Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Olá amigos...

Sexta-feira, 15.07.11

Enquanto a Paulinha continua a fazer as suas reportagens fotograficas

- desta vez da Manta Rota onde estamos a terminar umas gostosas férias -

eu, estou tentando acomodar-me  à condição de (Senhora maior) ou seja

de velha senhora.

Espero quando regressar a Elvas  retomar o vosso convivio com mais

regularidade.

Na verdade, muitas vezes, das vossas amigas presenças, creiam, é que, recolho

alegria para estes tempos nem sempre faceis.  

.

 

 UM ABRAÇO

 

Maria José Rijo

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria José Rijo às 22:29


9 comentários

De Xavier MArtins a 15.07.2011 às 23:27

Oh Minha amiga
Que reportagem tão bonita.
Que bela fotografa é a sua sobrinha.
Os meus sinceros Parabens e boa continuação
de férias. aproveitem porque estar junto ao
Mar é uma benção e uma alegria.
P A RA BéNS por esta linda reportagem.
Com muita amzade

Xavier Martins

De Augusta Silva Torres a 15.07.2011 às 23:42

oH QUE sAUDADES...
Durante muitos anos fui para a praia da Manta Rota.
O meu marido tinha uma casa em Altura mas eu Adorava a praia da Manta Rota - pela imensidão do areal e porque poderia fazer a praia selvagem - como eu costumava dizer.
Caminhavamos até ao fim - ficavamos por lá e
levavamos umas uvas e pão e no fim da caminhada,
lá tinhamos o nosso manjar.
Oh que belos tempos.
Recordo que o meu marido se encontrava com um
coronel - não me lembro muito bem do nome mas
era algo como Rosa trinité ou algo do género.
Eram muito amigos - por acaso a amiga conhece
o nome?
Esta minha cabeça já não vale um real. Realmente!
Bom... que fazer...

Muitos PArabens por esta reportagem maravilhosa.
Um grande beijinho
Augusta Silva Torres

De Maria José a 24.07.2011 às 18:51

Minha Amiga
Nem sonha o mundo de rcordações que o seu comentário me trouxe!
Também meu marido e eu, muitas vezes sós, ou com um casal amigo iamos praia adiante até ao extremo onde havia um bungalow e uma enorme âncora. Levavamos provisão de uvas e pão com manteiga e sentiamo-nos como reis duma ilha paradisíaca.
Voltavamos cansados e felizes tomando banhos uns atrás dos outros como se nos tivessem soltado no paraíso.
Hoje, a civilização é dona daquele espaço que ficou igual a outros mais, apinhados de gente. Entretando o mar levou a casinha romantica e a áncora alguem a terá levado.
Para nós ficaram as lembranças da juventude e da alegria de viver.
Por coincidência o coronel que refere era o marido de minha irmã.É deles a casa onde fazemos férias há mais de 50 anos. Aliás a deles e de mais três amigos
foram as primeiras casas de férias da Manta- Rôta .
A única sobrevivente desse tempo é a minha irmã.
Este ano o dono do restaurante mais antigo ofereceu-lhes um jantar em honra das quatro gerações da nossa família que não falham às conquilhas, aos caracois e outros petiscos.
Minha irmã recorda o seu apelido e pergunta se se terão conhecido . Os seus 87 ambém já lhe roubam algumas lembranças.
Um abraço grande e obrigada sempre pela sua querida presença
Maria José

De ARISTEU a 16.07.2011 às 15:54

Minha querida Tia
Que alegria de saber que se encontra em Férias e
linda praia da Manta Rota que eu tão bem conheço.
Parte da minha juventude e infancia foi passada
nesse areal fantastico - nessa praia do inicio do
mundo.
Que bom!
Espero esteja Feliz e se sinta bem de saude.
Por aqui estamos todos bem, o Gilinho e a familia
foram passar ferias nos Estados Unidos eu e os
restantes estamos na fazenda que se está
maravilhosamente bem.
O meus Pai também está optimo e agora está a
mandar-me embora para ele vir escrever...
Como bom filho e bem mandado vou-me...
Beijinhos tia
espero que esteja bem
do seu sobrinho

Aristeu

De Maria jose a 24.07.2011 às 22:12

Minha Gente muito querida
Cá estou de regresso de férias que embora relativamente curtas foram apenas 18 dias - tempo de que a Paulinha dispunha - me souberam muito bem.Já não consigo fazer férias só com a minha Irmã porque qualquer de nós já tem as suas limitações de saude, e, desde que ela teve um problema de coração que meteu hospitalização em Faro eu não me atrevo, nem ela , a estar lá sem gente nova e carro às ordens.
De qualquer forma o mar e o areal imenso são sempre a mesma belezura.
Fico sempre contente quando sei noticias vossas e bem gostaria sentar ao meu colo e apertar ao coração as princezinhas.
Enfim a sonhar também se conforta a alma.
Faço ideia de como a Mag estará também vaidosa com as suas lindas meninas.
Beijinhos para todos da vossa tia Zé
A somar a isso há quase que uma dependência fisica do meu espaço e dos meus hábitos que me fazem nunca andar muito tempo fora do ninho.
Prefiro saír mais vezes e menos tempo de cada vez.

De Flor do Cardo a 16.07.2011 às 16:03

... tem uma pessoa que exercer energicamente
a posição de pai ou não samos obdecidos...

Agora que tomei posse do pc cá vamos...
Espero que a amiga esteja bem - nessa praia
fantastica que me traz imensas recordações.
Belas ferias passamos por essas bandas.
Ainda hoje me sinto arrependido de ter vendido a
minha casa na Altura, mas então...

São belissimas estas fotos - dá para matar - em parte as saudades.

Nos por aqui cá vamos andando mais ou menos.
Retomei as tardes de tertulia literariae tem sido
uma alegria.
Temos cá a D. Formosinha que adora os seus
poemas - então ela declama-os e o Acácio - o marido
toca piano, para pano de fundo.
Somos 7 homens e 6 mulheres - por enquanto no grupo.
Cada um apresenta o autor que quer e depois da
leitura conversamos sobre o tema e o autor, no fim
serve-se um pequeno banquete e todos ficamos
contentes.
é assim a nossa vida por cá.

Bom o meu amigo está a chamar-me - é que
vai ticar violino e quere-me presente.
Um grande abraço e dê noticias.
COM AMIZADE E ADMIRAÇÃO

Luciano

De maria José a 24.07.2011 às 22:29

Meu bom amigo
Se viesse agora ver a sua praia na Altura pensaria que havia chegado a outro planeta!
Cadê - o areal imenso quase sem gente?
Cadê?
Cadê a paz, o silêncio. o peixe saido do mar ali à nossa frente?´
Cadê?
a gente agora perde-se entre hoteis, restaurantes prédios altissimos que nada têm que ver com o Algarve de casas baixas com platibandas cheias de beleza , imaginação e arte.Agora Altura é igual a qualquer outro pedaço de costa onde o mar ofereça uma nesga de praia.
Há muito tempo que se disse adeus ao bom gosto, ao genuino, ao tipico - agora só o negócio comanda.
Tempos...
Ainda bem que tem convívio do seu agrado. Fosse perto e lá iria eu gosar das vossas companhias.
Então o Gilinho já regressou das férias?
Saudades e um grande abraço para todos da sempre amiga
Maria josé

De Giane a 18.07.2011 às 03:29

Oi, Maria José!

Os tempos podem não ser os mais facéis, mas sem dúvidas são os mais merecidos.
Tempos para descansar a sombra e olhar o mundo com mais calma e sabedoria.
E nessa calma e sabedoria, reparar em belezas que a pressa da vida em idade mais plena não permite reparar direito.

Beijos mil e Fique Bem e no Bem!!!

De Maria José a 24.07.2011 às 22:38

Giane
o seu comentário quase tem música!
Táo expontâneo, com cada palavra chamando a que se lhe segue.
Obrigada!
Que bom que se tenha cruzado comigo neste passeio à beira-mar.
Ainda vejo o seu braço acenando. Tomara que o seu coração escute o meu - olá amiga!
É sempre bom encontrá-la!
um abraço grande
maria josé

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Julho 2011

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31


comentários recentes

  • Anónimo

    Mas que bom...As gavetas da memória ... que saudad...

  • Anónimo

    Oh minha querida Tiazinhacomo eu adoro este artigo...

  • Anónimo

    Querida Amiga de minha MãeAgradeço as suas palavra...

  • Maria José Rijo

    Creia que foi com profunda tristeza que recebi a n...

  • Anónimo

    Muito boa noiteDesculpe vir assim a esta hora e pe...


Pensamentos de Mª José

@@@@@@@@@@@@@@@@@

@@@@ O caminho acaba ali... Ali onde começa a descoberta, O caminho é sempre estrada feita O fim do caminho É uma porta aberta... Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Quando o homem se render à força que o amor tem e a arma for oração pulsará na vida a paz como bate um coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Ser semente do futuro, é a mensagem de esperança, Que como um recado antigo, A vida nos dá a herança.- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@ Eu penso, que é saudável e honesto reconhecer e respeitar as diferenças que nos individualizam no campo, também dosi deais.----- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@ Há uma tal comunhão entre a obra e o autor Que até Deus concebe o Homem e o Homem - o Criador! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ UMA IDEIA : É uma LUZ que se acende i nesperadamente no nossos espirito iluminando um caminho novo. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Sei para onde vou- pela ansia de galgar a distância- de onde estou- para o que não sou. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ A solidão é o que preenche o vazio de todas as ausências. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Quando na vida se perde, Um amigo ou um parente, P’ra que serve a Primavera? Se o frio está dentro da gente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Mesmo sobre a saudade, a doçura do Natal, embala cada coração como uma música de esperança. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Em passadas de gigante nobre de traça e idade vem da nascente p'ras fontes dar de beber à cidade. -- Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Nas flores como nas pessoas, ás vezes a aparente fragilidade também pode esconder astúcias e artificiosos bluffes ”. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ A cada um seu direito, A cada terra seu uso, A cada boca um quinhão, A cada roca seu fuso, Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Seja cada dia um fruto- Cada fruto uma semente- Cada semente o produto- Dos passos dados em frente. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Coisas e loisas esparsas- Como a ferrugem – se pica- Como a lama dos caminhos- Se pisada… nos salpica. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Todos os dias amanhecem Crianças Pássaros Flores ! Sobre a noite das crianças Pássaros Flores que já não amanhecem Amanhecerá! Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@ Ao longe vejo Olivença Mais perto, Vila Real A meus pés o Guadiana Correndo manso – na crença De que tudo é Portugal Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Pátria sagrada de povo, Que emigrada- ganha pão, estás repartida- mas viva Se te bate o coração. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Portugal mais se define Onde a fronteira se traça Pode partir, mas não dobra Quem defende Pátria e Raça Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@ Bom seria se os recados do nosso coração chegassem ao ouvido de quem os motiva, porque então saberíamos como somos queridos e lembrados sem necessidade de telefones ou cartas. As comunicações seriam de coração para coração como a música de alma que se soltasse de um poema. Maria José Rijo @@@@@@@@@@@@@@@@@@

LIVROS PUBLICADOS:

-E vim cantar- 1955@ -Paisagem- 1956@ -Rezas e Benzeduras- 2000@ @@@@@@@@@@@






ARTIGOS PUBLICADOS Em :

Jornal Linhas de Elvas - Desde 1950 @ @@@@@@@@@@@ Jornal da Beira - (Guarda) @@@@@@@@@@@ Jornal da Ilha Terceira (Açores) @@@@@@@@@@@ Jornal O Dia @@@@@@@@@@@ Jornal O Despertador @@@@@@@@@@@ Revista Norte Alentejo @@@@@@@@@@@


links

Um pouco de mim...

EFEMERIDES

Blogs- quem nos cita

Deambulo por

Culinaria

K I K A

Paginas de Diário

2019

2018

2017

2016

2014

2015

2013

2012

2011

2010

Cá estou ...

Mais alguns...

Alguns...

Alentejo

Eurico Gama

Artigos sobre...

Escola Musica / Coral

Elvas Cidade...

Escritores e...

A Familia

Sebastião da GAma

Minhas sobrinhas Bisnetas

Meus sobrinhos Netos

Meus sobrinhos

Diversos...

Páscoa

São Mateus

Cartas especiais

noticias em Jornais

Dia da Criança

Cartas do Brasil- 1996

AÇORES

Juromenha

Col. de Gastronomia

O Natal

Exp. MuseuTomaz Pires-1984

Exposição PERCURSO-2008

HistóriasCmezinhasEreceitas

Revista Sénior

JOSÉ RIJO

Hospital e Maternidade

Livro de Reminiscências

Livros- de HistóriasInfantis

  • A história da Cotovia
  • A história de uma Flor
  • A historia do Castelo
  • AlendaMisterioso vale florido
  • O sonho da Joca
  • A menina de Trapo
  • A avó conta 1 historia
  • Conto - Margarida - 1
  • Conto-Margaridavaicontente
  • ... então sonhei!
  • O Cavalinho encantado
  • A princesa Jasmim
  • Aurinha está doente
  • Arnaldo o terrivel
  • A Cabrinha
  • Era uma vez ...
  • O pequeno castanheiro

Dias festivos

Programa de Poesia (radio)

Crónicas na Revista

Livro de Poemas - I

Livro de Poemas - II

Livro de Poemas - III

Livro de Poemas - IV

Aniversários Linhas

Livro Rezas e Benzeduras

Livro das Flores

LivroJoaoCarpinteiro

A Visita - Despertador

Programas se SãoMateus

Entrevistas

Entrevista - TV-Videos,etc

Visitantes no Blog

Aniversarios Blog



arquivos



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.