Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Presença do Poeta…

Quarta-feira, 29.07.09

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1.942 – 27 de Maio de 1988

 A Presença do Poeta…

 Muitas vezes me lembro de Sebastião da Gama. Não só como poeta, mas também, e muito especialmente, como pessoa.

Não que o tivesse visto alguma vez, a não ser em fotografias. Guardo, até uma, em que ele veste uma camisa de quadrados largos e usa uma boina na cabeça, tanto ao jeito dos pescadores, que é isso que mais parece – um deles – até pela feição de homem do povo e pelo tom de pele tostada que lhe dava o sol da sua “Serra Mãe” – a sua Arrábida.

          

Durante alguns anos, lá pelos meses de Julho e Agosto, rumávamos ao Portinho e, na Pousada, depois do almoço, ou o pai de Sebastião ou a mãe, ou ambos, por vezes, vinham para a nossa mesa depois das refeições, tomar café e desfiar saudades.

Assim, a pouco e pouco, foi-me possível juntar ao conhecimento da poesia, a descoberta do Poeta, na sua qualidade de pessoa, e entender melhor o todo que ambos formavam.

                                     

Quando anos mais tarde li o seu diário, frente a algumas reflexões nele encontradas, lembrei-me das conversas que sobre Sebastião tivera com sua mãe, porque a cada passo surgia evidente, o seu rigor e honestidade, a sua doçura de carácter, a sua bondade, a sua alegria e gosto pela vida.

Talvez por tudo isto e também pelo deslumbramento, que também a mim, me causava a Arrábida, habituei-me a pensar em Sebastião da Gama como uma presença viva junto de mim.

            

Talvez também por isso quando quaisquer circunstâncias me confundem digo para comigo:

- Vou fazer como Sebastião nas aulas com alunos desatentos, e pergunto-me:

- O que deveria eu ter feito que não fiz?

E é partindo de mim, como ele fazia, que procuro e encontro – quando encontro – o caminho que me leva aos outros.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 21:24


8 comentários

De António Piedade a 29.07.2009 às 21:51

Notável
Dona Maria José os seus textos são todos, sem
excepção, notáveis.
Adoro a forma como a Senhora escreve, a sua
lucidez é arpiante, suponho seja uma Senhora
encantadora, cuja sensibilidade nos faz feliz só de
a conhecer ( falo pelos seus amigos) obviamente.

Mesmo assim sinto-me lisongeado por ter o prazer
de ler os seus textos/artigos de opinião com muita
alegria.

Um abraço

António Piedade

De Maria José a 01.08.2009 às 23:04

António Piedade
Eu devia ter cruzado os vossos caminhos quando ra nova e podia sonhar futuro
Tenho a certeza de que com tanto apoio era capaz de ter tido a coragem, que nunca tive, para acreditar que tinha lugar no mundo da escrita.
No entanto é consolador , mesmo já tão tarde encontrar amigos tão bons e generosos.
Um abraço
Maria José rijo

De Cacilda Oliveira a 30.07.2009 às 11:46

Minha amiga
tenho seguido sempre o seu blog com muito
interesse, realmente a Senhora só pode ser uma
pessoa muito especial, com imensa sensibilidade.
Este seu blog é um mimo.
Está muito bonito e sempre com textos muito
interessantes.
Também acho e concordo com muitos dos seus
comentaristas e admiradores de que a Senhora
tem uma lucidez fantastica.

Adoro simplesmente a sua BELLA poesia.
As suas rezas e benzeduras - são feitas com uma
beleza especial.

Os meus Parabens
Voltarei - aliás venho cá todos os dias deliciar-me.

Cacilda Oliveira

De Maria José a 01.08.2009 às 22:37

Cacilda Oliveira
Ainda bem que a net nos traz de presente as companhias com que se sonha!
è smpre conslador encontrar quem goste de assuntos que também nos agradem.
Seria sempre mais aconchegante falarmos deles num passeio sob a sombra de belas árvores ou à lareira em tardes frias com uma reconfortante chavena de chá...
Mas quem não tem o que sonha terá que aprender a ser contente com o que a Vida lhe oferece.
Agradeço a Deus os amigos que comigo se vão cruzando no meu já longo caminho.
Um beijo - e obrigada
Maria José

De Ana Maria Lourenço a 30.07.2009 às 12:10

Olá minha amiga querida
Então as suas férias foram boas.
O Mar faz sempre bem a quem gosta dele, como é
também o meu caso.
Estive no Algarve na praia de Altura.
Adoro simplesmente aquela calma, a grande praia
onde estamos sossegados - como Deus manda...

Ainda fui duas vezes a Manta Rota e confesso
sempre com a ideia de a encontrar por lá - Juro
que era o que mais eu queria - mas parece que
não foi desta vez minha querida amiga.
O que muito lamento. Tinha feito tantos planos...
mas...

Bem vinda a este nosso convivio.
Desta sua muito amiga

Ana Maria Lourenço

De Maria José a 01.08.2009 às 22:55

Ana Maria Lourenço, que bom te-la de volta!
Então esteve na Manta -Rôta e não nos foi visitar?
Que grande maldade
A casa de minha irmã é fácil de encontrar.Tem uma grande palmeira à entrada ao lado do portão e um azulejo com o nome : - Casa de Cerro. Faz parte de um grupo de três que foram construidas há cinquenta anos.Destinguem-se de todas as outras porque são tipicamente rústicas algarvias e têm grandes quintais como nos velhos tempos.
Espero que não deixe de aparecer , para o ano , se for o caso de que "ainda" tenhamos corda para veranear... È que ela com oitenta e cinco e, eu com oitenta e três... já não dá para grandes projectos.
Um beijo grande e amigo -Maria José

De Xavier Martins a 30.07.2009 às 12:15

Cara amiga Maria José

Que bom te-la de volta.
Nem imagina como fico triste sempre que abro
este cantinho delicioso e não encontro textos novos,
poesias ou seja lá o que for.
Mas eu espero sempre e sempre aparece qualquer
coisa.

Agora do outro seu blog está parado. Mas vai voltar
não é?

Também a quero felicitar por ter regressado e ter
iniciado a postagem da maravilha que são os seus
textos.
Graças a Deus.
Estive em Elvas e ia comprar o Linhas pensando
encontrar algum artigo - mas como não havia nada
de si - simplesmente o deixei ficar.

Também tenho uma paixão por Sebastião da Gama
como a Senhora.
Realmente era um Homem um poeta notavel.
Muitos Parabens por mais esta maravilha .

Deste seu amigo e admirador

Xavier Martins

De Maria José a 01.08.2009 às 23:03

Xavier Martins
Meu Amigo chegou finalmente a hora em que posso começar a por a escrita em dia...
Vai levar algum tempo, mas não irei por certo deixar sem uma palavra de amizade quem tanto apoio me tem oferecido.
Quero afirmar-lhe que só uma série de circunstâncias nem sempre fáceis de resolver me têm consumido o ânimo para continuar o "tal" blog de que não se esquece - nem eu.
Penso que em breve retornarei a essas recordações que afinal fazem parte da gestação de outras que enraizadas nelas vieram a acontecer.
Agradeço o seu estímulo e o seu apreço, agradeço muito, creia. O que acontece é que os anos pesam e há papeladas e burocracias e um mundo de pequenas coisas que se nos impõem e ocupam o espirito sem deixar lugar para a concentração necessária e o rigor a que algumas tarefas nos obrigam. Já há 17 anos que respondo, só, por tudo e o que era tolerável o tempo tem tornado cansativo, quase insuportável
Agora, tem que ser uma coisa de cada vez com ritmo lento e...graças a Deus.
Perdoe o desabafo, mas os amigos também servem para escutar lamúrias
Um abraço grato
Maria José Rijo

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


comentários recentes

  • Anónimo

    ADOROAdoroooooooooooooMeu Deus Tia gosto imenso de...

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.