Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Vida por vida

Sábado, 26.06.10

Á Lá Minute

Jornal Linhas de Elvas

Nº 1803 – 13 de Agosto de 1985

Vida por Vida!

 

De noite, de dia, a qualquer hora toca a sirene – e prontamente os bombeiros aparecem sem saber para o que são chamados – mas dispostos para a tudo acudir.

Neste tempo quente, estão, as sucessivas chamadas, por cá, e as notícias de outros fogos de norte a sul do Pais, ligam-se de tal maneira que, dir-se-ia que a frente do fogo tem toda a largura de um imenso Verão.

E se é verdade que todos nós que ouvimos silvar a sirene, com diabólica frequência - para além do sentimento de angustia que nos fica – continuamos nos nossos lugares do costume – é verdade, também, que os bombeiros, como por instinto, tudo largam  para acorrer ao dilacerante apelo.

A qualquer hora, deixam a comodidade relativa dos seus postos de trabalho – a sombra aconchegada das suas casas,o repouso das suas noites, e, prontos, disponíveis – prestáveis – abnegadamente aparecem onde são precisos.

Há cerca de 50 anos, num livrito de escola onde a minha geração aprendia a ler, havia um pequeno texto elogiando a actividade dos bombeiros, que começava assim:

“Vida por vida – é o seu lema”

Depois, ensinava as crianças a descobrir o sentido e o significado da palavra: - Abnegação.

Coisas que na adolescência se fixam para sempre!

Presentemente é mais fácil o acesso a livros e a jornais para toda a gente – (mais escolas, mais bibliotecas) e, a crescer, para vincular noticias e conhecimentos – aí estão a rádio e a televisão.

Penso, penso e creio que: - se em lugar de se propagandear tanto, o mal que certas organizações fazem – se valorizasse o bem que outras proporcionam – muita gente havia de extravasar o seu amor pela valentia, com atitudes nobres, em vez de se exibir em fanfarronices e provocações, na procura de emoções fortes.

Parece-me que aqueles (Já com idade que lhes permite conduzir automóveis e motorizadas) que pela calada da noite, fazem na via publica – (entre histerismos de gritinhos e gargalhadas excitantes de acompanhantes) – acrobacias de temeridade acéfala – poderiam e deveriam ser levados a ponderar o que é, na verdade, a coragem.

Coragem – por vezes – é conseguir ficar indiferente às beliscaduras de falso amor próprio, e não pactuar com atitudes que com frequência, originam os perigos – escusados – dos corajosos autênticos – os bombeiros – que abnegadamente arriscam a vida para acudir, até aos que por capricho, virilidades duvidosas, falta de maturidade, etc, etc… - com atitudes de falsa segurança, provocam verdadeiras catástrofes, das quais  por vezes, são as primeiras vitimas.

Era bom – era muito bom que , de uma vez por todas, se  entendesse que a coragem não é fanfarronice, nem temeridade, e se a coragem por vezes envolve riscos – implica sempre o uso da razão – quer dizer: da inteligência.

 

Maria José Rijo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 15:50


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Junho 2010

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930


comentários recentes

  • Anónimo

    GUSCom fé no Sr. Jesus da Piedade, rezo por si com...

  • Anónimo

    Querida TiaEstou internado no Hospital com o covid...

  • Anónimo

    Cá estou eu ... meia hora depois da meia-noite...B...

  • Anónimo

    PARABÉNS PARABÉNS PARABÉNS Muitos beijinhos n...

  • Anónimo

    Minha querida TiaMuitos Parabéns pelos 94 anos - q...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

BLOGS DA CASA

EFEMERIDES

Aniversarios Blog

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2020

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Blogs- quem nos cita



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.