Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Será que?!!

Sábado, 06.06.09

Conversas Soltas

Jornal Linhas de Elvas

Nº 2.300 19 de Maio de 1995

 Será que?!!

 

Fechada aqui no meu canto – o eco da vida da cidade – chega-me, quase exclusivamente, pelo Linhas de Elvas em cada sexta-feira.

Ora, nesta semana, vi, com a maior surpresa e indignação, que ainda não terminou, nem serenou, sequer, a infeliz campanha que, por deita cá aquela palha, despudoradamente se reacende contra João Carpinteiro.

 

Conto mais de cinquenta anos de vida em Elvas. Toda a minha idade adulta foi passada aqui e nunca vi, nem me consta que ao longo deste tempo; - (mais de meio século, repito) – alguma vez tenha por cá acontecido coisa igual ou semelhante.

Será que os promotores desta campanha têm consciência que estão a orquestrar o linchamento moral de alguém que nada fez para merecer tantas injúrias?!

Será que se perdeu das consciências a noção de solidariedade que obriga ao respeito pelo próximo?!

 

  

                           

Receio bem que esse sentimento que Michael Quoist tão bem definiu dizendo “ Eu sou o outro” seja uma vaga reminiscência em que jamais se pensa.

Vale a pena responder:

              

“O outro é aquele

Por Deus se exprime

Por quem Deus te convida

Por quem Deus te enriquece

Por quem Deus mede o teu amor

(…)

O outro chama-se João, Maria, José,

Luísa, a D. Felismina, o Sr. António

mora na mesma casa que tu

trabalha na mesma repartição

toma o mesmo autocarro

senta-se ao teu lado no cinema…

O outro chama-se Jesus Cristo”

 

Tenhamos em conta que o outro és tu, sou eu, somos nós todos igualmente expostos à mesma inconsciência, à fúria acéfala das turbas…

Não tenho procuração de quem quer que seja para tomar a defesa de, seja lá quem for…

Não tenho pretensões a arvorar-me em Madre Teresa de Calcutá…

          

Mas – tenho a viva consciência dos meus deveres como pessoa de bem que me obrigam a não querer, pelo silêncio, aceitar a cumplicidade de injustiças que nos envergonham a todos – envergonham uma cidade.

Não haverá mais nada para fazer presentemente na nossa terra do que perseguir um Homem de Bem – que naturalmente tem defeitos e cometeu erros como todos cometemos mas não deixou por isso de ser estimável e pessoa de bem?!

Terá qualquer de nós a veleidade de afirmar que é impecável e perfeito?!

                       

     

Estarão em cheiro de santidade os “anjos” vingadores que tão levianamente propagandeiam e fazem alarde de faltas e defeitos de outros sem que primeiro – pelo menos – tenham a decência de testar a verdade das suas afirmações.

Não merecerá a nossa cidade mais do que isto?

Penso que a mesma legião de aduladores que explorou as naturais e humaníssimas fraquezas de João Carpinteiro bajulando-o para dele se servir incensa agora, com igual intento, outros deuses.

Mas Deus não dorme – diz a sabedoria popular e, atrás de tempos vêm…

E, a não ser que tivesse havido epidemia em Elvas e tivessem falecido todos – e eram tantos! Tantos – era altura de aparecerem.

Até porque eles – esses – que pela sua falta de lealdade e coragem para exercerem o seu direito de criticar com verdade e honestidade – são os maiores responsáveis por tudo quanto se passa agora.

Sou. Sempre fui amiga de João Carpinteiro. Conheci-o de berço.

Vi-o crescer, como os meus sobrinhos que são quase todos, da sua geração.

Quero-lhe bem

Não lhe devo benesses.

 

Politicamente até, dele me afastei, por desacordo.

Mas – isso não denigre o meu respeito por esse Homem – que vi lutar, sempre, pelo bem da cidade e do seu concelho.

João Carpinteiro – serviu a cidade de Elvas.

Não se serviu da cidade em seu proveito.

O seu trabalho não esteve isento de falhas, porém, isso não o torna numa pessoa execrável a quem todos apedrejam.

Está a abrir-se um perigoso precedente na vida política de Elvas.

Será que não é a hora certa para alertar que:

“O outro é aquele que te faz crescer, é um presente que o amor de Cristo te deu”

Viremos o dedo acusador para nós próprios que nos acobardamos deixando correr… e, só depois, se formos capazes, deveremos pensar se ainda vale a pena acusar “O outro”.

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 23:57


2 comentários

De Adalgisa Alexandra a 07.06.2009 às 00:26

Querida Tia
passo para deixar um grande GRANDE
beijinho e desejos de um Feliz Fim de semana.

Beijinhos
Gisa

De Xavier Martins a 07.06.2009 às 00:36

Mais um texto excepcional.
Uma grande defesa.
Os meus parabens pela Honestidade das suas
palavras, pela lucidez do seu discurso.

Os meus sinceros Parabens

Com muita amizade e admiração

Xavier Martins

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2009

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930


comentários recentes

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...

  • Anónimo

    Muito boa noiteDesculpe vir assim a esta hora e pe...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.