O gílio porque tem de sair e o Tio Américo porque
a horta assim e mais assim...

Como vê estou-me a queixar a si. :(

E a Tia como está?
Espero e desejo que esteja bem.

Um grande beijinho

Aristeu

De Maria josé a 23.04.2009 às 21:48

Meu querido - quase me atreveria a escrever Meu Menino - Eu sei que os senhores professores pais de família e mais isto e mais aquilo são homens de barba rija que aguentam tempestades e marés altas..
Eu sei ...mas como se diz em " Le petit Prince" toutes les grande personnes ont d´abord été des enfants"
e um pouco de colo sabe bem até a velhotas como eu.
Um beijinho grande do tamanho da ternura com que acolhe os que ama.
Tia Zé

De Narciso Barão a 19.04.2009 às 22:33

D. Maria José
Os meus Parabens por este blog.
Gosto imenso de ler os seus artigos de opinião.

Excelentes artigos.
É um blog fantastico.

Os meus Parabens

Narciso Barão

De Maria José a 23.04.2009 às 21:53

Narciso Barão
Se devo agradecr a visita , devo outro tanto pela simpatia da generosa opinião
Obrigada - maria josé rijo

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930


comentários recentes

  • Anónimo

    Lindo,como sempre

  • Anónimo

    Querida Tia Maria JoséQue alegria chegar mais um d...

  • Anónimo

    Minha querida e Boa amigaque alegria chegar aos 93...

  • Anónimo

    Minha querida tiaEu sabia que era hoje o dia do se...

  • Anónimo

    Titia queridaQue alugria nesse seu aniversário.Des...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos